segunda-feira, 15 de Outubro de 2012

Missão conjunta da ONU-CPLP-CEDEAO-UA esperada a todo o momento


Uma missão conjunta da ONU, da Comunidade dos Paises de Lingua Portuguesa (CPLP), da Comunidade Economica dos Estados da Africa Ocidental (CEDEAO) e da União Africana (UA) é esperada a todo o momento na Guiné-Bissau, indicou sexta-feira em Dakar, 12 de outubro, Joseph Mutaboba, Representante Especial do Secretario Geral das Nações Unidas na Guiné-Bissau.

Durante uma conferência de imprensa na capital senegalesa, Joseph Mutaboba, precisou que essa missão tera incumbência avaliar a situação no terreno em Bissau a fim de harmonizar, sob os auspicios das Nações Unidas, as posições dos parceiros sobre a crise politico-militar prevalecente. "Uma vez em Bissau, essa missão vai encontrar-se com as autoridades de transição, assim como com as outras diferentes partes do conflito", acrescenta esse diplomara onusino. Joseph Mutaboba aproveitou a ocasião para lançar um vibrante apelo as actuais autoridades Bissau-guineeses no sentido de se dignarem se empenhar seriamente no restabelecimento o fio do dialogo rompido apos o golpe de 12 de abril 2012.

Nessa mesma conferência lamentou a morte em janeiro 2012 do Presidente Guineense, Malam Bacai Sanha que provocou a anulação da Conferência Nacional de Reconciliação que estava prevista de 14 a 18 janeiro 2012. Falou igualmente do se à Dakar, Mutaboba do statu quo que impera na Guiné-Bissau com uma Assembleia Nacional que não fonciona depois do 12 de abril ultimo. Entretanto, disse que, é sua opinião de que a solução desta crise reside na vontade de todas as forças vivas da Nação Guineense de restabelecer e enveredar por um dialogo inclusivo no mais breve espaço de tempo.

Mutaboba é hoje corrosivamente criticado pelos altos oficiais das Forças Armadas que lhe acusam de imparcialidade e de tomar parte e posicionar-se a favor de Carlos Gomes Junior, no exilio. Rui Landim, analista politico, num dos seus comentarios radiofonicos, pede simplesmente que este renuncie ao seu cargo. "Joseph Mutaboba falhou na sua missão de consolidação da paz na Guiné-Bissau, com a agravante que é na sua presença que foram assassinados friamente, Nino Vieira, o general Baptista Tagmé na Wai, os deputados Baciro Dabo, Helder Proença, etc", conclui esse conhecido comentador da capital guineense.