terça-feira, 31 de Março de 2009

Ditadura do Consenso terá sido lido nas Necessidades?

O ministro dos Negócios Estrangeiros português condicionou hoje, 31 de Março, o envio de um contingente militar para a Guiné-Bissau a um pedido das autoridades guineenses e a um mandato das Nações Unidas e da União Africana (UA).

Em declarações à agência Lusa, por telefone, a partir de Haia, onde participa numa conferência internacional sobre o Afeganistão, Luís Amado defendeu que, a ser criada, a missão deve ser composta por tropas africanas.

"Nós entendemos que devem ser sobretudo tropas da região que devem garantir essa missão para que a UA e as organizações regionais africanas assumam responsabilidade directa na segurança nos processos africanos", disse o chefe da diplomacia portuguesa, quando questionado sobre a eventual participação de forças portuguesas.

"Portugal está a participar a nível técnico e militar na missão para a reforma do sector da segurança da União Europeia. Pensamos continuar a participar como já estamos", referiu.

Amado, que assume actualmente a presidência do conselho de Ministros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), ressalvou, no entanto, que ainda "não há nenhuma decisão sobre essa matéria", mas "apenas uma declaração de intenções".

"Se houver um pedido das autoridades guineenses, com mandato das Nações Unidas e da União Africana, de uma missão militar de apoio às autoridades (...) da Guiné Bissau e de apoio à segurança do processo eleitoral, o que os ministros da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) declararam foi apoiar essa iniciativa da CEDEAO (comunidade Económica dos Estados da África Ocidental)", disse o ministro.

Luís Amado referiu que foram estas "as cláusulas de salvaguarda que foram estabelecidas pela CPLP" no Conselho de Ministros extraordinário da última quarta-feira, na Cidade da Praia, Cabo Verde, relativamente à proposta avançada pela CEDEAO.

Questionado sobre o objectivo da criação, também na reunião da Cidade da Praia, de uma troika, constituída por Portugal, Angola e secretariado-executivo da CPLP, o chefe da diplomacia portuguesa esclareceu que nada tem a ver com o eventual envio de um contingente militar, mas para "acompanhar o processo de estabilização da situação na Guiné-Bissau".

Em entrevista à Lusa, na segunda-feira, o primeiro-ministro cabo-verdiano, José Maria Neves, anunciou que a CPLP e a CEDEAO estão a preparar a constituição de um contingente militar para garantir a segurança na Guiné-Bissau.

José Maria Neves afirmou que desde a reunião ministerial da CPLP na Cidade da Praia, na última quarta-feira, a comunidade lusófona está a desenvolver contactos com a CEDEAO, em coordenação com a União Africana (UA) e no quadro das Nações Unidas, para constituir um contingente a enviar para a Guiné-Bissau "desde que os guineenses assim o pretendam".

Hoje, o Governo guineense referiu que "não há nenhum pedido das autoridades guineenses às instituições internacionais para que enviem forças militares" para o país, segundo declarações do ministro da Comunicação Social e porta-voz do Governo guineense, Fernando Mendonça.

Também a chefe da diplomacia guineense, Adiato Nandigna, disse hoje que "não há ameaças" que possam levar o país a pedir uma força de intervenção.

NOTA: Por uma vez, estamos entendidos.

Ai, a crise

A crise mundial chegou finalmente à Guiné-Bissau, e deu nisto. Depois de cinco horas de reunião, houve fumo branco: como estamos em crise - o mundo todo está em crise não é mesmo? - suba-se a parada. E culpe-se a crise: 60 dias sempre são 120 dias! É a crise, estúpidos! AAS

NOVAS 'TECNOLOGIAS'

Para as mulheres (e homens) que não estão ainda integrados/os nas novas tecnologias:

- Sabes o que é um marido DVD?!: - É aquele que se Deita, Vira e Dorme

E um marido DVD + R?!: - É aquele que se Deita, Vira, Dorme e Ressona.

- E um marido CD?!: - É aquele que só Come e Dorme.

Moral da história,

Não há como os antigos VHS... - Várias Horas de Sexo....!!! (como este vosso escriba, ehehehe)

Perguntar ao MNE não ofende, pois não?

Photobucket

A Embaixada de Angola na Guiné-Bissau, é a única no país cujos carros - todos! - são de matrícula diplomática (CD) - Todos! Mas há matrículas para funcionários de missão diplomática (FM) - que a dita embaixada tem. Mas, para os angolanos é tudo Corpo Diplomático, até um simples funcionário, desde que, claro, seja angolano! Essa é que é essa. Senhora ministra dos Negócios Estrangeiros: tem a palavra, e todo o espaço... AAS

segunda-feira, 30 de Março de 2009

Pela primeira vez estou de acordo com Francisco Fadul. Assim, sim! (*)

(*) Só é pena que Francisco Fadul tenha falado como "Embaixador da Paz" das Nações Unidas. Bom, mas como anda tudo nervoso, se calhar foi melhor assim...AAS

60 dias são 60 dias são 60 dias

É uma afronta! O primeiro-ministro, Carlos Gomes Junior, quer, à viva força, modificar o texto da nossa Constituição. Ela diz que a eleição presidencial deve ocorrer "num prazo de 60 dias". Nem mais um, nem menos um dia. E começou a contar desde 02 do corrente...

Temos de parar com aquela mesquinhice crónica: a de não nos importarmos com quem nos governa, mas tendermos a ser implacáveis com quem concorre a governar-nos. Pelos vistos tem sido assim há 35 anos. E ainda nada mudou. Porém, e desta vez, ninguém muda nada! Este País não é quintal de ninguém. Se o Governo não pode e está sem rumo, que saia. Rua!!! Ha quem possa.

P.S. 1 - Hoje, a CPLP falou no hipotético envio de uma força militar para a Guiné-Bissau. Espero que seja para proteger os cidadãos guineenses, pois não ha político que mereça tal força...

P.S. 2 - Pela primeira vez (há sempre uma primeira vez para tudo) cruzei-me de frente com o Presidente da República interino. Afinal, tem tanta escolta como o presidente assassinado: Segurança do Estado, militares e Polícia de Intervenção Rápida. Tudo numa caravana de 6 carros. AAS

Calma. Ainda estou em liberdade - ainda que provisória (ou será condicional?)...

Hoje, recebi muitos telefonemas: "Ouvi dizer que te foram prender". Que nada, eu estou aqui. Encostei o carro, circulo a pé, atento a cada ronco de motor. Uma coisa é certa: não mais andarei escondido e não temo nada! Nem militares, nem políticos, nem 'angolanos', nem 'aguentas'.
A ser verdade que me vão prender hoje, eles que venham. Mas com respeitinho, e de preferência que seja num dos 13 Citroen C5 que o Khadaffi mandou oferecer à tropa. Mas alguém dispensa mesmo o ar condicionado com uma temperatura destas?... AAS

Comunidade Internacional - Um tumor na vida da Guiné-Bissau

As nossas crises resolvem-se sempre fora do nosso País? Óptimo! É o chamado círculo vicioso: uma sucessão, geralmente ininterrupta e infinita, de acontecimentos e consequências que resulta sempre numa situação que parece sem saída e sempre desfavorável a todos. O ponto de partida e a conclusão, carecem de demonstração. Um é demonstrado pelo outro, formando assim um círculo. Vicioso.

Mas, para além de nós, guineenses, há algo que nos tem dificultado (ainda mais) a vida e que se chama - acertaram! - COMUNIDADE INTERNACIONAL. Nome pomposo, cheio de estilo, e que não faz por esconder os vícios: exibe-os. Um tumor na vida do nosso País é o que é, e como qualquer tumor que se preze precisa ser removido. E rapidamente.

- A Gâmbia, por exemplo, pode explicar-nos a razão de tanto vai vem de políticos e militares? O que é que a Gâmbia pensa que é mesmo?

- Portugal, sinceramente, nunca gostou de nós, mas fala em nosso nome como se para tal fosse mandatado. Podemos trocar: Luís Amado - «A Guiné-Bissau perdeu o rumo há muito tempo...» - vem para cá como ministro dos Negócios Estrangeiros, Adiatu Nandigna vai para Portugal como...eu sei lá! E voltam a trocar, mas só depois da crise (que é como quem diz daqui a uma eternidade e mais... seis meses).

- À Líbia, do beduíno, pergunto: Para quê enviar 13 (lá está o número do azar) viaturas para a tropa, ainda por cima automóveis? Eles deviam era pedir 13 Hummer. Estilo.

COMUNIDADE INTERNACIONAL: Já perdemos quase tudo neste País, mas estamos decididos a manter a nossa dignidade, nem que tenhamos que enfrentar exércitos inteiros, deste e doutro mundo. AAS

Fresco que nem uma alface; Rijo que nem um fuso

Depois de três dias de ausência, cá está de novo o pesadelo de algumas pessoas. Não, não fugi, nem me amedrontei (perguntaram-me isso mesmo em alguns e-mail). Quem me conhece sabe que não fujo às guerras (aliás, estou comprador...).

O problema é que, por motivos óbvios, de 'força maior' desapareci da circulação. E como se tudo isto não bastasse - por cima da queda, o coice - a internet móvel ficou sem pio, há já três dias. Ai, MTN...

A partir de agora: NÃO voltarei a dormir fora de minha casa. Não e não!

Djinti garandi ka ta kurri. Nô ta burgunho ma nô ka ta medi!

'Não desanimar'

"Força e não desanimes. A Guiné-Bissau está a necessitar de várias pessoas com coragem para dizerem realmente o que se passa neste País.

G. Silva
"

"A verdade prevalecerá"

"Caro Aly,

Meu nome é Boaventura Santy, estudante guineense em Brasil. Tenho acompanhado o teu ótimo trabalho através do seu blog, tou escrevendo para me solidarizar com você que é o minimo que posso fazer nessa altura.

Sei que deves ouvir muito isso mas nunca é demais elogiar um trabalho bom por isso te digo que estás de parabéns por resgatares a fraca esperança e um pouco de dignidade que ainda não nos tiraram e que não vamos deixar que nos tirem.

O Seu trabalho me faz lembrar o nosso saudoso Amílcar Cabral que contra tudo e todos levantou a bandeira da resistência e mudou o a história do nosso país, de Cabo Verde e da África em geral. Portanto muita força e coragem.

Conseguimos nos libertar de mais de 500 anos de dominação e servidão portuguesa, conseguiremos nos libertar do jugo desses sanguessugas!!! A verdade prevalecerá

"Cabral pensa él cu manda Cabral murri"(Mama Djombo)
"

sexta-feira, 27 de Março de 2009

A clandestinidade é romantica; o meu trabalho, uma merda. Ninguém percebe patavina! AAS

Pedro Infanda encontra-se hospitalizado. AAS

Ministério Público mantém Infanda na prisão

Depois de ontem ter sido entregue ao Ministério Público, pelo EMGFA, o advogado Pedro Infanda viu este aplicar-lhe a mais dura das medidas: a prisão preventiva. O advogado do acossado ex-Chefe do Estado Maior da Armada, entrou ainda com um pedido para deixar de patrocinar Bubo Na Tchuto, que se encontra há vários meses na vizinha República da Gâmbia. Pedro Infanda está detido numa das celas da 1a Esquadra de polícia, no centro da cidade de Bissau. AAS

Para o Mundo

O nosso País - a Guiné-Bissau - está praticamente em guerra!


