terça-feira, 30 de Outubro de 2012

Roleta russa, com balas da PGR...


A morte tragica em março 2009 de João Bernardo Vieira, ex-Presidente da Republica, seguindo-se a do Major General, Baptista Tagmé Na Wayé veio despoletar uma guerra de manipulação sem precedentes no topo da Magistratura do Ministério Publico guineense. Sobre essas duas mortes quase simultâneas, reza a historia e testemunhos proximos da segunda figura, que este ordenara, de que, ocorrendo a sua morte, o primeiro não deveria sobreviver,... nem um dia que seja. Portanto, um dos mortos ja sabia de antemão, quem seria o seu mais que provavel executor (material ou moral). Assim foi, e assim se cumpriu a «profecia» da vendeta.

Apos estes dois tristes acontecimentos que chocaram a sociedade guineense, mas claramente movidos por interesses e fins politicos inconfessaveis, esses factos tragicos começaram a ser manipulados tendo em vista a luta do poder na Guiné-Bissau. O alvo escolhido para se incriminar, imputando-lhe, ora como «mandante ora como autor moral» esse duplo assassino, foi o Primeiro Ministro, Carlos Gomes Junior. Ele foi o «alvo escolhido» por motivos e fins estrictamente politicos, pois nada tem a ver com esses ignobeis crimes.

Essa tentativa de incriminação, para além de pretender expôr Carlos Gomes Junior a um julgamento sumario em praça publica utilizando argumentos politicos sujos e falaciosos de baixo nivel, visava essencialmente denegrir e descredibilizar a sua imagem de homem publico de bem com o fim ultimo da sua neutralização politica. Pretendia-se com esse artificio a convalidação maquiavélica de um caso de foro puramente judiciario em um caso meramente politico, enfim, « julgamento com fins de aniquilamento politico ». Porém, esa vontade assumida de Carlos Gomes Junior, colidia frontalmente com a pretensão quase obsessiva de Malam Bacai Sanha, ser o prôximo Presidente da Republica apôs o mandato de Nino Vieira.

Varias peripécias e controvérsias ocorreram na « luta » pelo poder entre os dois homens fortes da familia PAIGC, mas que, neste momento não traria ao caso em analise. Finalmente, Malam Bacai Sanha foi eleito PR da Guiné-Bissau, contribuindo muito para isso, Carlos Gomes Junior. Foi um longo e acalentado sonho de Malam Bacai Sanha tornado finalmente realidade, e reconheça-se, fruto de uma persistência politica sem igual, quase obsessiva de uma velha e matreira raposa da politica nacional.

Contudo, embora guindado ao cargo de PR, sabe-se que, Malam Bacai Sanha nunca se sentiu à vontade com a popularidade e perfomance politica de Carlos Gomes Junior (um militante «paigécista» da nova vaga pos-independência) e, principalmente incomodava-o a alta simpatia e o nivel de credibilidade que este tinha junto aos parceiros de desenvolvimento da Guiné-Bissau e da comunidade internacional em geral. Esse pouco à vontade, ensombrava sobremaneira Malam Bacai Sanha, senão, complexava-o mesmo.

Frescamente, instalado na Presidência da Republica Malam Bacai Sanha rodea-se rapidamente de um gabinete presidencial provido de numerosos conselheiros, alguns deles, infelizmente, os mais influentes, de competência e reputação duvidosas e especialistas em complôts e intrigas palacianas do mais baixo nivel. E nessa estratégia maquiavélicamente montada que começa Jogo da Roleta Russa com projecteis muito especiais : a figura do Dignissimo Procurador Geral da Republica (PGR), o titular da acção penal.

