terça-feira, 30 de Outubro de 2012

Guiné-Bissau: A realidade-ficção


Os acontecimentos na Guiné-Bissau, são de tal forma confusos, que, a confirmarem-se as suspeitas de que tudo não passa duma enorme encenação, é a prova de que a ficção ultrapassa em muito a realidade. Não sei como descalçar esta bota!

1) Parece que há uma "guerra" (vinganças) entre as etnias balanta e felupe;

2) Parece que uma balantização militar e política, com um provável regresso de Kumba Yalá à Presidência, haverá uma reacção por parte das restantes etnias/sociedade e a Guiné-Bissau mergulhará de novo e em breve, numa guerra civil;

3) Parece que o Almirante Zamora Induta esteve na Gâmbia a orquestrar uma tentativa de Golpe de Estado na Guiné-Bissau;

4) Parece que o ex-PM guineense, Carlos Gomes Jr, Cadogo para os amigos, enviou sms's para os seus familiares em Bissau, a partir de Lisboa, a avisar para não sairem à rua na noite de 20 para 21 de Outubro, porque algo se iria passar;

5) Parece que o Capitão Pansau N'Tchama, tentou um golpe de mão no quartel dos Pára-Comandos em Bissau, com meia-duzia de djolas de Casamansa, que afinal parece que eram felupes;

6) Parece que o Capitão Pansau N'Tchama, que nunca teve estatuto de asilado político em Portugal, afinal caiu no conto do vigário e regressou a Bissau a convite do General António Indjai, actual CEMGFA;

7) Parece que o Capitão Pansau N'Tchama, ex-braço direito do General António Indjai e ex-guarda-costas do Almirante Zamora Induta, é uma testemunha chave nos processos das mortes do ex-Presidente João Bernardo Nino Vieira, do General Tagme Na Wai e dos Deputados Baciro Dabó e Hélder Proença;

8) Parece que há nomes de políticos portugueses, de primeira linha, envolvidos na morte de alguns destes homens, sobretudo do ex-Presidente Nino;

9) Parece que o Capitão Pansau N'Tchama assinou uma confissão na qual denuncia os cúmplices desta trama, que teria Portugal e a CPLP como principais apoiantes, procedendo-se de momento a uma caça às bruxas, a qual eliminará sobretudo, a "Ala Cadogo" do PAIGC;

10) Parece que nos comunicados efectuados pelo actual Governo Provisório, quando se refere o nome CPLP, se quer na verdade dizer Angola e também Cabo Verde;

11) Parece que estavam preparados 6 helicópteros angolanos na Gâmbia, prontos a levantar voo, caso o golpe de mão no quartel dos Para-Comandos tivesse êxito, bem como mais tropas que chegariam por via marítima;

12) Parece que este Governo Provisório está a renegociar os contratos de exploração da bauxite e do fosfato, assinados pelo ex-PM Carlos Gomes Jr e a angolana GP Phosphates Mining, nos quais o Estado guineense apenas arrecadaria 10% e 2% respectivamente, no negócio da exploração;

13) Parece que este Governo Provisório está cheio de vontade de correr com a Galp do território guineense;

14) Parece que o Professor Marcelo Rebelo de Sousa confortou os portugueses no domingo passado, dizendo que Portugal nada tem a ver com tudo isto;

15) Parece-me que este texto não ficará por aqui e que o irei actualizando à medida que for recolhendo mais informações;

16) Parece que lhe deixei um sorriso nos lábios e uma pulga atrás da orelha! Era mesmo essa a ideia.

Raúl M. Braga Pires, em Bissau, para o Expresso