O Governo guineense não diz uma palavra que seja sobre o que está a acontecer neste País. Foge a sete pés no parlamento quando lhe cheira que o assunto é a classe castrense. E nós? Nós vimos bazucas e AK 47 diariamente, somos revistados de uma ponta à outra e humilhados. Andamos 5 quilómetros e parece que já estamos a atravessar a fronteira para o Senegal... As pessoas estão a ser presas arbitrariamente, são assustadas, quiçá espancadas, agredidas de todas as formas, e o Governo nem pia!!!

Vivemos num País assente sobre um vulcão!

A comunidade internacional tem de agir, e já! Há que acabar com os desmandos, as provocações, o mostrar a força. Se isto continuar assim, o povo guineense endossará uma boa parte das responsabildades à própria comunidade internacional - que não está a ser justa em todo este processo. Andam todos na negociata, como se estivéssemos na 'City'.

A noite de ontem, não foi seguramente das minhas melhores noites. Nem a madrugada - que ainda nem a meio vai - está a ser. Ontem, por diversas vezes, gentes 'visitaram' a minha residência na Rua de Angola. Alertado por meia dúzia de chamadas (uma delas do estrangeiro), procurei proteger-me da melhor maneira. Percorri, a pé, correndo sérios riscos, grande parte da escuridão de Bissau para me salvaguardar. Consegui recuperar o computador e outras coisas. Enfim, o indispensável. E até agora...

Por isso, pensei que talvez fosse melhor deixar aqui algumas considerações.

Se as 'visitas' foram por causa do post:

Advogado Pedro Infanda terá morrido na prisão. AAS

# posted by Oremos @ 3:54 PM
- a língua portuguesa dá-me razão: o termo «terá» não é nem sim, nem não; é ficar na dúvida. E a verdade é que toda a Guiné-Bissau falou no assunto. Mas como não têm lugar para todos na cadeia, perseguem o mensageiro. Para o calar, pensando que calarão todo um povo. Mas não.

Se, por outro lado, for pelo post:

+ um na cadeia da tropa - bom, a verdade é que Pedro Infanda esteve mesmo numa unidade militar, preso numa cela fria (não foi lá como convidado para o jantar, portanto). Isto foi confirmado por Zamora induta, hoje proposto para CEMGFA.

Posto isto, pergunto:

Por que me 'visitaram', então? Se um dia nos encontrarmos, é a primeira e única pergunta que vos farei. AAS


P.S.:

Ao Dr. Pedro Infanda,

Eu, e o pacífico povo da Guiné-Bissau respiramos de alívio ao saber - apesar de toda a contra-informação que percorreu, em 24 horas, esta cidade triste e assustada - que está VIVO.

Peço-lhe desculpas pelos danos que eventualmente tenha causado.
Juntos, eu, você e muitos milhares de guineenses indignados continuaremos a luta pela Justiça e pela nossa dignidade. Com coragem, pois, segundo Charles Peguy liberdade é um sistema baseado na coragem
.

Com estima,

António Aly Silva

“Encostem-me a uma parede e disparem”

Março 5, 2009 at 4:54 pm | In Media & Jornalismo, Política |


Vale a pena conhecer um blogue interessante, de um jornalista da Guiné-Bissau, que, apesar do conturbado momento político que se vive no país, tem coragem para aceitar que o espírito seja mais forte do que o corpo, dizendo tudo o que lhe vai na alma. De nome controverso, o blogue Ditadura do Consenso é editado por António Aly Silva, que traz uma mensagem forte no seu cabeçalho: “a dignidade de uma pessoa pode ser atacada, vandalizada, cruelmente posta a ridículo, mas não pode ser-lhe tirada, a menos que a ela renuncie”.

António Aly Silva é um jornalista da Guiné-Bissau, uma pessoa frontal, que diz as coisas que pensa e não tem medo de enfrentar a crítica e o próprio ‘ferro’ (que nos tempos da escravatura servia para amarrar nele os escravos quando iam ser castigados e hoje serve para uns matarem os seus concidadãos). Respondendo frontalmente às perguntas de um jornalista da TVI, António Aly Silva viu-se confrontado com a seguinte pergunta: “não tem receios por dar esta entrevista e por dizer tudo o que aqui disse”? Desafiando tudo e todos, responde: “nenhum! Encostem-me a uma parede e disparem".

quinta-feira, 26 de Março de 2009

Rectificação de notícia: Advogado Pedro Infanda, afinal, está vivo. AAS

Kumba Ialá pronto para combates políticos

Photobucket

O ex-presidente da Guiné-Bissau e líder do Partido da Renovação Social (na oposição), Kumba Mohamed Ialá, vai regressar ao seu país para enfrentar os próximos combates políticos.

A residir actualmente no Senegal, após uma longa estadia em Marrocos, Kumba Ialá afirmou que está "a arrumar a casa" para concorrer às próximas eleições presidenciais antecipadas, um facto que "só dependerá do partido", pois afirma-se "disponível".

Na capital senegalesa, Dacar, o ex-Chefe de Estado guineense tem acompanhado a situação política e militar do seu país e considera que é "utópico" realizar eleições presidenciais antecipadas no prazo previsto na Constituição.

"Objectivamente não há condições para se realizar o recenseamento e todo o processo de preparação. Isso pode levar, no mínimo 40 e tal dias. Objectivamente as condições para as eleições são utópicas", sustentou. Kumba referiu ainda que está a "estabelecer contactos políticos" no exterior e também a buscar meios para arrumar a casa para o embate político.

Advogado Pedro Infanda terá morrido na prisão. AAS

Excitações, monarquia e 'interpet'

Photobucket


- Hoje, o PRID (Partido Republicano para a Independência e Desenvolvimento) veio assumir publicamente que Aristides Gomes, seu presidente "é o herdeiro natural" do malogrado Chefe de Estado, 'Nino' Vieira. Exigem - e bem - uma comissão internacional de inquérito para se averiguar o atentado ao CEMGFA e o assassinato do Presidente da República. Depois, bom depois dizem que estão "preocupados com as imagens que circulam na internet".

NOTA: Não sabia - juro! - que a Guiné-Bissau era uma monarquia, e menos ainda que o PR 'Nino' Vieira 'designara' um sucessor. Bom, a não ser que Aristides Gomes, era mesmo o vice-presidente do PRID... A verdade é mesmo como o azeite! A propósito: o facto de o PRID ter votado 'sim' no parlamento para o Programa de Governo, foi uma vergonha. Disciplinem primeiro os vossos deputados... Senhores do PRID: acho sinceramente que devem preocupar-se e devem dedicar todo o vosso tempo à internet. Mas fiquem a saber que a internet é pior que os comunistas... AAS

Off the record

A vida começa. Vive-se. Para ver a vida e o Mundo, ser testemunha da História, olhar o rosto dos pobres e dos assustados e os gestos dos poderosos; ver coisas surpreendentes e extraordinárias; máquinas, exércitos, multidões; ver coisas estranhas a milhares de quilómetros, mulheres amadas e homens amantes, crianças; enfim, ver e ter prazer de ver. E porque tenho uma pachorra infinita, e uma humildade permanente digo: a política (que falta) e o futuro (que tarda) estão a cansar-nos. Que não nos falte nada já que a nós nos calhou tudo. AAS

NOTA: Zamora Induta esta na Gambia, a convite do presidente Yaya Jameh. Pode ficar por la... Sobre o advogado Pedro Infanda, disse que a sua prisao "é uma medida preventiva"...e que este será entregue ao Ministério Público... Depois de um belíssimo 'tratamento', claro. A respeito de Bubo na Tchuto, que se encontra na Gâmbia, Zamora nem pestanejou: "Não é minha prioridade". Hum. AAS

terça-feira, 24 de Março de 2009

Tretas

Está hoje em vigor, no País, não tanto a Constituição, mas mais a insensatez dos militares, e de alguns militaristas.
Está claro que o Governo de Carlos Gomes Júnior não tem mão no País, e está refém dos militares que põem e dispõem a seu bel prazer.
Os militares querem insultar os guineenses com prisões arbitrárias e outros desmandos - é a prova cabal de quão efémeras e pouco dignas de confiança são as suas promessas (tenho todo o direito a qualificá-lo dessa forma).

Assim, nada mudará. Tudo irá repetir-se, e a frustração instalar-se-á de novo. Nós não podemos seguir, outra vez, por caminhos já duramente trilhados, que jamais levarão a parte alguma. AAS

RAIMUNDO PEREIRA é o Presidente da República interiro, mas é também o candidato desejado pelo Primeiro-Ministro-que-não-sabe-o-que-deseja, Carlos Gomes Junior, à Presidência da República. Um dois em um, portanto. E pode dar em nada...

HENRIQUE ROSA está de 'visita privada' a Cabo Verde, e foi recebido pelo presidente caboverdeano Pedro Pires. E, sim, desta vez falou e disse. Temos candidato. Mais um, portanto. Nô pintcha. AAS

ATENÇÃO Fotografias CHOCANTES

Photobucket

Choque. Espanto. Revolta. Assim se matam os generais na Guiné-Bissau. E os CULPADOS desta chacina? ENCONTREM-NOS!!! AAS

+ um na cadeia da tropa

Photobucket

Os golpistas sob comando de Zamora Induta, indigitado para Chefe do Estado Maior General das Forças Armadas, mandou prender Pedro Infanda, advogado do acossado Almirante Bubo na Tchuto, actualmente na Gâmbia, pela conferência de imprensa de ontem...Só não há maneira de prender o António Aly Silva! E porquê? Eles sabem que eu sei que eles sabem...

GUINEENSES: NÃO TENHAM MEDO DOS MILITARES GOLPISTAS, NEM DESTES POLÍTICOS FALHADOS!!! AAS

domingo, 22 de Março de 2009

Elis i kantu? Mangadel (*)

Photobucket

Bom, já são 35 (sim, trinta e cinco!!!) os partidos políticos na Guiné-Bissau. Ontem, foi legalizada a UDS - União Democrata Social.
São tantos, tantos como as alas que existem nas nossas forças armadas. Ou, se quiserem, no PAIGC... partidos! Para pouco mais de 600.000 votantes, é obra - perdão, é uma merda! Desculpem, mas às vezes tem que ser assim. AAS

(*) Quantos são? Muitos.

sábado, 21 de Março de 2009

Como é, camarada?!

José Mário Vaz, ministro das Finanças, do alto do pedestal: "Se não conseguir pagar os salários com receitas internas, demito-me!".

Sr., Mário Vaz, a porta da rua é a serventia da casa... AAS

sexta-feira, 20 de Março de 2009

A história, às vezes, repete-se

AQUI

Entrevista a 'Nino' Vieira

Photobucket

Entrevista: António Aly Silva

Nino Vieira acusa o actual presidente da República em exercício, Malam Bacai Sanhá, de ter sido o autor moral do golpe de Estado de Ansumane Mané.
E desconfia também da mão do ex-primeiro-ministro Saturnino da Costa. Em entrevista exclusiva a O Independente, o presidente deposto não deixa também de comentar a ausência diplomática do ministro Jaime Gama: “Como houve um vazio, retomaram-se os combates.” Nino Vieira diz-se agora de saúde e pronto para voltar à Guiné, desde que lhe dêem as garantias de um julgamento justo. Em que, aliás, não acredita.


