segunda-feira, 15 de Outubro de 2012

Francofonia exige eleições "no mais curto espaço de tempo"


Os Chefes de Estado e de governo dos paises da Francofonia "apelaram", ontem em Kinshasa, à realização no "no mais curto espaço de tempo" de eleições presidencial e legislativas, "fiaveis e transparentes" na Guiné-Bissau, pais suspenso das suas instancias depois do golpe de estado de abril ultimo.

Um presidente de transição, Manuel Serifo Nhamadjo, foi designado em maio em Bissau, na sequência de discussões e entendimentos entre os militares golpistas e a CEDEAO. O economista Rui Duarte Barros foi por sua vez escolhido para o posto de Primeiro ministro em maio, tendo como missão de organizar as eleições gerais no prazo de um ano. Numa resolução – não vinculativa – sobre as situações de saida de crise adoptada ontem, domingo, a Francofonia enumera todas as acções a seguir nesse pequeno pais africano : "consolidar duravelmente a paz e a democracia", "restaurar a justiça", "lutar contra a impunidade", "implimentação de uma reforma credivel do sector da segurança"... E, de novo, a organização insiste sobre a necessidade de "lutar resolutamente contra o trafico de droga, com o poio dos parceiros internacionais".

Pais com uma situação de instabilidade cronica, a Guiné-Bissau foi de novo sacudida por um golpe de estado militar ocorrido a 12 de abril, no intervalo das duas voltas da eleição presidencial. A segunda volta deveria opôr o ex-Primeiro ministro Carlos Gomes Junior e o ex-presidente Kumba Yala. O dirigentes depostos pelo golpe de estado recusaram-se a reconhecer as autoridades de transição. Apos o golpe de estado, a Francofonia suspendeu imediatamente da suas instâncias a Guiné-Bissau, tal como fizera a União Africana (UA). Esta decisão implica o congelamento de todos os programas da Francofonia nesse pais, "à excepção dos programmes que beneficiam directamente as populações civil e daqueles quepossam contribuir ao resrabelecimento da democracia".