terça-feira, 30 de Outubro de 2012

PORCO, SUJO E MAU


Enquanto o fulano esteve ausente por uns bons tempos do pais, apesar de alguns precalços sociais e politicos, sentiu-se uma certa acalmia, estabilidade, a emergência de uma cultura de harmonia e sinais de aproximação e até de reconciliação entre os guineenses.

Por largo periodo de tempo, à parte, como se disse atras, a existência de alguns focos de perturbações, inerentes à vida politica e social da Guiné-Bissau, as quais foram sendo geridas e sanadas ora bem ora mal, não se falava expoxta e exacerbadamente de violência, não se instigava claramente à guerra, não se focalizava o debate politico permanentemente sobre as questões racicas e tribais, não se apregoava publicamente a divisão entre guineenses e nem se doutrinava o odio e a vingança em circulos do poder e nos quarteis.

Bem ou mal, com altos e baixos de permeio, os fantasmas dos complexos crônicos da vitimização social que uns teimam arreigadamente a doutrinar, tendiam a esmorecer-se face ao argumento em crescendo da esperança, porquanto o pais respirava o ar puro da ansiedade e vontade de caminhar rumo ao desenvolvimento, potenciando as expectativas em dias melhores para todos.

De regresso, vindo repentino dos confins do deserto, esse vil fulano, Porco, sujo e mau, embuido de odio, qual «obulum» do mal, traz com ele, os ventos da instabilidade, a intriga, o incitamento à violência, o tribalismo, a instrumentalização das forças armadas e de segurança, a subversão da ordem e dos valores sociais, os insultos de baixo nivel, as ameaças à estabilidade social e democratica. O demônio em pessoa

Assim foi. O Porco, Sujo e Mau fez chorar mais uma vez o Povo da Guiné-Bissau. Encenando uma contestação eleitoral sem o seu quê de fundamento, entre a tragicomédia irrealista montou-se de emergência um autêntico Conselho de Guerra e,... o Porco, Sujo e Mau e mais quatro dos seus acolitos do poder, vêm mostrar aos Guineenses e ao mundo o que é a intolerância de um anti-democrata doentio e esquizofrémico.

Num apice a paz arduamente conquistada, as feridas pacientemente saradas, a confiança laboriosamente tecidas, esmoreceram como um castelo de areias. Medos antigos foram reabilitados. Mentes débeis e complexadas foram manipuladas, demonios antigos foram ressuscitadas e as maquiavélicas engenharias do odio, traçoeiramente forjadas na mentira e na falsa vitimização, vieram à toda... com ela a violência gratuita e selectiva e... toda a sociedade estremeceu. E, não foi por menos. Houve destruição, houve mortes... enfim a democracia foi posta de joelhos, humilhada e desventrada. 

Para tudo isso, bastou um mero sinal de um fulano, Porco, Sujo e Mau. Esse fulano, eminência perigosa de um tribalismo de eliminação selectiva, volta a dar mostras ao mundo da prova do seu poder desestabilizador, destruidor e nocivo na sociedade Guineense : mais um golpe de estado brutal e aberrante com cariz e motivações que nenhuma logica pode explicar, senão aquele que claramente submerge de um mero impulso de demostração de força e irracionalidade étnico-tribail que faz e desfaz do poder conforme o sentido das suas baionetas impregnadas de sangue dos inocentes.

Esta crua realidade, mostra aos Guineenses e ao mundo em geral..., como uma pessoa tão insignificante, pode ser Porco, Sujo e Mau.

Olegario Tavares