quarta-feira, 10 de Outubro de 2012

Mali: A CEDEAO claramente sem saida estratégica


A grave crise que persiste no norte maliano a medida que o tempo vai passando apresenta-se como um verdadeiro atoleiro diplomatico na qual a organização sub-regional a CEDEAO vai-se afundando e corre o risco, caso se venha a engajar numa acção militar, a uma estrondosa derrota.

Alternando a diplomacia e ameças de intervenção militar, a Comunidade Economica dos Estados da Africa Ocidental,(CEDEAO) manifestamente escolheram a estratégia de soprar o fogo e deitar agua fria. Porém, enquanto que a organização se esfarrapa a encontrar uma boa solução para sair dessa crise criada no norte do Mali seguidamente ao golpe de estado militar de 22 de março de 2012, a situação nessa parte do Mali agrava-se perigosamente para o grande desespero das populações. Enquanto o Conselho de Segurança das NU pede tempo para examinar o pedido oficial de intervenção armada introduzido por Bamako junto à CEDEAO, Blaise Compaoré, o mediador da organização tenta mais uma negociação com um dos protagonistas desta crise, em ocorrência o Movimento Nacional para a Libertação de Azawad, (MNLA). A 7 de outubro ultimo, o presidente burkinabé recebeu em Ouagadougou Ibrahim Ag Mohamed Assaleh , membro do Conselho de Transição de Azawad, o denominado governo provisorio do MNLA.

Porém, sabendo-se que este movimento, apos ter sido corrido militarmente da suas posições de Gao e de Tombouctou pelos movimentos islamistas de Ansar Dine e do Mujao, esta em perda de legitimidade no norte do Mali, dai questionar-se, se efectivamente, Compaoré não se tera enganado nessa escolha como um bom interlocutor. Indo à capital burkinabé, os independentistas de Azawad cuja margem de manobra é agora muito reduzida, puseram de lado as suas reivindicações de soberania, para se contentarem em falar de direito à auto-de determinação. Porém, antes disso, eles haviam ameaçado aliar-se de novo aos islamistas, se porventura a organização sub-regional se decidir por uma operação armada.

Blaise Compaoré um politico matreiro e amlicioso, soube compreender de que através esta chantagem, o MNLA procura visivelmente se salvaguardar, procurando um abrigo quando se anunciam uma grande tempestade sobre a faixa sahélo-sahariana. Na verdade, os independentistas de Azawad não têm verdadeiramente outra escolha, pois apos terem sido derrotados pelos islamista, eles arriscam-se também a sentir as consequências de uma eventual intervenção da CEDEAO caso essa se veja a acontecer e a ser bem sucedida.

Sendo Campaore, um grande defensor da força no Norte de Mali, não sera que, o objectivo dessas conversações, não são mais do que manobras de tentar obter um apoio do MNLA para as tropas oeste-africanas contra os islamistas ? Uma tal hipotese não é de excluir, pois os combatentes do MNLA poderão ser de uma grande utilidade no assalto armado contra os islamistas, dado ao seu perfeito conhecimento do terreno. Em troca, o movimento touareg podera ver-se-lhe outorgado um estatuto particular como a autonomia sobre o territorio Azawad.

Os islamistas são os verdadeiros interlocutores da CEDEAO: antes do MNLA, o presidente du Burkina Faso tinha igualmente tentado entabular conversações, sem sucesso à altura com uma delegação da Ansar Dine. A inflexibilidade das posições do movimento islamista não chegou a permitir dar sequência aos contactos. Contudo a mediação da CEDEAO não tem um bom interlocutor a hora actual do conflito pois os islamistas são incontornaveis e o MNLA não tem arcaboiço para fazer face a essa força islamita numerosa, fanatica e muito bem armada e financiada. No entanto, para reconquistar o Norte maliano, as forças coligadas da sub-região são forçosamente obrigadas a recorrer ao apoio dos paises vizinhos do Mali, nomeadamente a Argélia, o Niger, a Mauritania, o Tchad. Ora, todos esses paises, com a Argélia à cabeça, continuam prudentes perante esta iniciativa.

A CEDEAO não consegue esconder o seu embaraço perante a sua impotência e continua a ameçar com a força. Agitando cada vez mais a ameaça de uma guerra através de uma intervenção da CEDEAO, a organização comunitaria esta bem consciente de que, a hora da verdadeira batalha, ou seja a guerra das areias deserticas, ainda não começou.

Charles d'Almeida

Nota: Bamako não é Bissau. Os militares malianos têm orgulho, respeitam-se, não se deixando dirigir nem manipular por estrangeiros contra o seu povo. Os nossos militares não passam de "mulheres" subjugadas" e subordinadas a uma cultura de medo e de terror imposta por mentes obtusas que se apoiam na sua tribo para fazer da Guiné-Bissau o seu quintal de desmandos.

PS: Caso decidam pelo envio tropas guineenses para o Norte Mali, a CEDEAO que nos faça o favor de não se esquecer de levar o 'seu' General. Ai sim, gostariamos de ver, se é tão homem quanto aparenta quando fala para as populações indefesas e amedontradas. Lá, fará frente a homens armados como ele, e assim poderiamos aquilatar do seu tão propalado 'matchundade'...