quarta-feira, 17 de Outubro de 2012

Fundaćão Mo Ibrahim: Ilhas Maurícias lidera no continente africano


Segundo um comunicado da Fundação Mo Ibrahim difundido segunda-feira, 15 de outubro 2012, as Ilhas Mauricias obtem um score de 83 pontos para a qualidade da gouvernação em 2010-2011 e esta classificando-se em primeiro lugar entre os 52 paises africanos avaliados pela fundação este ano. Esse resultado das Ilhas Mauricias é largamente superieur à média, quer ao nivel regional da Africa Austral (58p) quer do proprio continente em si (50p). Ao nivel das sub-categorias, as Ilhas Mauricias obtem a sua classificação mais elevada ao nivel da Segurança individual, Segurança national, Desenvolvimento das empresas e Protecção social (1°) e a mais baixa regista-se ao nivel da Paridade (7°).

Os paises que sistematicamente se classificaram nos cinco primeiros lugares quanto as perfomances globais da boa governação (Ilhas Mauricias, Cabo-Verde, Botswana, Seychelles e Africa do Sul) realizaram até a presente data excelentes perfomances em cada uma das quatro categorias (Desenvolvimento economico, Desenvolvimento humano, Segurança e Independência e soberania do Poder Judicial, Participação e Direitos Humanos), sublinha o comunicado.

A Fundação fez notar de que a Africa Austral ocupa o primeiro lugar rang regional do Indice 2012 tal como em 2011. Com solidos resultados em cada uma das quatro categorias, a sub-região ocupa o primeiro lugar para as categorias Segurança e Independência e soberania do Poder Judicial e Participação e Direitos Humanos, e o segundo lugar nas duas outras categorias, Desenvolvimento economico duravel, Desenvolvimento humano.

A Africa austral obtem um score superieur à média continental em cada uma das quatro categorias. O relatorio faz notar de que Madagascar, pais que em que ocorrido de uns tempos a esta parte pertubações civis e politicas, é o unico pais a registar um recuo indicativo nos cinco primeiros anos. Esta situação explica-se suficientemente pelos maus resultados nas categorias Segurança e Independência e soberania do Poder Judicial e Participação e Direitos Humanos. Madagascar encontra-se na 35° lugar com um indice de 46 pontos, ligeiramente à frente dos Camarões (45p). O Tchad, a Republica Democratica do Congo e a Somalia ocupam os três ultimos lugares da classificação. O Zimbabwe deixa pela primeira vez o terceto e sobe ao 47° lugar.

No que toca aos paises da CPLP, é precisamente a deterioração em termos de direitos humanos e participação cívica que impede uma melhor classificação de Angola no índice Mo Ibrahim. Angola subiu uma posição na classificação passando a estar em quadragésimo lugar num total de 52 países avaliados. Quanto aos outros países lusófonos a Guiné-Bissau tem a pior classificação neste índice ocupando o 45º lugar. Moçambique situa-se na 21ª posição, São Tomé é o 11º classificado, e Cabo Verde mantém o exemplar segundo lugar nesta tabela.

Atravês o Indice Ibrahim, a Fundação Mo Ibrahim, lançado em 2006 pelo multimilionario anglo-sudanês e magnata das telecomunicações Mohamed "Mo" Ibrahim, estabelece uma classificação das performances realizadas pelos paises africanos. A Fundação reune o mundo universitario, do sector privado e da ajuda ao desenvolvimento para debater sobre as questões de boa governação. Ele junta também regularmente os representantes da sociedade civil para partilharem as suas analises sobre os desafios e progressos da boa governação nos respectivos paises.