domingo, 21 de Outubro de 2012

Um país dilacerado



Estas são as principais datas da Guiné-Bissau, desde que viu a independência reconhecida por Portugal até aos dias de hoje. E com muitos golpes militares pelo meio
O pós-independência de Portugal

1974

10 de setembro

Portugal reconhece a independência da Guiné-Bissau, um ano depois da morte de Amilcar Cabral. Luis Cabral, o seu irmão, assume a presidência do novo país

1980

14 de novembro

Luís Cabral derrubado num golpe militar levado a cabo por João Bernardo "Nino" Vieira

1994

3 de julho

"Nino" Vieira foi eleito nas primeiras eleições presidenciais

A guerra civil

1998

6 de junho

Asumane Mané é destituído de chefe do estado maior general por "Nino".

Ele e os seus homens rebelam-se e o país entra em guerra civil

1999

7 de maio

Militares liderados por Asumane Mané derrubam "Nino" Vieira. Junta militar instala Malam Bacai Sanhá como presidente interino e "Nino" parte para o exílio em Portugal.

O golpe contra Kumba Ialá

2003

14 de setembro

Kumba Ialá, que fora eleito presidente nas eleições presidenciais de 2000, é derrubado do poder por um golpe de Estado militar. Aumane Mané também já tinha sido morto nessa altura ao tentar fazer um golpe

20 de setembro

Henrique Rosa assume interinamente as funções de Presidente

2004

março

AIGC vence as eleições legislativas

A esperança na estabilidade

2005

7 de abril

Nino Vieira regressa ao país depois do seu exílio em Portugal e chega ao poder através da vitória nas eleições presidenciais de julho desse ano

outubro

"Nino" Vieira demite de primeiro-ministro Carlos Gomes Júnior

2007

março e abril

Aristides Gomes demite-se depois de o seu Governo perder uma moção de confiança. Martinho Ndafa Kabi é nomeado primeiro-ministro

Crise política de 2008

2008

5 agosto

Quase 16 meses depois de empossado, é demitido o Governo de Martinho N"Dafa Cabi, que emergiu de uma crise política prometendo acabar com a corrupção e o tráfico de droga

8 de agosto

Destituição do Chefe de Estado-Maior da Armada, almirante Bubo Na Tchuto, por tentativa de perturbação da ordem constitucional. No mês seguinte, Bubo pede asilo humanitário à Gâmbia

6 de outubro

O então secretário geral da ONU, Ban Ki-Moon, afirma que a Guiné-Bissau se está a converter num mercado de drogas

16 de novembro

O PAIGC vence as eleições legislativas na Guiné-Bissau, elegendo 67 dos 100 deputados à Assembleia Nacional Popular

23 de Novembro

Vários tiros e explosões de granadas são ouvidas de madrugada em Bissau, próximo da residência do Presidente "Nino" Vieira. Da acção resultou um morto e um ferido entre os seguranças do chefe de Estado

O atentado que matou Nino Vieira

2009

2 de janeiro

O líder do PAIGC, Carlos Gomes Júnior, é empossado como primeiro ministro

1 de março

Uma explosão no Quartel-General das Forças Armadas mata o general Tagmé Na Waié, tornando-se no terceiro CEMGFA a ser morto numa década, todos em circunstâncias algo difíceis de apurar

2 de março

Horas depois da explosão no Quartel General, militares armados atacam a residência do Presidente, João Bernardo "Nino" Vieira, matando-o

3 de março

O presidente da Assembleia da República da Guiné-Bissau, Raimundo Pereira, assume interinamente a chefia de Estado

6 de abril

Zamora Induta é nomeado interinamente para o cargo de chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas até haver novo Presidente

5 de junho

Baciro Dabó, candidato às presidenciais de 28 de junho, é assassinado de madrugada na sua residência em Bissau. Fontes da candidatura responsabilizam homens com uniformes militares

8 de Setembro

Malam Bacai Sanha, vencedor das presidenciais, toma posse no Estádio Nacional 24 de Bissau e promete que não haverá mais golpes no país ou queda de qualquer Governo legitimamente eleito

2010

1 de abril

O primeiro ministro da Guiné-Bissau, Carlos Gomes Júnior, e o chefe das Forças Armadas, Zamora Induta, são feitos reféns por militares. Induta é destituído pelo chefe do estado maior general das Forças Armadas António Indjai. Gomes Júnior acabou por ser depois libertado e tentou controlar a fúria popular

2011

20 de março

Angola envia uma missão técnica de mais de uma centena de homens destinada a recuperar casernas militares e formar elementos da polícia

Tumultos de Natal e morte de Sanhá

2011

26 de dezembro

Um dia depois do Natal anunciou-se mais uma tentativa de golpe de Estado e houve troca de tiros nalguns pontos de Bissau.O Governo disse tratar-se de uma tentativa de subtração de arma de um paiol do Exército, mas o chefe das Forças Armadas, António Indjai, disse tratar-se de um golpe militar que visava eliminar fisicamente Carlos Gomes Júnior.Vários militares encontram-se detidos por ligações a este caso, entre os quais o chefe do Estado maior da Armada Bubo Na Tchuto.

2012

9 de janeiro

Malam Bacai Sanhá, Presidente da Guiné-Bissau, morre em Paris aos 64 anos, vítima de doença prolongada

18 de março

Nove candidatos apresentam-se às eleições presidenciais

12 de abril

Golpe de Estado entre as duas voltas das presidenciais depõe o primeiro-ministro Carlos Gomes Júnior e o Presidente interino Raimundo Pereira. Atualmente há um Governo de transição, liderado por Serifo Namadjo, o qual nomeou o primeiro-ministro Rui Duarte de Barros. O Conselho de Segurança impôs, depois sanções aos líderes golpistas.

julho

O Conselho de Segurança da ONU expressou a sua preocupação em relação ao aumento do tráfico de droga na Guiné-Bissau, desde o golpe

21 de outubro

Tiroteio na unidade militar dos Boinas Vermelhas, junto ao aeroporto de Bissau, capital da Guiné-Bissau