Quando teve conhecimento do levantamento militar de 7 de Junho de 1998?

Às duas horas da manhã. Os ministros da Defesa e do Interior, Samba Lamine Mané e José Pereira, informaram-me que o brigadeiro Ansumane Mané tinha comunicado que ia haver nesse mesmo dia uma reviravolta na Guiné e que ia tomar conta da situação. Chamei o presidente da Assembleia Nacional Popular (ANP), Malam Bacai Sanhá, e o primeiro-ministro Carlos Correia. Bacai Sanhá perguntou-me como era possível Ansumane Mané organizar uma acção destas. Respondi que não sabia. Ficámos na expectativa até ouvirmos os primeiros tiroteios.

Curiosamente, houve quem fosse morto e quem fosse poupado pelos revoltosos…

Os que foram mortos nem eram militares. Mas o Saturnino da Costa, que passou por ali no dia seguinte, não foi preso. Podia até ser morto. A esposa do actual presidente da República chegou dias depois mas ninguém tocou nela, nem no carro. Depois do Acordo de Abuja, o carro apareceu nas mãos de Bacai Sanhá, intacto.

Que ordens deu depois do levantamento?

Não houve ordens nenhumas, fomos surpreendidos. Samba Lamine disse-me que podíamos tentar negociar e encontrar uma solução. Mas, como continuaram a bombardear, perdemos o contacto.

E foi aí que pensou em chamar as tropas do Senegal e da Guiné-Conacry?

Pedi esse apoio cinco ou seis dias depois, ainda tentámos resistir. Só depois dos contactos que tive com o exterior – Dacar e Burkina-Faso – é que decidi pedir a intervenção, com base nos acordos de defesa que tínhamos com eles.

Estava consciente de que a maioria dos efectivos das Forças Armadas estava do lado dos revoltosos. Por que é que não consultou a Assembleia Nacional Popular (ANP)?

Não foi só isso, porque a Junta estava a destruir a cidade e a matar civis inocentes. Como é que eu podia reunir a ANP se estive com o seu presidente até às cinco da manhã? Estava tudo em debandada, ninguém olhou para trás.

Mas depois a ANP reuniu-se…

Sim, depois do Acordo de Abuja. Foi uma assembleia debaixo de ameaças, no terreno da Junta Militar. Estava tudo cercado pelos revoltosos. E a primeira coisa que a ANP fez foi demitir o presidente.

Está a dizer então que o próprio Bacai Sanhá faz parte da conspiração?

Claro. Foi um complot. Se me demitem e não me informam, é até uma vergonha para a nossa assembleia. Quem me elegeu foi o povo. Quando os meus colegas ouviram isso, muitos perguntaram-me: “Mas foste eleito pela ANP ou pelo povo?”

Como é que explica que o brigadeiro Ansumane Mané, homem da sua confiança, se revoltasse contra si?

Faço-lhe a mesma pergunta. Se não se revoltou durante todos estes anos, porque razão o fez quando foi suspenso das suas funções de chefia militar? Não sei muito bem quem o instigou. Conviveu comigo durante 37 anos e só agora é que achou que eu era ditador?

Faz ideia de como tudo terá começado?

Foi com a queda do governo de Saturnino da Costa. Algumas pessoas não gostaram e aproveitaram-se. Quando regressei de França, já estava tudo cozinhado. E serviram depois a refeição.

Como classifica a intervenção diplomática portuguesa durante o conflito?

Logo nos primeiros tempos, os ministros dos Negócios Estrangeiros de Portugal e Angola (Jaime Gama e Venâncio de Moura) foram os primeiros a chegar, depois da Gâmbia. Reuniram comigo e com a Junta Militar e houve o primeiro encontro entre as duas partes no navio da armada portuguesa “Côrte Real”. Falou-se de tréguas mas não evoluiu e a guerra foi retomada…

Porque acha que não evoluiu?

Porque não houve continuidade. Se Jaime Gama e Venâncio de Moura tivessem continuado os contactos, a coisa até podia resolver-se. Mas como houve um vazio, retomaram-se os combates. Sabe, na linha da frente basta um tiro para recomeçar tudo. Foi o que aconteceu.

Vou insistir: o que é que falhou?

A Junta Militar não respeitou o Acordo de Abuja. A CEDEAO, que tinha de enviar um efectivo em Homens, não cumpriu, e os países que prometeram a ajuda, falharam. O único país que financiou a operação foi a França, mas num número muito inferior ao acordado. O embaixador da França disse-me até que esse orçamento só seria suportado até ao mês de Julho. Se não houvesse mais apoios, ficariam de fora. Apelei à Comissão Nacional de Eleições para que adiasse as eleições para Julho e a maioria dos partidos políticos aceitou. Mas a Junta Militar, o Francisco Fadul (actual primeiro-ministro) e o Movimento Bã-Fata, entre outros, não viram com bons olhos a minha decisão.

Chegou a ter efectivos militares superiores aos permitidos?

Não é verdade. É uma grande mentira e em nenhum dos acordos se falou de números. O batalhão da guarda presidencial devia continuar. Como é que eu podia andar em Bissau com uma guarda de seiscentos homens? Sempre andei com dois carros de escolta. Incutiram mesmo na cabeça do Ansumane Mané que ele devia ter o mesmo número de homens e até já lhe chamavam de co-presidente…

Mas aparentemente davam-se muito bem nas imagens da televisão….

Quando nos encontrámos no Togo foi tudo muito bonito. Eram continência, respeito e disse sempre que o que eu achasse estava bem…

Está a dizer que Ansumane Mané fez bluff?

Talvez sim. Mas em Bissau, tornou-se difícil um encontro com ele. A primeira vez que isso aconteceu foi quando lá esteve a comissária da União Europeia, Emma Bonino, e depois com o ministro Jaime Gama e com João de Deus Pinheiro.

Não acha que a ausência das forças militares do Senegal e da Guiné-Conacry precipitaram o golpe de 7 de Maio?

Sim. Houve também grande pressão por parte da comunidade internacional e a imprensa internacional falava de tropas estrangeiras, inventaram mortes, pilhagens. Era tudo falso, até porque foi graças a essas forças que saiu muita gente pelo porto de Bissau. Confiámos mesmo que, saindo as tropas estrangeiras, o Acordo de Abuja seria integralmente respeitado. Infelizmente, eles não o respeitaram.

É acusado de ser um homem muito rico. É verdade que possui bens ou investimentos em Portugal, França e Bélgica?

Você sabe qual é o recurso da Guiné? O país não tem nada, tem que haver ajuda de algum Estado. Ora, se houver algum Estado que deu dinheiro ao Nino Vieira para fazer investimentos que não foram executados, então esse Estado é que é o responsável, porque deu milhões ao Nino e o dinheiro não foi aplicado. Não há nenhum Estado que dê dinheiro ao nosso país nessas condições. Nem é o Nino Vieira o executor na Guiné, nem em Portugal o são Jorge Sampaio e António Guterres. Ouvi até dizer por aí que tenho um apartamento da Expo Urbe – se é verdade, que o mostrem.

Mudemos de assunto. Alguma vez teve conhecimento – como refere o relatório da ANP – do tráfico de armas para Casamança?

Se ler o relatório, vai ver que não há ligação alguma. Falam de omissão, mas quem é que me acusou? Por que é que me querem acusar por tráfico de armas?

Ansumane Mané disse que o avisou, mas que você nada fez…

Isso é falso. Quando o grupo de oficiais foi apanhado a contrabandear armas, ele (Ansumane Mané) perguntou, na presença de todos os chefes dos três ramos das forças armadas: “Quem é que não vende armas?”. Se fosse verdade, eles é que teriam de responder, não eu. Mas eles não responderam, ninguém falou. Se tomei medidas contra o Ansumane Mané, que era o maior responsável, não acha que tinha de fazer o mesmo com os outros?

Foi traído dentro do seu partido, o PAIGC?

Pressenti essa traição aquando da queda do governo de Saturnino da Costa. Os partidos políticos e até mesmo a comunidade internacional contestavam esse governo. Depois, houve uma ruptura no partido – Carlos Correia teve uma boa gestão e eu queria reconduzi-lo – porque Saturnino não era capaz de assumir essas funções. Depois das eleições, fui para França fazer exames médicos. Como Saturnino era secretário permanente do partido, incutiram nele a ideia de que tinha de ser ele o primeiro-ministro. Regressei da viagem e reuni o Bureau Político para consultas, mas já era tarde…

... E Saturnino da Costa foi nomeado…

Sim. E cometia asneiras e todo o mundo sabia disso. Até no próprio PAIGC foi contestado. Os partidos da oposição também reagiram e fizeram um abaixo-assinado a pedir a salvação do país. Havia insegurança, pancadaria nas ruas…

Foi então que o aconselhou…

Primeiro, ouvi todos os partidos e, uma vez mais, todos pediram a sua demissão. Para bem do país, não podia ignorar isso. Até recebi chamadas de atenção por parte da comunidade internacional. A inflação já ia nos setenta por cento. O que seria da Guiné? Então disse-lhe: “Faz uma carta e pede a tua demissão”. Passaram-se horas e entregou-me a carta, mas quando a abri vi que tinha tudo, menos o pedido de demissão. Escreveu mesmo no último parágrafo: “Deixo ao seu critério para fazer o que entender”. Não entendia que a sua gestão era ruinosa e que estava a afundar o país. A Guiné estava a pique e nesse momento o governo dele caiu.

Está a dizer que o próprio Saturnino foi um dos mentores do golpe de Estado…

Eu não digo isso, mas para passar um dia depois do golpe e ninguém lhe fazer nada…

Em relação a Portugal e ao seu governo, independentemente do asilo político…

Sempre tive boas relações com Portugal. Com Cavaco Silva, com o primeiro-ministro António Guterres e com o próprio Mário Soares. Talvez por isso acharam que seria injusto não me dar o asilo. No próprio dia 7 de Maio, falei com Guterres e com o presidente Sampaio ao telefone. Com Mário Soares também.

Vai regressar à Guiné-Bissau?

Para isso, deixei uma declaração. Desde que se criem todas essas condições. Caso contrário será um risco. Mas estou pronto. O povo da Guiné está no meu coração, desde os dezanove anos que me bato por aquele povo e vou continuar a bater-me pela sua dignidade. Usufruo da amizade de muita gente.

Acha que já existem essas condições?

Ainda não me disseram nada. Diga-me uma coisa: como é que se julga alguém sem primeiro ser ouvido? Sou acusado de quê? A ANP pediu-me que fosse ouvido, mas não foram eles quem me elegeram. Até aceitei ir à segunda volta com os resultados que tive. Nenhum presidente em África aceitaria isso.

Exige garantias para voltar, mas não as deu ao ex-presidente Luís Cabral…

Não recusei dar segurança a Luís Cabral. Não lhe podia garantir isso. E a reacção dos familiares que perderam os seus entes queridos durante o seu mandato? Se houvesse qualquer coisa as pessoas diriam: “O Nino chamou Luís Cabral para o matar”. Não podia responsabilizar-me.

Especula-se muito sobre o seu estado de saúde. Quer clarificar isso de uma vez por todas?

