quinta-feira, 30 de Outubro de 2008

O vento mudou de direcção...

...É hoje, é hoje!
Photobucket

sexta-feira, 24 de Outubro de 2008

Nestes 21 dias, vou precisar muito disto

Photobucket

Por isso, peço às pessoas de boa vontade (já que está na moda...): Alka Seltzer, por favor. Em doses industriais! AAS

CÓLERA - O que deve fazer / Kê ku bu dibi di fassi

Photobucket

Os guineenses não são números...

A epidemia de cólera que já infectou mais de 12 mil pessoas e matou 205 na Guiné-Bissau está "fora de controlo", afirmaram hoje, 24 de Outubro, as agências das Nações Unidas. A cólera está "excepcionalmente difícil de controlar e está espalhada por todo o país", sublinhou a porta-voz do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Vérónique Taveau, durante uma conferência de imprensa em Genebra.

A doença, endémica no país e recorrente todos os anos, "desenvolve-se actualmente sem controlo, com o risco de se propagar aos países vizinhos", preveniu também a porta-voz do Gabinete das Nações Unidas para a Coordenação dos Assuntos Humanitários (OCHA), Elisabeth Byrs. "A cólera faz mil novos casos por mês", acrescentou a porta-voz, sublinhando que a capital, Bissau, é a mais atingida, com mais de oito mil casos.

Entre 24 de Agosto e 21 de Outubro, a propagação da doença acelerou com 4.871 novos casos, entre os quais 915 crianças com menos de 14 anos, ou seja, 18 por cento do total de doentes, de acordo com dados da UNICEF. A Agência da ONU está particularmente preocupada com o início da campanha eleitoral para as legislativas previstas para 16 de Novembro porque, sublinha a porta-voz, "as grandes multidões favorecem a propagação da doença".

Segundo a UNICEF, a doença propaga-se facilmente pelo país devido a três factores: o mau estado do sistema de saneamento, a falta de acesso à água potável - especialmente na capital, onde 80 por cento da população não tem acesso à água corrente - e um ritual funerário, segundo o qual as famílias bebem a água que serviu para limpar o morto.

A ONU mobilizou mais de um milhão de dólares (cerca de 790 milhões de euros) para aquele país, mas a OCHA "gostava de ter mais financiamento, especialmente para a prevenção" das doenças, indicou a porta-voz daquela organização. Também chamada de "doença das mãos sujas", a cólera é uma infecção intestinal altamente contagiosa, que se manifesta por violentas diarreias e uma forte desidratação. Agência LUSA

terça-feira, 21 de Outubro de 2008

Lições de borla

Photobucket

A campanha eleitoral está a chegar. Se vai andar por aí a mandar postas de pescada, este manual é para si.

1º - ORGANIZE AS IDEIAS esteja a falar para uma audiência composta por comerciantes do mercado do Bandim ou a declarar guerra a outro país (ao Irão, por exemplo), é melhor organizar-se antes de se apresentar aos microfones. Siga aquele ditado tão velho como o mundo: diga o que lhes vai dizer, diga, e depois diga o que lhes disse. Estabeleça três pontos, fala sobre cada um deles e no final volte a relembrar esses mesmos pontos. É claro que o seu cérebro não conseguirá memorizar tudo mas soará muito desinteressante se estiver a ler pelo papel. Assim, escreva umas "palavras chave" em cábulas;

TREINE, TREINE MUITO tal como os lavadores de carros nas ruas de Bissau, a prática habitual ajuda muito nos discursos. Mas se por acaso não estiver habituado a ser o centro das atenções então o melhor mesmo é treinar. Ponha-se em frente ao espelho ou de uma câmara de vídeo para que simule os gestos, os silêncios, e o seu treino com as ditas cábulas que vai levar;

RESPIRE FUNDO se está nervoso, treine a respiração. Quanto ao tom de voz: mantenha um tom calmo, coloquial, e não use palavras de que não precisa de maneira nenhuma. É que não vai querer parecer palavroso nem pretensioso;

