terça-feira, 30 de Outubro de 2012

UM SONHO INADIÁVEL


Sonho com o dia em que deixaremos finalmente de ser Balantas, Papéis, Beafadas, Mandingas, Fulas, Bijagós, Manjacos, Mancanhas, Felupes, etc., para sermos apenas guineenses, unidos não apenas pelo passaporte ou pelo bilhete de identidade, mas sobretudo pela nossa bandeira, cujo flutuar representa o culminar da nossa resistência colectiva à dominação estrangeira, o nosso Hino Nacional que reflecte todo o sofrimento, suor e sangue que correm pelo imenso caudal de esperança num futuro melhor para os nossos filhos e, sobretudo, unidos pelo amor ao País que nos viu nascer, crescer e fazer-se homens e cuja inserção e dignificação no contexto das Nações depende da nossa forma de ser e de estar face aos desafios da nossa época;
 
Sonho com o dia em que não condenaremos veementemente um Golpe de Estado, com toda a convicção de que constitui um acto criminoso e repugnante, só porque foi levado à cabo por alguém que não é da nossa etnia, para logo a seguir apoiarmos um acto semelhante, só porque o seu autor é da nossa etnia ou partilha connosco a mesma religião;
 
Sonho esperançadamente com aquele dia maravilhoso em que, independentemente da pertença étnica, da cor da pele e da crença religiosa da vítima e do seu homicida, ergueremos a nossa voz, em uníssono, para exigirmos que seja feita justiça em nome da justiça e só em nome da justiça e não permitiremos que a palavra JUSTIÇA seja transformada em mero instrumento de perseguição política ou ainda pior, em trampolim de ascensão política e de satisfação de interesses mesquinhos e antagónicos à essência e a nobreza da própria justiça. Estou convicto de que esse dia chegará, em quem seremos capazes de sacrificar as nossas ambições pessoais, sempre que colidem frontalmente com os supremos interesses da JUSTIÇA no verdadeiro sentido desta palavra, para que a realização dos nossos projectos não se faça hipocritamente e a custa do sofrimento alheio.
 
Falo da justiça, convicto de que ela pretende instituir a ordem, a moral e a disciplina de valores sociais que promovam o bem-estar e a igualdade de oportunidades na sociedade humana, cultivando o espírito de participação cívica, de assunção de responsabilidades, do cumprimento de obrigações, mas também, como é óbvio, da defesa integral dos direitos que nos assistem.
 
Nasci, cresci, fui educado e instruído num País onde o recurso a feitiçaria para fazer valer o Direito e a Justiça, na ausência de estruturas e mecanismos Institucionais credíveis, constitui uma prática muito comum, inclusive entre Altos Dignitários dos Órgãos da Soberania do Estado, alarmando para o nível de descrédito do próprio Estado no seu todo e da Instituição Judicial em particular, alertando assim para as necessidades de PARARMOS, PENSARMOS E AGIRMOS, antes que seja tarde demais.
 
Continuo a acreditar que é possível e pertinente fazer funcionar a justiça no nosso País e, tendo em conta as nossas especificidades sociais, devíamos pensar na melhor forma de partilhar a justiça, quando os verdadeiros interessados no desfecho da contenda, da lide, conversam, esclarecem e esclarecem-se, compreendem e são compreendidos, para finalmente, estarem em condições de encontrar a solução que melhor serve para satisfazer os seus interesses e não as suas posições.

Quando as partes falam, olhos nos olhos, torna-se possível criar um espaço de diálogo necessário à sua participação cívica (das partes) na composição do litígio. O Povo do alto da sua sabedoria inventou o ditado “a falar é que a gente se entende! A justiça partilhada só é possível quando todas as partes de um processo se regem pela sua consciência e pela sua integridade, reconhecendo os erros, pedindo desculpa e recuando quando sabem que não têm razão ou, pelo menos, tanta razão para em nome da Justiça, agir à margem da Justiça, colidindo frontalmente com os seus princípios, e espezinhando os valores que constituem a razão da sua existência.  
 
Partilhar a justiça é tomar nas nossas mãos a solução para o litígio que nos opõe ao outro, é compreender a posição do outro sem perdermos de vista os nossos direitos e é ser solidário com o nosso vizinho. Ou seja, a justiça partilhada tem como objectivo não só a auto-responsabilização e auto-regulação, mas também e principalmente, a pacificação social, através da restauração de relações amigáveis e da compreensão mútua e respeito que deve pautar as nossas relações com o nosso semelhante, seja familiar, vizinho, amigo ou apenas conhecido.
 
A descredibilização da justiça na Guiné-Bissau deve-se a sua indevida utilização, do aproveitamento político que é feito em nome da Justiça - servindo para encobrir a Mentira, o Ódio, e a Inveja e ao mesmo tempo justificar a Ignorância, a Incapacidade, o Nepotismo e a Traição: Golpes de Estado, Assassinatos, Torturas, Violações, Ameaças Espancamentos e demais formas de Violência Gratuita são levadas a cabo em nome de uma suposta JUSTIÇA que só gera calamidades e desgraças ao nosso País e ao nosso Povo.
 
Sonho com esse dia maravilhoso em que o “PACTO DE NHINTÉ” será alargado à todos os guineenses e as armas deixarão definitivamente de crepitar em nome da justiça, PORQUE NÃO ACREDITO NA JUSTIÇA DA VIOLÊNCIA.
 
Lisboa, 30 de Outubro de 2012.
 
Rui Manuel Djassy (Bá Djassy