No ano passado fui operado. Mas talvez porque sou presidente, uma grande personalidade no meu país, é que as pessoas se preocupam. Foi uma operação normal e estou recuperado.

França está a tentar que a União Europeia corte as ajudas à Guiné-Bissau, alegando que o Acordo de Abuja foi violado e que o actual governo é ilegal. Quer comentar?

A verdade é que o Acordo de Abuja foi violado. Aliás, toda a comunidade internacional condenou essa violação e os ministros dos Negócios Estrangeiros do G-8 também condenaram o meu derrube pela força das armas. Sabe, a África também tem que respeitar a democracia. Apoio incondicionalmente a França.

Não teme que, com o seu regresso, também possa ser responsabilizado pelas mortes de, entre outros, Paulo Correia e Viriato Pã?

Não temo nada! Eles foram julgados e tiveram acesso a advogados de defesa. O Tribunal Militar condenou-os e foram sentenciados à morte. O Conselho de Estado reuniu-se e aplicou a pena capital a seis elementos e comutou outras seis. Isso é da responsabilidade do Nino Vieira? Antes da independência, quantos é que não foram julgados, condenados e fuzilados? Quantos é que o próprio Paulo Correia não fuzilou? O que é que aconteceu aos quatro ex-comandos portugueses que o presidente (Ramalho) Eanes pediu a Luís Cabral? Foram simplesmente fuzilados, sem qualquer julgamento.

Entrevista publicada no semanário português «O Independente», em 1999.

Queres Angola? Toma!

Photobucket
AAS

Força!

"Meu Caro Aly,

Tenho acompanhado de forma diária as novidades que nos tens trazido dessa Terra que tanto me diz. É com tristeza que ouço as novas de uma Pátria que tem vindo a ser delapidada e enxovalhada por gente sem formação e de dúbio trapio. É com tristeza que também noto o olhar complacente de quem me questiona sobre as minhas origens. É com dor e mágoa que visiono as imagens que alguns meios de comunicação nos transmitem sobre a vida e as dificuldades dos guineenses.
Contudo, apesar de tudo, alegro-me e rejubilo com o facto de saber que há gente, como tu, que se não vergam. Mulheres e homens que se não vendem nem se prostituem. Cidadãos plenos que pretendem o melhor para a sua terra e para os seus cidadãos.
Se não tiveres medo, se te entregares a essa causa, se fores tu mesmo, continua e não temas! Preservera e luta pelo bem e pela equidade.

Um abraço largo e fraterno.

T.V.
"

Meu caro, depois do que escreveste, para quê argumentar? Bem haja e um abraço. AAS

+ Bombas

"...Há mais bombas por rebentar", disse Zamora Induta. Ditadura do Consenso investigou, e acrescenta: De facto, foram trazidas 7 (sete) bombas.

O comandante do avião que as transportou e depois ficou sem combustivel, ja em Bissau, acabou por confessar tudo. E foi um banco comercial que financiou o combustível para o seu regresso. Mais informações, brevemente.

- Domingo, a equipa do FBI que veio ajudar nas investigações sobre a morte do PR 'Nino' Vieira, regressa à base. E chega outra, da Interpol. AAS

quinta-feira, 19 de Março de 2009

Contributos

"Olá!

O meu nome é C.S.M.A., sou guineense e estou em Bissau há sensivelmente um ano e três meses. Regressei à Guiné-Bissau ao fim de 24 anos a viver em Portugal, com uma forte vontade de dar o meu contributo, por mais pequeno que seja, a este nosso desastroso País. Começo por dizer que li a entrevista que V. concedeu ao Diário Bissau, onde tive a oportunidade de poder apreciar e reconhecer-lhe de imediato um forte carácter de objectividade, liderança e positividade. Fico contente por saber que existem ainda pessoas que querem trabalhar para o bem colectivo. Estou interessada na criação desse movimento cívico, pois acredito que podemos andar sem muletas e que a união faz a força.

C.S.M.A.
"

NOTA: Bem-vinda. Todos somos poucos. AAS

Bombas!

Zamora Induta, indigitado - e mal - pelo Governo, para a chefia do Estado-Maior General das Forças Armadas, não tem tido vida fácil. Da Gâmbia (ou aonde quer que esteja), o Contra-Almirante Bubo na Tchuto fez saber, pela voz do seu advogado que "o cargo lhe pertence por direito" (não será antes por herança?).

Photobucket

Hoje, Zamora sobressaltou os guineenses e todos os que residem no País, com uma frase no mínimo...bombástica: "A bomba que matou o Tagmé na Wae veio do estrangeiro, e não era só uma. Há mais bombas por rebentar...".

Na entrevista que concedi ao Diário Bissau, e publicada na edição de ontem, alertava para os terríveis amanhãs. Assim: "Isto acabou mesmo, ou ainda nem sequer começou?". Mas, cá para nós que ninguém nos lê...a quem cabia mesmo anunciar aquilo que o 'líder' militar tornou público? Onde está o ministro do Interior? Este Governo, ou está refém dos militares, ou está super-desnorteado.

NOTA: Claro que há mais bombas, e, certamente, vão rebentar mais petardos por aí. Acho justo, até. É uma questão de tempo, e de fim-de-semana. E, já agora, de mais ou menos oportunidade. Uma por uma! Vai ser uma festa! Mas há mesmo mais bombas? Se há, é porque sabem onde elas estão. Get it! E de onde elas vieram, haverá mais com certeza. Há mais do que uma, duas, três ou mesmo 20 bombas? Estavam à espera do quê mesmo? O único problema com estas bombas é sabermos da existência das mesmas apenas depois de explodirem. E lamentamos de seguida: "É uma bomba!". Era uma bomba, ou seja, uma ex-bomba pois o efeito explosão rebentou até com a engenhoca. Queriam bombas, nao é mesmo? Aguentem-se, pois então. Tomem lá bombas.AAS

“Assassinatos de ‘Nino’ Vieira e Tagmé Na Wae ultrapassam de longe o de Amílcar Cabral"

O jornalista António Aly Silva, acompanhou de perto e em directo, através do seu blogue www.ditaduradoconsenso.blogspot.com, a fatídica madrugada do dia 2 de Março. Tudo começou com o assalto à residência do Chefe de Estado, ‘Nino’ Vieira, e tudo acabou com o seu assassinato. Porém, Aly deixa uma dúvida: “Será que acabou mesmo, ou ainda nem sequer começou?

Photobucket

Em entrevista concedida ao Diário Bissau, António Aly Silva afirma que os recentes acontecimentos ocorridos no país e que culminaram nos assassinatos do Presidente da República ‘Nino’ Vieira e do Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas Tagmé Na Wae, ultrapassam de longe o assassinato de Amílcar Cabral. “Amílcar Cabral foi assassinado numa circunstância de guerra mas agora nós não estamos em guerra”. Diz igualmente que deve ser criada uma Comissão Internacional de Inquérito para se apurar as responsabilidades destes dois assassinatos. Aly Silva afirma que “cada dia que passa, descortina-se um pouco mais sobre estes cobardes assassinatos”. E contesta a nomeação do Chefe do Estado- Maior General das Forças Armadas, Zamora Induta.

DB - Que leitura faz dos últimos acontecimentos no nosso país?

AAS - Bom, a minha leitura talvez seja a pergunta que qualquer guineense, neste contexto, faria: E agora? E depois? A bestialidade que nos atingiu nos primeiros dias do mês de Março ultrapassam até o assassinato de Amílcar Cabral porque Cabral foi morto nas circunstâncias que sabemos: da Guerra. Mas nós agora não estamos em guerra. Portanto o Chefe do Estado Maior General das Forças Armadas e o Presidente da República não deviam ser mortos da maneira como foram, e agora é preciso procurar a verdade, que passa, necessariamente, por constituir uma Comissão Internacional de Inquérito para que não restem dúvidas.

DB - Tem dúvidas sobre quem são os autores dos dois assassinatos?

AAS - Não, não tenho dúvidas mas também não tenho certezas. Mas estamos a ver a todos dias que passam os resultados de quem poderão ser - não digo autores materiais - mas ao menos morais. Vimos agora, por exemplo, a descarada nomeação do Chefe do Estado Maior das Forças Armadas e do seu adjunto, quando não podia ser assim. O adjunto do falecido Tagme Na Wae devia assumir interinamente as funções do CEMGFA e, só depois, com um Presidente da República eleito, poder-se-ia falar na nomeação de um novo. Mas não aconteceu assim, e Carlos Gomes Júnior, Primeiro-Ministro, saberá explicar-nos, e à Assembleia Nacional Popular (ANP), como é que fez isto e o próprio Presidente da Republica Interino, Raimundo Pereira, que é Jurista, defenderá, a meu ver, a Constituição. Tem por obrigação fazê-lo. Não lhe perdoaremos uma falha que seja neste momento crítico da vida do nosso descontrolado país.

DB - O que tem a dizer sobre as recentes nomeações do Presidente da República Interino e do Presidente da ANP?

AAS - Bom, aqui temos duas coisas. Eu, na minha maneira de ver, Carlos Gomes Júnior está a forçar um golpe no parlamento, porque não se pode fazer do Vice-Presidente da Assembleia Nacional seu Presidente. Este devia, a meu ver, ser eleito. Ele não pode assumir automaticamente o posto. Por outro lado, o Presidente da República Interino, na nossa Constituição - que nós pisamos todos os dias - está vedado de promulgar alguns diplomas, entre eles a nomeação e a exoneração do Governo e do CEMGFA, entre outros. Isto significa que a apresentação do Programa do Governo e o Orçamento Geral de Estado é contraproducente na medida em que esses instrumentos, após a sua eventual aprovação, não terão nenhuma autoridade jurídica e o Presidente Interino sabe-o bem. Ou seja, o seu fim útil será nulo em relação a esta legislação. Você promulga um Decreto hoje, o Presidente que será eleito daqui a dois, três meses ou cinco anos, pode dizer «não, não promulguei isto e aquilo». São erros desnecessários. O Carlos Gomes Júnior e o seu Governo estão a fazer este jogo para ter na mão e manipular o período de transição e assegurar a vitória do seu candidato nas próximas eleições presidenciais, onde talvez ele mesmo seja um dos candidatos. Coloca-se neste ponto a questão de equidade na preparação e realização de eleições presidenciais. É imperativo a rápida demissão do actual Governo, a constituição de uma Comissão Internacional de Inquérito sob a égide da CEDEAO ou da União Africana, e só depois destas iniciativas é que nós podemos falar de um Pacto de Estabilidade ou de atribuições especiais para o Presidente Interino, cujas decisões nesse quadro deverão ser submetidas à rectificação de um Conselho de Estado alargado. E idóneo.

DB - Sendo assim, acha que a Constituição está a ser reposta?

AAS - Não e não. A Constituição é sempre posta em causa no nosso país, mas só depois de o mal estar feito. Nós fazemos a nossa Constituição mas rasgámo-la de seguida. O que é que a Constituição nos interessa, agora que se matou o Presidente da República e Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas? Há pisar a Constituição pior do que isto? Claro que não há. É preciso que apuremos quem são os culpados destas duas mortes, mas também há que saber como morreram Ansumane Mané, Veríssimo Seabra, Domingos Barros entre outros. São oficiais superiores que já morreram há algum tempo e até hoje houve já não sei quantas Comissões de Inquérito sem que nos tenha sido apresentado qualquer resultado. Estamos no mesmo caminho, mas não pode ser. Temos que deixar de ser ‘parvinhos’.