O primeiro PGR, escolhido por Malam Bacai Sanha, foi o Dr Amine Michel Saad, eminente Advogado e politico sagaz. Pensara ele que este se submeteria ao seu jogo de interesses politicos. Durante os anos que passou no cargo, esse PGR conseguiu inteligentemente suportar as fortes e insuportaveis pressões, vindas, quer da Presidência da Republica, quer de algumas Chefias Militares balantas e do proprio PRS com a organização de marchas e manifestações, no sentido de forçar o incriminamento, custe o que custar de Carlos Gomes Junior, como sendo o «responsavel» da morte dessas figuras. Cansado das incessantes pressões, velha raposa e experiente advogado, o primeiro PGR da era Malam Bacai Sanha, deita por fim a toalha ao chão, recusando assim a infame missão de forjar uma acusação injusta contra um homem que, perante os factos apurados (apesar de muitas montagens e testemunhos forjados) e a sua convicção de direito, nada tinha a ver com esses casos de mortes. Em consequência, por respeito à sua profissão e convicção de justiça, o Dr Amine Michel Saad, apresenta a sua demissão ao PR, que o aceita.

Ao Dr Amine Michel Saad, segue-se o Dr. Edmundo Mendes, Magistrado jovem, mas de boa e solida formação juridica e, com muitas ganas de mostrar serviço. As sua primeiras declarações criou a expectativa na mente da Quinta Coluna da Presidência da Republica de que, uma decisão célere de incriminação de Carlos Gomes Junior nesses assassinios e o seu consequente aniquilamento politico seria para breve, uma questão de tempo..., pouco tempo mesmo. Porém, decerto apos contactos com a realidade no terreno e na posse de mais dados das investigações juntas ao dossier, o novel PGR, passa a presentar um discurso mais acautelado e equilibrado. Em consequência, acentuam-se as pressões do costume e, dai o primeiro aviso à navegação por parte do PGR : «quem tiver provas contra quem quer que seja (entenda-se, o Carlos Gomes Junior), neste caso, que o traga ao conhecimento do MP para ser apreciado... porque sem provas não se pode acusar ninguém». Essa posição de principio era o sinal de que tinha os dias contados no posto.

Segue-se depois uma outra posição mais forte, instando os Magistrados do MP, a «não cederem a quaisquer tipos de pressões na aplicação da justiça, venham elas de onde vierem e de quem quer que seja». Implicitamente, o Dr Edmundo Mendes quiz dizer ao Sr Manuel Serifo Nhamadjo, Presidente da CEDEAO na Guiné-Bissau e ao seu Governo fantoche, de que, ele não estava la para fazer trabalhos sujos de montagens, forjando acusações e incriminação falsa contra pessoas que perante a lei, são inocentes. Foi o canto do cisne para Edmundo Mendes e,... bye, bye, ex-PGR. Porém, regista-se-lhe a ombridade e a marca de dignidade e respeito que a sua atitude conferiu à nobreza do cargo de um Magistrado Publico.

No entanto, as recentes declarações de Carlos Gomes Junior, tornando publico, de que, teria accionado o Secretario Geral das Nações Unidas, solicitando a criação de um Comité de Inquérito Internacional e, consequentemente um Tribunal ad hoc sob os auspicios das NU a fim de promover o julgamento de todos os crimes de sangue cometidos na Guiné-Bissau desde 2000, veio a criar o pânico e baralhou o jogo das cartas da maquinância dos novos senhores de Bissau.

Tornou-se evidente que o Sr Manuel Serifo Nhamadjo, Presidente da CEDEAO na Guiné-Bissau e ao seu Governo fantoche teriam que reagir rapidamente para antecipar quaisquer diligencias que um Tribunal independente, imparcial e internacional do género solicitado decide-se antecipar. O primeiro a reagir, embora timidamente, a um pedido de comentario sobre a solicitação feita às NU pelo Primeiro Ministro Carlos Gomes, foi o Eng° Rui Barros, denominado PM de Transição : «até pode ser interessante, mas vamos dar prioridade a justiça nacional... e, depois se vê »... ja se vê o filme, seu PM fantoche. No actual cenario de jogos permiscuos, o homem que se segue neste momento, é o Dr Abdu Mané, «nomeado» por Serifo Nhamadjo (mas que aberração meus senhores : com que poderes e com base em quê, é que se ousa fazer essa «nomeação» de fantochada ??!!).

