sexta-feira, 12 de Outubro de 2012

Problemas, problemas...


Aspectos da actual situação político-militar na Guiné-Bissau referidos num relatório de Intelligence – que em substância alerta para a eventualidade de poderem virem a dar azo a convulsões internas, apesar do “elemento dissuasor” representado pela presença militar da CEDEAO:

a) Está a alastrar um clima de divisões e desconfianças internas nas Forças Armadas, designadamente entre os oficiais; o CEMGFA, General António Indjai não conseguiu fazer aprovar internamente um plano de promoções, que previa anunciar em 24 de Setembro; as condições de alojamento e alimentação nos quartéis continuam a deteriorar-se; referenciadas atitudes “saudosistas” dos militares em relação à situação anterior ao golpe de Estado;

b) O episódio da viagem a Nova Iorque do Presidente interino, Serifo Namadjo, empolou o mal estar que do antecedente vem sendo registado entre os militares, o Presidente e o Governo, em geral; os militares, aparentemente animados por Kumba Ialá, que tem ascendência sobre eles, atribuem ao Governo e ao próprio Presidente responsabilidades pelo “embaraço” que constituiu para o actual regime o facto de S Namadjo ter sido impedido de discursar na AG ONU;

c) O relacionamento entre o comando da força da CEDEAO e os militares, em particular o CEMG, aparenta ser precário; são deficientes as condições em que a força da CEDEAO está aquartelada, Cumeré, e os seus comandantes responsabilizam por isso as FA e o Governo; registadas iniciativas no sentido de levar o Governo a assegurar verbas destinadas a remediar as carências. Na conduta da força da CEDEAO são notados fenómenos de saturação – atribuídos à indefinição em que a situação no país se mantém (as expectativas iniciais sugeriam um período curto). Por exemplo, as suas patrulhas são agora menos regulares e o número de soldados empregados em cada acção passou de cerca de 15 para 4/5.