DB - Se um dia for governante o que faria para que a Guiné-Bissau entre no rumo certo?

AAS- Olhe, eu não sei se vou um dia mandar neste país. A começar pelos complexos - mas isso é outra história. Mas, se um dia mandar neste país - a minha ambição não é tanto política mas sim humanista – as coisas mudarão. A Guiné-Bissau não precisa de golpistas mas de gente que trabalhe muito, e saiba trabalhar bem. Tenho lutado há vários anos e de todas as maneiras, mas sem armas. Não é que eu não saiba disparar uma arma, até porque também fui militar neste país. Mas a arma que prefiro é a caneta. Contudo, convém ter a espada à mão não vá a caneta falhar. E é bom lembrar que nós estamos na Guiné-Bissau. Eu, se mandasse, faria com toda a certeza alguma coisa de útil. Por exemplo? Não roubar o Estado já seria bem bom. Conheço pessoas que passaram pelo Estado e hoje têm grandes casas e tudo isso. Como o conseguiram? Não sei como o conseguiram, mas de certeza que não foi trabalhando... Eu não tenho essa visão de mandar. Quando se manda a pensar na sua pessoa, acaba-se sempre de uma maneira trágica e isso aconteceu neste país estes anos todos. Eu acho que nós devíamos, primeiro, respeitar-nos, para que os estrangeiros nos respeitem a seguir.

DB - O estrangeiro não nos respeita, é isso?

AAS - É isso mesmo, mas alguns estrangeiros. Há estrangeiros que passam por este país e nem deixam marcas, como um gato. Outros são tudo, menos isso. Tudo o que é estrangeiro vem para esta país fazer o que lhe der na real gana. Às vezes até é protegido, o que é perigoso e pode resultar em mais disparates e acontecimentos terríveis. Veja o exemplo de algum corpo diplomático – têm atitudes que deixam a desejar. Podem ser até um simples funcionário de uma Representação Diplomá-tica mas fazem o que querem neste país e isso repugna-me. Ou somos um Estado crescido, ou atiremos a toalha ao chão. Hoje, devíamos apostar nas relações Sul/Sul, e na base da reciprocidade. Eu não precisaria do dinheiro de outros países para governar a Guiné-Bissau. Nunca! Apostaria mais nessa cooperação Sul/Sul, com os meus amigos aqui da Região e, digo-lhe com franqueza, teríamos melhores resultados e não seríamos tão humilhados. Esta cooperação, da maneira que está, não me interessa para nada! Mas interessa a certas pessoas porque de um dia para o outro, açambarcam os carros, os móveis, tudo.
Temos que criar um Movimento Cívico e estou disposto a encabeçá-lo. Há que meter muita gente na ordem - é o que falta neste país. A lei, ninguém a respeita e vivemos numa quase anarquia, numa bestialidade e qualquer dia Bissau será um matadouro a céu aberto... Mas não vamos deixar que nos continuem a matar todos os dias. Eu, enquanto cidadão deste país, estou disposto a encabeçar um Movimento Cívico sério e forte e se for preciso parar a Guiné-Bissau um mês, dois meses, paramo-la um ano! Este país tem que tomar um rumo, e já. Não podemos permitir que sejam os militares a mandar, porque aqui ninguém vota na tropa. Nós votamos nos políticos para que a tropa os obedeçam. Se os políticos não conseguem aguentar os militares, bom isso é outro assunto que pode ser resolvido, por ex., com a demissão do Governo. Pergunto, a propósito: quem é que criou o Comité de Gestão da Crise nas Forças Armadas? Foram os próprios militares ou foram os políticos? Não é possível, e é perigoso, porque abre um precedente. Ou temos umas forças armadas republicanas, que devem respeito ao poder político, ou não precisamos das forças armadas assim como estão. As forças armadas deram-nos a independência? Claro, mas não têm o direito de nos destruir a seguir.

DB- Já está a pensar na criação do referido Movimento Cívico?

AAS - Sim, estou a pensar na criação do tal Movimento Cívico e estou a falar com várias pessoas e nesta entrevista fica já o convite a quem quiser aderir. Podem contactar-me para o e-mail: aaly.silva@gmail.com. Acreditem que a Guiné-Bissau pode andar sem precisar de muletas da Comunidade Internacional. Para abrir um buraco é preciso financiamento, para tapá-lo, também? Isso é o que mais faltava!

Por: Ângelo da Costa

"You can learn me"

"Olá,

Queria ter-te escrito uma carta de "amor" - vês, odeio expor-me?. Não o faço há uns anos, desde o Y, mas a situação era outra, estávamos apaixonados um pelo outro, havia reciprocidade. Mas não faz mal. Porque todas as cartas de amor sao ridículas...

Em vez disso, alguma coisa em ti, no que disseste um dia sobre ires para longe sem família lembrou-me uma das cenas do "Constant Gardener", em que eles se conheceram como nós e nunca mais se separaram. E quando se conheceram ele ia ser destacado para África - não sei se viste ou se te lembras. E ela, Tessa, simplesmente entrou no escritório dele e disse: "leva-me". E a cena, que tirei da net, tem este diálogo absolutamente fabuloso e terno, em que para ela é tudo tão simples e óbvio que quando ele diz "mas mal te conheço" ela responde "You can Learn me".

Se noutra vida, as circunstâncias fossem outras eu teria feito como Tessa. Ia contigo para qualquer lado. E dizia-te "You can learn me".

E acho que não havia carta de amor mais bonita que eu pudesse escrever em vez deste diálogo e esta cena deles que amo. Porque se não fosse hipoteticamente, eu diria mesmo que tu és um profissional excepcional, que me encho de orgulho cada vez que descubro um trabalho teu, que te vejo e que iria contigo para qualquer lado. Porque somos muito diferentes, mas muito compatíveis. E se tu não me vês tão bem quanto eu te vejo, diria "you can learn me" cada vez que tivesses dúvidas.

A.
"

terça-feira, 17 de Março de 2009

É hoje, é hoje

Entrevista de Antonio Aly Silva, hoje, no Diario Bissau. Sera desta? N'ka fia, son sin odja...AAS

domingo, 15 de Março de 2009

Já chegamos à América

Ditadura do Consenso foi citado em todo o mundo por causa do extraordinário acontecimento de 2 do corrente. No «The New York Times», por exemplo.

From Global Voices Online, a site that collects, edits and translates blogs from around the world:

Photobucket

Que é feito do programa de rádio "Udjo di Lupa"?

Algum ministro para responder? (Você sabe que eu sei que você sabe). E o Oscar vai para...AAS

Pensamento do dia: Ganhamos (mais) um futuro defunto. AAS

sábado, 14 de Março de 2009

A verdade, nada mais do que a verdade.

Photobucket

A ONG RADDHO exige um inquérito internacional

O Encontro africano para a defesa dos direitos do homem (RADDHO), uma ONG baseada em Dakar, apelou na quinta feira para que se constitua uma comissão internacional de inquérito sobre os assassinatos do Chefe de Estado e do Chefe de Estado Maior das Forças Armadas ocorridos nos dias 1 e 2 de Março. O assassinato de João Bernardo Vieira, presidente da Guiné-Bissau, algumas horas após o do chefe de estado maior do exército bissau-guineense, foi um rude golpe nos esforços para implementar um governo civil num país que, segundo os analistas, tem sido maltratado por golpes.

O presidente João Bernardo Vieira foi selvaticamente maltratado e morto por militares algumas horas depois da morte do general Batista Tagme Na Waié, chefe de estado maior das forças armadas, num atentado.

«Apelamos à constituição de uma comissão internacional de inqérito sob a égide das Nações unidas para clarificar os dois assassinatos», declarou à AFP Alioune Tine, presidente da Raddho, uma das mais importantes ONG intrevindo nesse domínio em Africa.

«Não acreditamos na comissão de inquérito nacional» sobre os dois assassinatos, constituida pelo governo e composta por cinco polícias, três magistrados e dois militares, acrescentou o senhor Tine.

Esta comissão nacional, dirigida pelo procurador geral da República da Guiné-Bissau, Luís Manuel Cabral, iniciou o inqérito sobre os assassinatos de Vieira e Na Waié na quinta feira segundo uma fonte do trinbunal de Bissau.

«Com o falhanço do Estado , os narcotraficantes ocuparam o espaço deixado livre pelas instituições internacionais», acrescentou a Raddho.

Esta ONG estima ser necessário «enviar urgentemente tropas de interposição sob a égide das Nações unidas». Assassinatos e tentativas de assassinato de personalidades que nunca chegaram a ser clarificados têm marcado a história da Guiné-Bissau desde a independência em 1974.

Esse pequeno país, desestabilizado por décadas de antagonismos pessoais entre os seus dirigentes e o papel preponderante dos militares, tornou-se depois de 2005 num ponto de trânsito da cocaína sul-americana para a Europa.

Inconstitucionalissimamente

Photobucket

Será desta?...AAS

Aos Srs. Deputados, ao Governo, aos Militares, à Comunidade Internacional

Caros compatriotas, Comunidade Internacional:

Escrevo-lhes enquanto compatriota; à Comunidade Internacional, enquanto parte interessada:

Na minha modesta opinião, o ‘grupo Cadogo’ está a forçar um golpe no Parlamento. Senão vejamos: Não se pode 'fazer' do Vice-presidente, Presidente da Assembleia Nacional Popular (ANP). O novo Presidente da ANP deveria ser eleito.

Por outro lado, o Presidente da República Interino não tem competências de pormulgar nenhum diploma ou resolução da ANP. Isto significa que a apresentação do Programa do Governo e o Orçamento Geral do Estado é contraproducente, na medida em que esses instrumentos, após a sua eventual aprovação não terão nenhuma utilidade jurídica, isto é, o seu fim útil será nulo em relação à legislação em vigor.

O Governo, ao fazer este jogo, pretende ter as mãos livres para manipular o periodo de transição e assegurar as condições do seu candidato às Presidenciais ser eleito sem dificuldades.

Coloca-se por isso a questão de equidade na preparação e realização das eleicões presidenciais. Não se pode, neste quadro de manipulação e intimidação política e de controle absoluto das rédeas do Poder pelo actual Governo, falar-se em eleições transparentes e equitativas.

Por isso, é imperativo a rápida demissão do actual Governo, a constituição de uma Comissão de inquérito Internacional sob a égide da CEDEAO ou da UA. Só depois destas iniciativas e definidos os objectivos e a missão do Governo de Unidade Nacional, com um Primeiro-Ministro de consenso, se poderá falar de pactos de estabilidade ou de atribuições especiais para o Presidente Interino, cujas decisões no quadro da gestão transitória do País e da preparação das eleicões deverão ser submetidas à ractificação de um Conselho de Estado alargado. E idóneo. AAS

E esta, hein?

Não lembra ao próprio diabo! Então não é que o Estado-Maior General das Forças Armadas guineense, depois do massacre do dia 1, lembrou-se de tirar partido - mórbido, da 'coisa'?

Assim, hoje e amanhã, domingo, quem quiser pode ver com os seus próprios olhos o lugar da chacina, ou, se preferirem, onde foi assassinado à bomba o CEMGFA Tagme Na Waié.

