quarta-feira, 10 de Outubro de 2012

Antero João Correia: "Poupem a minha vida!"


"Não me querem?, outros querem. Sou um quadro formado em Direito, em investigação criminal e na segurança do Estado - e em cada uma delas dei valiosas contribuições ao meu país. As investigações não se fazem com as pessoas que nadasabem, pois acabam por gerar montagens, mentiras, ódios e vinganças se não vejamos:

A título de exemplo do que está acontecer. Em finais de Junho de 1998, enquanto dirigia o aparelho da segurança do Estado, fui incumbido para investigar os casos de execuções colectivas nas matas de Portogole. Fiz os meus trabalhos técnicos com base nas legendas operativas no gabinete, e no terreno, quando a comitiva se deslocou parao local em companhia do Procurador-Geral de República, Amine Saad, membros do governo e representantes da comunidade internacional, lá estava a vala comum: metiam pás e picaretas, e encontravam dezenas de restos mortais bem identificados numa só vala com todas as provas perante familiares. Com muita pena minha, foi tudo amnistiado...

Não mexam comigo!

Tenho tudo o que é bom e mau da Guiné-Bissau, apenas o sigilo da minha profissão não se revela. Por isso prefiro ir paraa prisão ou morrer com os segredos do meu país. Quando as pessoas responsáveis pelas investigações não conhecem as mesmas, são obrigados a fazerem montagens para agradar o executivo e ganhar algo, mas as consequências serão a destruição total do país e segregação de ódios e vinganças.

Podem montar o que for necessário, só que nos casos de males, e até mortes, passará um século sem encontrar os meus vestígios, pois não sou dessa família, dessa educação, dessa formação e dessa colegagem. Claro que as vossas montagens podem contribuir falsamente para minha prisão ou morte, porém quer uma quer outra não será o fim da minha vida. O meu espírito e profissionalismo, aliás, a minha inteligência não me permite falsificações visto que lutei pela independência do meu país e por isso decidi dar o meu máximo contributo para a pátria de Amilcar Cabral.

Estou convicto de que um dia a Guiné-Bissau ultrapassará ou encontrará soluções para a paz duradora na base de uma justiça social e coerente, rumo ao desenvolvimento.

Obrigado,

Antero João Correia
brigadeiro-General
"