sexta-feira, 19 de Outubro de 2012

EXPLUSÃO? 'Governo' tem já a carta a pedir 'substituição de Joseph Mutaboba'


O 'governo de transição' da Guiné-Bissau, soube o Ditadura do Consenso de fonte fidedigna, tem já uma carta escrita para o secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon, pedindo a substituição do seu representante na Guiné-Bissau, o ruandês Joseph Mutaboba. Depois de o CEMGFA, António Indjai, ter acossado o homem-forte da UNIOGBIS, dizendo que se fosse governo "considerá-lo-ia personna non grata", o verniz estalou de vez. Todos ouvimos hoje - no meu caso com alguma incredulidade até - as declarações do 'ministro da presidência, Fernando Vaz quando instado pelos jornalistas sobre o 'destino' de Mutaboba.

Fernando Vaz não se coibiu de disparar, acusando Mutaboba de 'dificultar a Guiné-Bissau' mantendo-o no isolamento (o 'governo de transição' que saiu do golpe de 12 de abril obrigou a que a União Africana suspendesse o país da organização maior do continente, não é reconhecido, nem pela União Europeia nem pela ONU; tem dezenas de oficiais - generais e superiores - sob sanções das Nações Unidas, e arrisca-se a ver nomes de políticos sofrerem igual consequência). Depois, disse "não haver um prazo" em concreto para se enviar o 'desconvite'...

O que não se entende, atrapalhação incluida, é o seguinte: como pode o 'governo de transição' pedir a suspensão de quem quer que seja, no caso concreto de Joseph Mutaboba, se a ONU não reconhece sequer as autoridades impostas ao país por meia dúzia de países da sub-região, cada qual com o seu interesse, e com um ou dois a atrapalhar mais? Não engulo esta.

A meu ver - vale o que vale - o 'governo' devia enveredar pelo caminho da desdramatização, pois de cada vez que um seu membro fala, o cerco e o isolamento apertam-se, sufocando, não os membros do 'governo, mas a esmagadoria maioria do Povo guineense que vive pior a cada dia que passa. A diplomacia existe para isto mesmo! Para, em alturas destas, tentar furar o cerco, com pezinhos de lã, deitando água para a fervura e não atirando achas para uma fogueira já de si alta e em total descontrolo...

Joseph Mutaboba está na Guiné-Bissau ao abrigo da constituição da UNIOGBIS, por um governo eleito democraticamente e reconhecido internacionalmente. A UNIOGBIS está na Guiné-Bissau, mandatado pelo conselho de Segurança das Nações Unidas. Instalou-se no país no segundo semestre de 2009, e foi sendo renovado até hoje, pelo período de um ano. AAS