Mas como não há bela sem senão, a tropa esqueceu-se do essencial: cobrar bilhetes!!! Então, quem vai reconstruir o Estado-Maior? O Governo, que está sob refém do empresário Cadogo e do Lúcio e do Artur? A CEDEAO, que não quis proteger 'Nino' Vieira? O Khadafi, que está moribundo?

A 1000 paus a entrada, ainda podia-se ensinar aos visitantes a arte de montar e fazer deflagrar bombas. Lá está: estamos como estamos porque ainda não aprendemos como fazer render as coisas...

Porém, como sempre, tinham de nos enganar: prometem "garantir a segurança a todos os visitantes". N'ka fia dê! AAS

sexta-feira, 13 de Março de 2009

Discurso do PR 'Nino', onde falava de (falta de) Segurança...

Haja segurança para proteger Khadafi! Convém recordar o discurso do malogrado Presidente da República da Guiné-Bissau, João Bernardo Vieira, onde falou da sua segurança, ou, melhor, da falta dela tendo solicitado protecção à UA:

Photobucket

Excelência Senhor Blaise Compaore, Presidente em Exercício da CEDEAO

Excelências Senhores Presidentes e Caros Irmãos,

Minhas Senhoras e Meus Senhores,


(...) A 35ª Cimeira de Chefes de Estados e de Governo, também está confrontada com questões que se prendem com o reforço da paz e de segurança ao nível sub-regional.

Efectivamente, regista-se uma melhoria no quadro político na região com a consolidação democrática, isto apesar da crise que afecta a nossa juventude, em matéria de formação, emprego e emigração ilegal que, conjuntamente com a problemática do abuso e tráfico de droga, constituem uma ameaça velada à sobrevivência e funcionamento das nossas sociedades e das nossas instituições.

Daí, exorto a Comunidade para unir esforços, neste combate sem tréguas porque são males que ameaçam os nossos Estados e as nossas populações.

Excelências, Senhores Chefes de Estado e Caros Irmãos,

O meu país sofreu um rude golpe no passado dia 23 de Novembro, com a tentativa de assassinato do seu Presidente da Republica, democraticamente eleito.

De recordar que tudo se passou, após umas eleições que foram consideradas quer nacional, quer internacionalmente, como um sucesso.

Pelo que, este acto, perpetrado em pleno século XX, só pode ser qualificado como um acto bárbaro, que merece a nossa condenação e repúdio.

Agradeço profundamente todo o empenho e solidariedade manifestada pela Comunidade, quer com a condenação, quer pela missão ao mais alto nível que se deslocou a Bissau.

Na verdade, e apesar da estabilidade aparente que vivemos até o dia 23 de Novembro, as nossas preocupações continuam a ser enormes, designadamente no que diz respeito às forças de defesa e Segurança.

Temos um exército altamente politizado e desequilibrado na perspectiva étnica, tornando assim no maior obstáculo à Paz, a estabilidade e uma verdadeira ameaça à cultura democrática na Guiné-Bissau.

Não é salutar nem aceitável tal estado de coisas. Daí que a questão da reforma do sector de defesa e segurança nos afigura como de absoluta necessidade.

Sem embargo desta constatação, o país espera da comunidade uma solidariedade efectiva através da criação de uma força de estabilização, capaz de garantir não só a segurança do Presidente da República e das Instituições democráticas, como o pleno sucesso da reforma do sector de defesa e segurança em curso.

Excelências,

Para concluir, quero registar e incentivar as recomendações relativas às medidas que reforcem o aparelho de segurança, bem como, o acelerar da reforma do sector de defesa e segurança com um plano de acção de curto prazo, que servirá de base para uma conferência de doadores.

Estou certo de que, com o empenho, a solidariedade e coordenação de esforços de todos os Estados Membros, venceremos os desafios que nos são colocados.

Muito Obrigado.

Surpreendido...

«Até hoje, nunca realmente compreendi muito bem o meu amigo Aly - nunca me tinha tocado a mim.

Na realidade, hoje precebo um pouco melhor a tua 'démarche'. Alguém tem de fazer o que tu fazes para que em momentos e casos em que a injustiça é desproporcional relativamente a todos os outros aspectos da nossa vida, alguém ponha as nossas vozes em megafones e nos faça sentir um pouco melhor conosco, com a vida e com a humanidade.

Trata-se na realidade de uma opção devida - todos nós as fazemos e normalmente ainda muito novos. A nossa personalidade, com os défices e potencialidades, enfim com a sua humanidade é quem acaba por comandar essas opções.

Tudo para dizer que deves ser louco ou um pouco esquizofrénico para teres feito a opção que fizeste ainda jovem - pena e tristeza para a tua família, sobretudo para o teu filho. Essa desgraça dos teus acaba por ser a nossa sorte em momentos como esses que hoje vivemos e que acabas por nos fazer viver em comunidade e juntos - mesmo com os teus desiquilibrios e desvios, humano e subjectivo que és e adoras ser.

De forma assumidamente egoísta, peço ao teu filho que me perdoe, peço-te que continues a fazer o teu trabalho - que no teu caso nem de perto nem de longe é emprego ou trabalho.

Um abraço e coragem - pois sei que para certas pessoas está a ser mesmo difícil.

R.
»

A realidade assusta

Photobucket

Os dois primeiros dias de Março foram-nos madrastas. Talvez não devamos, de agora em diante, esperar uma só batalha, mas uma campanha prolongada que pode ser terrível. Temos atravessado momentos muito difíceis, incorremos em erros desnecessários. E se um dia surgir aqui uma guerra, não é que ela nos tenha sido imposta. Não será certamente por nos terem posto numa situação em que nos rendamos ou entramos na guerra; então, haverá guerra porque nós mesmos nos impusemos a guerra.

Hoje, muitos já pensam em como será o amanhã. Alguns crêem apenas que nós sómos o que somos. Mas só nós sabemos o que somos, só nós podemos julgar-nos e podem crer que assim é. Só assim pode ser. Devemos vigiar-nos muito a nós próprios. Aqui, travamos uma luta contra os instintos.

Vejo algo de frequente: a influência, o poder. E vejo os homens. Os homens quando têm um pouco de poder envaidecem-se e querem-no usar à vista de todos. Porque sei isso, tenho de lutar. E sei também que enquanto os anos passam, é possível não ter menos entusiasmo mas até mais. Não menos energia, mas até mais – e essa energia nasce, precisamente, da convicção.

George Orwell escreveu, em tempos: “Não está em questão se a guerra é ou não real. A vitória não é possível. A guerra não existe para ser vencida, existe para ser contínua. E o seu objectivo é manter intacta a própria estrutura da sociedade.

Hoje, devíamos lamentar simplesmente que falhamos. E que o mal que fizémos e fazemos é a nós mesmos. Mas não. Parecemos cegos numa sala cheia de surdos. Quanto, a mim: Gosto dos factos, não me interessa a glória. AAS

P.S. - Amigos meus foram chamados ao Estado-Maior General das Forças Armadas. Foram humilhados e ameaçados. Ainda não me chamaram, mas estou excitado. AAS

quinta-feira, 12 de Março de 2009

UAu!

Photobucket

O Presidente da Líbia e da União Africana (UA), Muhammar Khadafi, esteve hoje em Bissau para uma visita de pouco mais de duas horas. Prometeu apoio para as eleições presidenciais e um inquérito internacional sobre o assassinato do Chefe de Estado Nino Vieira. "Quero dizer-vos que a União Africana e os Estados do CEN-SAD (Comunidade dos Estados Sahel-Saarianos) vão investigar o assassínio do Presidente", disse no final da visita, que não passou da sala VIP do aeroporto ‘Osvaldo Vieira’.

Muammar Kadhafi disse ter vindo na qualidade de presidente em exercício da União Africana, após tomar conhecimento sobre o que aconteceu na Guiné-Bissau. "Como sabem houve um acontecimento extraordinário na Guiné-Bissau, o assassínio do Presidente da República, e na minha qualidade de presidente em exercício da União Africana tenho o dever de me assegurar da situação neste país africano", afirmou Kadhafi.

O 'rei dos reis' justificou ainda a sua curta visita com o facto de a Guiné-Bissau ser um Estado membro do CEN-SAD, cuja sede se encontra na Líbia. "Devo assegurar que as coisas se desenrolam em conformidade com a Constituição. O exército não assumiu o poder após o assassínio do Presidente, mas o comité militar assumiu o controlo das Forças Armadas com a morte do Chefe do Estado-Maior" destacou.

Uau!, que segurança

... Mas parece que o beduíno, o «rei dos reis» chegou ontem, e vinha passar uma grande temporada por cá... É que, desde ontem, estavam já em Bissau mais de uma centena de elementos pertencentes ao corpo de segurança e militares líbios. Pode dizer-se com toda a justiça que ‘tomaram’ de assalto o aeroporto internacional ‘Osvaldo Vieira’. E, naturalmente, mandaram eles. A nossa ‘segurança’? Nem ao longe... os nossos militares? Talvez com binóculos...

Haja segurança para proteger Khadafi! Contudo, convém recordar o discurso do malogrado Presidente da República da Guiné-Bissau, João Bernardo Vieira, onde falou da sua segurança, ou, melhor, da falta dela tendo solicitado protecção à UA.

Uma coisa é certa e vocês não me deixarão mentir: um terço dos elementos de segurança que Khadafi trouxe para Bissau, vindos sabe-se lá de onde, dava para proteger a vida do seu homólogo guineense... AAS

Vergonha

Photobucket

quarta-feira, 11 de Março de 2009

Assim mesmo

Meus comentários ao jornal senegalês «Le Quotidien», publicado ontem, 10 de Março:

Photobucket

"Concernant la cérémonie de deuil en elle-même, notre confrère Antonio Aly Silva nous a signalé que la famille de Nino Vieira a refusé de se rendre au cimetière municipal de la capitale, après l’hommage rendu au défunt Président dans les locaux de l’Assemblée nationale. Ce boycott est survenu à la suite d’une mésentente entre les militaires et les Vieira à propos du lieu d’inhumation. Une partie de ceux-ci devaient revenir à Dakar, hier soir.
A Bissau, les politiques sortent peu à peu de l’ombre pour condamner les violences survenues au début du mois. Intervenant hier sur les antennes de Rfi, Idrissa Diallo, Secrétaire général du Parti de l’unité nationale (Pun), a jugé indispensable la création d’une Commission d’enquête internationale indépendante. Il a également considéré comme impossible, l’organisation d’élections sérieuses dans deux mois, comme stipulée par la constitution du pays. Sur la même longueur d’ondes, Antonio Aly Silva a dénoncé, à son tour, ce qu’il appelle un «coup d’Etat» perpétré par un «groupe politique» en fonction au sommet de l’Etat. Il s’étonne, par ailleurs, que le Parti africain pour l’indépendance de la Guinée-Bissau et le Cap-Vert (Paigc) soit le seul parti politique à n’avoir pas encore condamné les pogroms survenus dans le pays.
"

terça-feira, 10 de Março de 2009

O regresso do pesadelo

O assassinato do Presidente da República, foi um GOLPE de ESTADO.

Photobucket

... E agora, outras notícias do País de todas as barbaridades.