Primeiro, o Dr Abdu Mané, não é um Magistrado. Segundo, ele não passa de um reles Advogado farfolheiro sem escrupulos e de competência técnica limitada e duvidosa. Até prova em contrario, até a data da sua « nomeação » ele era o mandatario judicial constituido da denominada «familia das vitimas dos crimes politicos». Portanto, estamos perante uma encomenda bem arranjada feita a um «pau mandado» carregado de odio e maldade pronta a descarregar a guilhotina da missão sobre a sua «vitima». Deve-se reconhecer que, melhor verdugo, Serifo Nhamadjo não podia encontrar. Abdu Mané, é o homem ideal, para aceitar essa missão suja de tentar a todo o custo acusar e incriminar Carlos Gomes Junior nesses sombrios processos de assassinatos. Alias, uma das razões da sua escolha, foi ter-se oferecido ao cargo, dando garantia ao Serifo Nhamadjo de que tinha meios e formas de levar a cabo a neutralização politica de Carlos Gomes Junior.

O fim dessa missão, visa intimidar em primeira linha Carlos Gomes Junior a regressar a Guiné-Bissau e ao mesmo tempo tolher-lhe o acesso à direcção do PAIGC. Enfim, o que se pretende principalmente com essa nomeação ilegal e aberrante, é tentar, manipulando os Magistrados do MP, forjar uma acusação tendente a incriminar Carlos Gomes Junior e assim, inibi-lo, senão impedi-lo de apresentar a sua candidatura às proximas eleições Presidenciais que, de senso comum, sabe-se esta-lhe à mão de semear.

Alias, até o proprio Antonio Injai, hoje arqui-inimigo de Carlos Gomes Junior, admitiu publicamente esse cenario, porquanto sem dar conta, assim confessou aquando da visita recente as unidades militares, dizendo em crioulo : « si bô dixal i bim guiné, i na bim i na ganha eleiçon..., anta kê ki na bim fasi ku nôs ?» Para cumprir a sua suja missão que lhe incumbiu Serifo Nhamadjo, o Dr Abdu Mané nem precisa de se esforçar, conhecendo-se o grau do odio e maldade que nutre contra Carlos Gomes Junior, cujas manifestações de aversão e animosidade desencontrada é notoria e publica

Manuel Serifo Nhamadjo segue à risca a escola e o modus operandi que Malam Bacai Sanha utilizou e lhe legou para tentar destruir Carlos Gomes Junior e,... Abdu Mané, é mais um projectil que foi escolhido para introduzir na famosa Roleta Russa à moda da PGR. Porém, a ver vamos..., pois ca estamos para ver em que vai dar mais esta maquinância sordida e vergonhosa e, talvez... o tiro lhes saia pela culatra. Um grande abraço de conforto e esperança a todos os que sofrem com o problema da Guiné-Bissau, com a fé e certeza de que um dia sairemos desse atoleiro da vergonha e da chacota que, a mando de interesses estrangeiros subregionais, um grupo de mercenarios e criminosos nos colocaram.

O.P

Ps : Quero reavivar a memoria do Sr Presidente da CEDEAO para a Guiné-Bissau que teve a ousadia de ilegalmente «nomear» o actual PGR, lembrando-lhe de que, para além da nulidade dessa «nomeação», o seu PGR de pacotilha tem cadastro judicial, pois foi preso e condenado por desvio de bens publicos quando foi Secretario de Estado do Comércio. Ao obtuso do novel PGR, caso a sua missão é a defesa da legalidade e do interesse publico, que tome as medidas contra os autores dos sucessivos espancamentos, crimes de sangue e execuções sumarias que têm ocorrido estes ultimos dias na Guiné-Bissau. Ai sim Sr PGR por encomenda começaremos a dar-lhe o beneficio da duvida sobre a bondade da sua "nomeação".