quarta-feira, 17 de Outubro de 2012

O PAIGC não se encontra no Estado da agonia (Teses dos cegos)


O nosso objetivo é despertar os simples militantes do PAIGC e o povo, em geral, para as riquezas que possuímos e a necessidade de transformá-las em ferramentas para os grandes e melhores resultados, de acordo com os valores individuais.

Como sempre dissemos, cada indivíduo é um projeto e temos que conjugar os vários projetos individuais no chamado projeto comum no qual cada um e cada uma se revê, na base de uma reflexão e análises profunda da situação política vigente no país, assim como nos funcionamentos dos órgãos do Partido.

Sim! É verdade que ninguém, e ninguém mesmo, é proprietário do Partido, a não ser o povo da Guiné-Bissau.

Quem não quer ser líder de um grande Partido PAIGC? Pergunto!

Nas palavras de Jacob Zuma, para “Ser líder do PAIGC é preciso tê-lo no sangue”

Muitas vezes não fazemos análise profunda de quem somos nós, e quais as capacidades que possuímos, na base da esfera da nossa atuação e se somos/seremos capazes de responder àquilo que o contexto exigir de nós.

“Numa casa sem guardas, cada um faz o que quer e os gatunos fazem a festa “

Para os guineenses, já é hábito agir na base de: “Ami n pudi! Ke ku kila la mas mi?”

”Deus não lhe da mais do que você pode carregar“

“A nossa luta nos dias de hoje, não é contra o colonialismo português, e não podemos confundir o povo português com o colonialista português”, A nossa luta é contra a pobreza, a fome, a permitividade e, acima de tudo, é uma luta para o desenvolvimento. Uma das mais complexas lutas, porque exige de todos o armazenamento do saber, com base suficiente em tudo o que servirá de catalisador para o bem-estar dos guineenses.

Lamentamos a inversão de valores que se assiste hoje na Guiné, em que o conhecimento é relegado para o último plano, reinando a lei da selva – a lei do mais forte!

Como disse o escritor “Ter autoridade ou domínio de algo, não significa propriamente que você tem o poder em suas mãos”

Fazendo a análise do presente, gostaríamos de comungar as nossas ideias com os que entendem que este ano a Guiné-Bissau fez entrar na história da ONU um facto: uma nação civilizada, membro da organização, foi proibida de manifestar os seus sentimentos.

Se recordamos a Guiné-Bissau triunfou na ONU com o nosso saudoso líder Amílcar Cabral, quando a Guiné foi reconhecida pela ONU, enquanto país em luta, a título do observador.

Analisando a situação não podia deixar ficar de fora o Martin Luther King” Aprendemos a voar como os Pássaros, a nadar como os Peixes, mas não aprendemos a simples arte de vivermos juntos como irmãos”

Hoje, não se fazem perguntas, o que será do PAIGC? Será que vai resistir a tudo o que lhe é imposto?

Afinal existem falsos Profetas que se intitulam donos do P.A.I.

“Eu acredito em uma coisa, o Poder da vontade” Joseph Estaline

Como Amílcar dizia “Nenhuma força vindo do exterior, pode opor ou seja destruir a máquina do PAIGC, se não for os próprios militantes do Partido”

Já é hábito no meu e vosso vocabulário apresentar as seguintes tezes, de que o Rei prepara o filho, enquanto Príncipe para que no futuro o possa substitui-lo, mas no PAIGC, quem prepara os herdeiros?

Hoje assiste-se às vozes levantando-se alto e em bom som, como sendo Charle Ohms, para a salvação do Partido, anunciando a profecia dos ideais dos combatentes, na corrida da estafeta juntando a velha geração com as dos Mancebos.

Para quando a entrega do pauzinho?

Somos nascidos na base da Lei que a natureza nos impõe, e com o tempo a doença da velhice faz engolir não só a nossa visualidade, assim como pode transformar a pele, a cor do seu cabelo, e de seguida mudando a nossa forma de pensar, porque muda-se o tempo, muda-se os homens.

Aqui ninguém faz parte do passado! Você acredita no era-era? Ou seja a Lenda do passado?

Chamem a mim o nome que vos convém, só sei que o Amílcar dizia, que a aprendizagem é um acto continuo A.C. ”Aprendemos através da vida, através da experiência dos outros, através do livro, através do nosso povo e nunca parar de aprender”

Em cada momento constatamos a verdadeira tese do A.C. ”Nem toda a gente é do Partido”

Para a liderança do PAIGC, nos precisamos saber, aquilo que você fez para o sucesso do Partido, projectos, realizações etc…

Todos nos temos grandes sonhos, mas não basta ter sonhos, porque o PAIGC, precisa de quem o fará ter os ingredientes após as longas e varias etapas de travessia (Luta de libertação, Mono partidarismo, Pluralismo Democrático), onde pelo contrário os ingredientes vão fortalecer o Partido, para os novos desafios, apoiando nas capacidades da regeneração da sua massa militante.

A nossa missão consiste em despertar os fiéis militantes do Partido, a Juventude, as Mulheres e aos Veteranos. Como diz os ensinamentos de Deus (Mateus 7:12) ”Tratar os outros como gostaríamos de ser tratados”

O momento é dramático para o PAIGC e em particular para o povo da Guiné – Bissau, porque temos aquilo que existe e que não merecemos, e somos aquilo que somos, por nos forem obrigados a silenciar o sentir do eco de um povo “Cala Iem”, absoluto da escuridão enraizada na sombra do nosso – vosso destino. Sonhamos com a perpétua idade do viver e do querer ser livre, livre de se manifestar como a trovoada que evoca as suas lanças de relâmpagos das conquistas dos combatentes de liberdade da pátria.

Para nós, ser líder do PAIGC, tem de se basear nos indivíduos com o profundo conhecimento dos ideais do Amílcar Cabral, isto é dos libertadores. Ter noção clara do funcionamento das estruturas do partido, a partir das suas bases, e saber fazer a leitura dos erros cometidos na execução do programa maior e a apresentar soluções, assim como tornar o PAIGC, enquanto mosaico étnico no símbolo da Unidade Nacional.

“Políticos quando não tem argumentos políticos vão–se refugiando nas suas pertenças étnicas e religiosas” A.C

Não basta querer ser Presidente do Partido, o Amílcar dizia: “Temos que promover os melhores, com capacidade de criatividade e de compreensão do momento, assim como apontar as pistas para resolução dos problemas”.

Para findar as nossas inverdades, gostaríamos de apresentar as seguintes questões:

a) Quais são as pessoas que te seguem?
b) Para o crescimento do Partido, o que você fez?
c) Qual é o seu passado?
d) A sua visão ideológica?
e) Quem é você? (Bissau pikininu di mas,pan ka sibi!)
É verdade que temos problemas, dificuldades, mas não tanto para sermos reféns e pedintes de “Lombar dine” aos pobres, porque somos ricos nos ideais do fundador do PAIGC, e o Partido não se encontra no estado de agonia.

Sonhar é bom, mas os ditados falem a sua maneira:

1) Kussin kasaku suma d’manga flanu: si bo ombra ka djusta i ka ta pudi sedu. (I ta perta ou i ta iogoli).
2) Si bu firma na kau sukuru, si utru ka odjau, ma abó bu ta odja bu kabessa.
3) Bonitasku di iagu salgadu i bonitu, ma i kansadu bibi.
 
Que a bênção de DEUS vos acompanhe, obrigado.

T.B.