- O Presidente do Senegal, Abdoulaye Wade, cancelou à última da hora a sua presença no funeral do Presidente 'Nino' Vieira. Porque lhe comunicaram isto: "Pode vir, mas...bom, mas não há segurança".

Pela 1ª vez, e os leitores desculpar-me-ão por esta falha grave: estou inteiramente de acordo com o Governo. Mas...alto aí! Mas se não há segurança, nem aulas, nem salários, o que faz então este Governo? Para que foi eleito?

1 - Para deixar tudo como está e continuemos a matar-nos?

2 - Para proteger uns e deixar que se matem outros?

Sr. Primeiro-Ministro: já que os ministros da Defesa e do Interior não se demitem, porque o não faz o próprio... Primeiro-Ministro? É que, assim, cai tudo de uma só vez! É o que se chama 'matar 33 chico-espertos de uma só vez'... Que tal ir pensando no assunto e depois comunicar-me?

Pode fazê-lo de várias maneiras: minha residência, na Rua de Angola, Nº 58; por telefone (se ligar do estrangeiro, não esquecer o indicativo +245), seguido do número 6683113, ou, ainda, para estas duas contas de e-mail: aaly.silva@gmail.com e/ou aaly_silva@hotmail.com.

Assinado: O pesadelo deste governo. AAS

domingo, 8 de Março de 2009

Dar murros em ponta de faca

"Acabo de visitar o seu site. Já não vou mais sublinhar os arrepios que o Aly provoca nas pessoas pela forma nua e crua como expõe os factos. Afinal, factos, são factos e contra factos não há argumentos... (é o velho mote dos jornalistas: "Não querem que noticiemos? Pois não deixem que aconteça!")

Mas há duas coisas a que gostaria de referir:

1. O "recado" do Sr. Carlos Silva: à primeira vista parece ser apenas uma mensagem de um compatriota seu a referir-lhe que o Aly "rema contra a maré" mas a mim pareceu-me mais uma ameaça velada a lembrar-lhe que voce está a "dar murros em ponta de faca."


2. A angústia de sua Mãe: NO COMMENT! Depois do que eu, (uma desconhecida), disse ao Aly no meu primeiro e-mail, reservo-me agora o direito de não produzir qualquer comentário sobre a angústia que sua Mãe está a sentir. Apenas lhe digo o seguinte: Aly, eu não queria estar no lugar dessa pobre senhora...

P.S.: Infelizmente perdi a sua entrevista à Rádio Nacional de Cabo Verde porque só agora visitei seu site. Ultimamente evito visitá-lo, com regularidade, porque tenho sempre medo de um dia chegar lá e não ter mais Aly...

Please take care of yourself. Ok?
Bj
"

A máscara vai caindo aos poucos...

"Sinto orgulho. Não esperava outra coisa de ti. Diz-me se estás bem, ok?

A.
"


Olá

Obrigado. Estou bem.

Photobucket


... Não sei como definir a minha pessoa. Mas acho que sou uma mistura de jornalista e de doido (não no sentido literal, claro). Na verdade sou tudo e nada ao mesmo tempo. Sei apenas que a comunicação é o meu mundo. E que o mundo é a minha casa.

Assisto a uma realidade e partilho-a da melhor maneira que sei e posso, com o mundo. O meu sentimento profundo - se queres mesmo saber, é humanista. Não é político. Aliás, fui ensinado a prezar a liberdade, mesmo quando ela significa liberdade para decidir ao contrário das minhas opções políticas.

Aconteceu-me ontem:

Ontem, tinha combinado beber um café no D. Bifanas com alguns jornalistas estrangeiros. Como já tinha jantado, fiz para chegar a tempo da sobremesa e dos cafés. Estava ao balcão enquanto eles jantavam, já tarde na noite.

Pouco depois, recebi uma chamada estranha que me fez abandonar o restaurante. Saí e, pela indicação que recebi ao telefone, vi que um carro estava parado entre a escola e a ANP com os mínimos acesos. Reconheci-o. Fui com o meu carro na sua direcção e parei mesmo ao lado. Olhei lá para dentro e a pessoa que estava ao volante - curiosamente havia outro ocupante, mas sentado no banco de trás - em vez de olhar e me enfrentar, escondeu-se e tapou a cara com o braço.

Um perseguidor cobarde? Um verdadeiro cobarde! Se queria intimidar-me estava a perder tempo. Mas intimidar-me como? Dando-me um tiro, dois tiros? Ou despejando-me um carregador da AK47 de trinta tiros? Não adianta.

A minha única preocupação - desde que começou esta bestialidade - sempre foi zelar pela minha própria segurança e neste dias tomei medidas que julguei serem necessárias para que fique seguro.

Mas não tenho medo nenhum da morte. Ninguém deve ter medo da morte, pois é a entrada para o absoluto.

AAS

Aqui repousará 'Nino' Vieira. Chamam a isto... Funeral de Estado?!

Photobucket

Um Presidente da República, numa campa rasa. AAS
Foto: Tiago Petinga/LUSA

Cada guineense é um alvo. E depois?

Photobucket
AAS

"Freedom is a system based on courage" - Charles Peguy

Desculpa lá, Mãe

A minha Mãe chegou de Lisboa na madrugada do fatídico dia 2, e, sem ainda saber dos 'preparativos' para o próximo massacre (Tagmé havia sido assassinado horas antes, no dia 1) foi dormir a casa de uma sobrinha mais a minha irmã, pois tinham-na ido buscar ao aeroporto.

Photobucket

A minha Mãe, Muna Aly

Ontem, ela ligou-me de Gabú mas não atendi a chamada. Então, deixou o recado ao meu tio. Para mim: "Diz ao Tony (o mesmo que Aly) para não ir a nenhum dos funerais, pois sonhei que ele ia ser morto..." Assim, friamente.

Hoje, voltou a ligar para saber de mim. E recebeu a pior das notícias: "Mãe, desculpa. Estou no funeral do Tagmé, e terça-feira estarei no do Presidente da República." Fez-se um silêncio sepulcral. E então ela disse: "Deus te proteja". E desligou o telefone. Amanhã vou visitá-la a Gabú e regresso no final do dia.

Meus caros: Tagmé Na Waie não me perdoaria se faltasse ao seu enterro. Eu fui militar neste País (1987/89); o Presidente da República, idem, mas não porque tenha alguma vez votado nele ou coisa parecida. Aliás, estávamos nos antípodas e isso não era segredo para ninguém... Vou porque ele foi Presidente da República durante dois mandatos, e foi eleito democraticamente. Presidente de todos os guineenses, ainda que sem o meu voto. Haja respeito. AAS

P.S. - Mãe, não te preocupes. Pede a Deus, caso eu morra, que guarde a minha alma para que eu possa abençoar o meu Pai, onde quer que ele esteja. AAS

P.S. - Agora, neste preciso momento, são disparadas salvas de artilharia. Enterra-se um General. AAS

Adeus, General Na Waie

Photobucket

Funeral de Tagmé Na Waie, hoje. Rostos fechados. Revolta. Indignação em todos e em cada olhar. Um mau prenúncio? Talvez... Suspeitos. Na TV e no cemitério. Eu, Aly, é que disse. AAS

FOTO: (C) Miguel Martins/RFI

Pergunta pertinente

Por que razão até hoje o PAIGC NÃO condenou os assassinatos, quer do Presidente da República, quer do Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas, Tagmé Na Waie? Alguém que responda, sff? AAS

sábado, 7 de Março de 2009

Quem será o próximo alvo?

Photobucket

Choque e espanto. António Aly Silva

Extensa entrevista à Radio Nacional de Cabo Verde...

Para ouvir, hoje, a partir das 14 horas.
www.rtc.cv

Nadar contra a corrente

Caro irmão e compatriota Sr. Silva

Não precisa de ser louvado pela sua integridade e coragem com que enfrenta diariamente tudo e todos na Guiné-Bissau. Pois foi a sua escolha fazer o seu trabalho na Guiné.
Por isso "lhe tiro o chapéu". Ao contrário da maioria dos guineenses para quem a apatia e o conformismo é o pão nosso de cada dia, você, Sr. (António Aly) Silva, destaca-se porque "nada contra a corrente". Muito obrigado, e continue o bom trabalho

Carlos da Silva

Leia a minha opinião no Correio da Manhã

Photobucket

"A ONU É QUE DEVIA INVESTIGAR"

Uma semana após o duplo assassínio, de Nino Vieira e Tagmé Na Waié, as circunstâncias em que se deram as mortes continuam na boca do povo mas o medo de represálias impede que o façam abertamente. O jornalista António Aly Silva é um dos poucos que se atrevem a fazê-lo. "O que se passou é intolerável e não pode continuar. Estes acontecimentos ultrapassam o nosso próprio Estado, observou, apontando soluções: "A questão devia ser tomada pela ONU, abrir-se um inquérito internacional e criarmos uma comissão de reconciliação, como aconteceu na África do Sul."



Aqui. AAS

sexta-feira, 6 de Março de 2009

Disse apenas o que pensava. E isso é louvável. Amanhã, no Correio da Manhã.

Para quem quiser, eis o link onde pode ver e ouvir a entrevista que concedi à TVI. AAS

TELEX: Luto Nacional prolonga-se até ao dia 10. Feriado no dia do funeral para os servidores do Estado (*)

AAS

(*) Ditadura do Consenso é o verdadeiro serviço público! Qual Agência Noticiosa da Guiné qual quê!!! Nô Pintcha!...

Um Panteão Nacional, já!

Muitos guineenses, entre eles - e com toda a justiça - a família do malogrado Presidente 'Nino' Vieira, estão indignados com o Estado da Guiné-Bissau a propósito das cerimónias fúnebres do Chefe de Estado, assassinado na sua residência na madrugada do dia 2 do corrente, marcadas para a próxima terça-feira.

E com razão. Como chefe de Estado, o lugar de eterno descanso do Presidente deveria ser num mausoléu, por exemplo na Fortaleza da Amura, ao lado de Amílcar Cabral. E agora estamos nesta indecisão: a família exige respeito. E um funeral de Estado deverá sê-lo até ao fim!

O Estado da Guiné-Bissau deve honrar os seus heróis, e Titina Silá, Pansau Na Isna, Domingos Ramos, Canhé Na N'Tunguê, entre outros, deveriam ser sepultados num único sítio. Que tal começarem a pensar num Panteão Nacional? AAS

Pensamento para todos os dias

Os guineenses de hoje são tão pequenos que até cabem na Guiné-Bissau! AAS

quinta-feira, 5 de Março de 2009

E, assim, o feitiço virou-se contra o feiticeiro

Mais uma pedra no sapato. Existem imensas dificuldades na escolha do nome para Chefe do Estado Maior das Forças Armadas. Afinal, nunca chegou a ser assinado o decreto presidencial que nomeasse o futuro CEMGFA.

P.S 1 - Logo, logo, saberemos se isto foi ou não um golpe de Estado...

P.S 2 - Recebi muitos e-mails e telefonemas por causa da entrevista à TVI. Agradeço cada um. Estou a ver se consigo toda a entrevista (em bruto) para enviá-la para o Estado-Maior das Forças Armadas, para o gabinete do Primeiro-Ministro, para o Presidente da Republica Interino, para o Procurador-Geral da Republica e para as Naçoes Unidas e, claro, para o postar no meu blogue!

P.S. 3 - Alguém me explica (por ex., a Embaixada de Angola) o papel de Angola no meio de toda esta confusão? AAS

A letter from UK

"Estimado Sr. Jornalista,

Meu nome é Rosa uma cidadã angolana que tem acompanhado atentamente a situação triste que vive a Guiné e tem visitado o seu blog para esse efeito.

Escrevo para apresentar-lhe a si e ao povo guineense os meus sentidos pêsames pelos infaustos acontecimentos que assolaram o vosso País. Aproveito a oportunidade para aplaudir a chicotada psicológica que o Sr. Aly Silva deu ao nosso medíocre Vice-Ministro Chicote e, finalmente, não posso deixar de manifestar alguma apreensão pela forma directa, desafiadora e frontal com que o Sr. Aly está a enfrentar gente poderosa e sanguinária que nao olha a meios para atingir os seus fins.

"Encostem-me à parede e disparem" é muito forte principalmente quando nos dirigimos a pessoas que não hesitaram em eliminar os dois homens mais poderosos de uma Nação.

Como mulher tento colocar-me no lugar de sua mãe, esposa, ou irmã. Eventualmente o Sr. Aly terá tambem filhos. Essas pessoas devem estar a sofrer imenso devido à forma como o Sr. está a expôr-se. Se eu, Rosa, daqui de longe, conhecendo-o apenas pelos seus escritos nao pude deixar de sentir uma grande apreensão imagine essas pessoas que lhe são próximas e o amam.

Rendo-me a seus pés pela sua coragem e frontalidade mas também gostaria imenso de continuar a visitar seu blog por muitos e longos anos. Por favor cuide bem de si. Não cutuque a onça com vara curta.

R&S.
BIRMINGHAN
"

Poderei ser detido

Dei hoje uma entrevista à TVI.

Photobucket

TVI: "Nao tem receios por dar esta entrevista e por dizer tudo o que aqui disse?"

Aly: "Nenhum! Encostem-me a uma parede e disparem." AAS

(I)responsabilidades?!

Photobucket

Assassinaram o CEMGFA, e o Presidente da República. O Governo, até hoje, não se pronunciou. Os ministros da Defesa (Artur Silva) e do Interior (Lúcio Soares) continuam em funções, sem se perceber bem porquê.

Num país decente, as coisas teriam sido diferentes: os dois teriam, no minimo, posto os lugares à disposição. Nao é o caso. Este é um país doente.

PARA REFLECTIR Nos dois mandatos de Carlos Gomes Júnior, foram assassinados dois chefes de Estado-Maior General das Forças Armadas: Veríssimo Seabra e, mais recentemente, Tagme Na Waie.

António Aly Silva

quarta-feira, 4 de Março de 2009

Funerais de Estado

- Tagme Na Waie será sepultado no próximo sábado, dia 7.

- O presidente 'Nino' Vieira, na próxima terça-feira, dia 10 de Março.

Ainda não houve autópsia a nenhum dos cadáveres. Aliás, o único médico legista guineense em actividade desconhece o motivo das mortes, pois segundo garantiu "ainda nem viu os corpos". AAS/mobile

Chicotada psicológica

Jorge Chicote, vice-ministro das Relações Exteriores de Angola e enviado especial do Presidente José Eduardo dos Santos à Guiné-Bissau:

Photobucket

"Casos como estes não podem repetir-se muitas vezes."...

Pergunto eu: O que sugere, Sr. ministro? Que aconteçam de ano a ano, a cada seis meses, aos fins-de-semana?... Tenham dó! AAS

terça-feira, 3 de Março de 2009

A notoriedade que nunca desejei

Espero que tenham dormido bem. E, que concordem comigo.

Ditadura do Consenso teve hoje, e até agora, mais de 2000 visitantes e foi referenciado em quase todo o mundo. Amanhã, outras imagens correrão mundo e meio, mas nos jornais na web.

A notoriedade é algo que me orgulha. Muito mesmo. Nota-se. E não faço nada para o esconder. Mas, atenção: está limitada à minha profissão: a de Jornalista. E ainda bem que assim é. Que isto fique bem claro.

No entanto, teria preferido que o meu blogue, hoje, fosse notícia e tivesse sido falado pelas melhores razões, em prol da Guiné-Bissau e dos guineenses. Não foi o caso. Uma vez mais.

O que me dói (e dói imenso) é que mesmo com estes dois terríveis acontecimentos, não tenhamos aprendido nada. E até já estejamos a preparar outra, talvez até pior. Mas, o que pode mesmo ser pior que os assassinatos de um Chefe de Estado e do Chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas? Costuma dizer-se que um morto é uma tragédia, cem mil mortos são uma estatística. A estatística não devia ser uma arma de arremesso em guerras políticas. Mas aqui, é.

Mas o que esperavam que acontecesse, estando o País, de há algum tempo a esta parte, nas mãos de gente medíocre, traidora e sem escrúpulos? O que pode mesmo acontecer a um País quando gente sem qualquer sentido de responsabilidade, que fará de Estado, o toma nas maõs?

É isto que acontece a um País quando os políticos, em vez de governarem com a dignidade que se lhes é exigida, passam o tempo a comprar guerrinhas, dividindo e atiçando os militares É nisto que dá. E pode doer. Muito.

Desde o fim da guerra de 1998/99, já assistimos a quantos assassinatos na Guiné-Bissau? Antes mesmo dessa guerra, quantas personalidades deste País desapareceram em circunstâncias ainda hoje por esclarecer? Quantos filhos desta terra, os mais bem intencionados, foram eliminados? Quantos não vimos partir, um por um, traídos, submetidos a julgamentos humilhantes, muitas vezes sumários e, de seguida, abatidos como gado?

Se o povo guineense não se erguer, será espezinhado e humilhado. Como tem sido desde 1973.

António Aly Silva

Purgas?

Ex-ministros guineenses ligados a "Nino" Vieira estão a receber ameaças de prisão ou de morte na sequência dos assassínios no país, disse hoje o antigo chefe da diplomacia do país, Soares Sambú.

Há "pelo menos nove nomes" de personalidades políticas que estão a ser "perseguidas".

Segundo Soares Sambú, a "lista" inclui nomes como os ex-ministros da Defesa Helder Proença, Marciano Barbeiro e Daniel Gomes, o ex-ministro da Economia e Finanças Issufo Sanhá, os dos antigos secretários de Estado Isabel Buscardini, Roberto Cacheu e Baciro Dabó (antigo chefe da antiga secreta guineense) e ainda o empresário Manuel dos Santos ("Manecas"), além do próprio Soares Sambú.

Sobre o paradeiro de João Cardoso, ex-chefe de gabinete do Presidente da República, Soares Sambú afirmou desconhecê-lo, admitindo porém que o homem forte do regime esteja em segurança, mas em local desconhecido.

Sigam isto...

Meus caros. Sigam isto

Agora viraram-se para o mensageiro...

Às quatro pessoas que me enviaram e-mail's a perguntar «não tens vergonha em publicar essas fotografias?», respondo assim:

Vergonha? Eu sou jornalista, por amor de Deus. E ainda que não fosse, qual é o mal? Quem assassinou ou quem fotografou a cena do crime - quem é pior? Por que motivo chateiam o Aly?

E se fossem atrás das pessoas que assassinaram o Presidente da República 'Nino' Vieira e o Chefe do Estado Maior General das Forças Armadas, Tagme Na Waie?
Bom, talvez como se trata de «um grupo desconhecido»...

Tenham vergonha, vão à merda e... não voltem a incomodar-me! Ninguém me ameaça ou mete medo. AAS

EXCLUSIVO - 'Nino' Vieira tombou aqui

O Presidente da República, João Bernardo Vieira, 'Nino', foi assassinado na sua residência, no dia 2 de Março.

Photobucket

LOCAL ONDE 'NINO' FOI METRALHADO ATÉ À MORTE COM DEZENAS DE TIROS DE AK-47. FOI IGUALMENTE USADA UMA CATANA, QUE SE PODE VER JUNTO À CADEIRA.

Photobucket

BARNABÉ GOMES, ASSESSOR DE IMPRENSA DE 'NINO' VIEIRA, FOI BALEADO TENDO FICADO GRAVEMENTE FERIDO.

FOTOS EXCLUSIVAS (C) António Aly Silva/Todos os direitos reservados

segunda-feira, 2 de Março de 2009

últimas últimas últimas últimas últimas

Homens fortemente armados tomaram de assalto as antigas instalações da Polícia Judiciária. Libertaram os 6 militares detidos por suposto envolvimento na tentativa de assassinato de 'Nino' Vieira no passado dia 23 de Novembro de 2008. (Escusado será dizer que os outros presos deram à sola). AAS

Alma ensanguentada

Fomos sacudidos, uma vez mais e durante a madrugada, por um violento tiroteio, que culminou com o assassinato do Presidente da República, 'Nino' Vieira (27 Abril 1939/02 Março 2009).
Horas antes, recorde-se - e, por favor registe-se, o Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas, Tenente-General Tagme Na Waie foi vitima (com mais 10 pessoas) de um atentado à bomba, nas escadarias do Estado-Maior. Ou isto acabou mesmo, ou ainda mal começou.

P.S. - Ah, e ficaria muito agradecido aos militares caso nao me voltem a incomodar a estas horas da madrugada. Haja, enfim... respeito! AAS

Telex - FOTOS EXCLUSIVAS (amanhã)

- 7 dias de luto nacional, pelo assassinato do Chefe de Estado, 'Nino' Vieira.

- 2 funerais de Estado (para o Presidente da República e para o Chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas, Tenente-General Batista Tagme Na Waie).

Amanhã, no Ditadura do Consenso: FOTOS EXCLUSIVAS...pois está claro. AAS

Amanhecer violento

Estamos debaixo de fogo de armas automáticas há mais de 30 minutos - e que armas! AAS

Nino Vieira terá sido assassinado. AAS

domingo, 1 de Março de 2009

Manobras militares em Bissau

Hoje, uma violenta explosão abalou o Estado-Maior General das Forças Armadas guineenses. No hospital, vi 4 feridos, dois deles em estado grave e com queimaduras.
Corre a notícia de que o CEMGFA, tenente-general Tagme Na Waie esteja morto. É a Guiné-Bissau no seu melhor. Escrevi esta notícia com alguma dor. AAS

Exemplar, meu caro

O resultado do jogo de futebol entre o Futebol Clube do Porto e o Sporting Clube de Portugal nao podia ser mais feliz, isto à luz do novo regulamento dos arbitros portugueses:

Resultado: 7 feridos, todos do Sporting, e dois deles em duvida para o proximo 'embate'. Tenham vergonha.
AAS/mobile

200 anos depois

Photobucket

Napoleão Bonaparte instituiu, em 1802, a mais alta condecoração francesa: a Legião de Honra. Duzentos anos depois, a França concedeu-a a um cidadão guineense, e ex-Presidente da República no período da transição (Setembro de 2002 a Outubro de 2005).

Henrique Pereira Rosa merece essa condecoração, mais não seja pela diplomacia que usou durante o seu mandato.

Ditadura do Consenso não podia deixar de homenagear este cidadão exemplar, e grande estadista. Bem haja. AAS

É oficial e está no diário da República da Guiné-Embalo(u)

Photobucket

(*) CAJU = Cadogo Junior. Claro como água. AAS