O DISCURSO PROPRIAMENTE DITO é necessário começar bem. Há quem comece com uma piada, mas, é melhor não arriscar, pois uma má piada logo no arranque pode ser um desastre de que ninguém se esquece. Mantenha-se direito enquanto fala, de costas direitas, com as mãos pousadas no púlpito, e não faça muitos gestos bruscos. Faça contacto visual com várias pessoas na plateia, mas evite estar a olhar para a mesma pessoa mais de cinco segundos. Infelizmente, isso pode ser um problema se só uma pessoa for ouvir o seu discurso...AAS

Fernando Gomes, dás-me o número de telefone de Deus?

Photobucket

Toda a crise tem vocábulos próprios e todo o político diz coisas nessa altura que significam exactamente o seu oposto. O primeiro-ministro, Carlos Correia, e o porta-voz do seu Governo, Fernando Gomes lá vergaram e decidiram reunir com a UNTG e prometeram - «com a ajuda de Deus» - pagar um mês de salário (dos 3 em atraso) aos funcionários do Estado «dentro de dez dias». Veremos. Aposto outro exílio em como dentro de dez dias saber-se-á a verdade. Ou seja, a mentira.

Cá para nós que ninguém nos ouve: eu acho que não estão a dizer a verdade. Melhor: estão a mentir. E porquê? Olha a pergunta, doutor. Desafio o doutor Fernando Gomes a dar-me o número de telefone de Deus. É que tenho umas coisas para Lhe dizer.

Este é um problema crónico, guineense, tão nosso que deviamos registá-lo na OAPI (Organização Africana da Propriedade Intelectual). As nossas ambições enquanto País, são grandes, mas as dificuldades para as concretizar são ainda maiores.

Vivemos uma autêntica repressão. A repressão, é sabido, gera medo e hipocrisia. Ou as duas coisas. As vítimas (os guineenses) dão a impressão de se conformarem mas não é assim: querem apenas furtar-se à regra. Mas entre mouros e judeus algum negro cristão há-de escapar.

AAS

sexta-feira, 17 de Outubro de 2008

Verdade inconveniente

O PRID* de hoje é o PCD** de ontem...

* - Partido Republicano para a Independência e Desenvolvimento;
** - Partido da Convergência Democratica.
AAS

quinta-feira, 16 de Outubro de 2008

É nisto que dá

Photobucket

Vote...

...Mas nunca em branco!

Photobucket

Quem salva a Cooperação Portuguesa?

Photobucket

Estimado António,

Tenho seguido a sua actividade jornalística mas, infelizmente, quando estive em Bissau estava você em Portugal. Tinha aí uma grande amiga professora no PASEG e por isso estive aí duas vezes (no ano passado e agora este ano). Tenho um familiar em Dacar e aproveitava para visitar essa minha amiga e conhecer Bissau.Como não sou uma mera turista, gosto de ouvir os comentários das pessoas e tentar sentir o pulso verdadeiro duma cidade, para além do que se vê à primeira vista. Talvez seja deformação profissional! Baseado nas histórias que ouvi da minha amiga daí de Bissau e de outras pessoas, bem como dalguma investigação que fiz em Lisboa, escrevi uma crónica informal. Não quero criticar só por criticar, mas é bom conhecer a opinião de quem por aí passa, sem ser "apanhado" por determinadas "obrigações" que quem aí vive, por vezes sobretudo sendo tuga, tem que respeitar. Fica aqui a crónica, se a quiser publicar. É um testemunho que deve ser feito.

Um abraço e até qualquer dia, talvez em Lisboa e continue a ser este António Aly que nos dá prazer ler,

Joana Otchan-Palha (JOP)


Quem salva a Cooperação Portuguesa?

Quem chega a Bissau, vindo de Dacar, após uma curta estadia, rende-se à evidência do mau estado em que se encontra esta terra e quão infrutíferas tem sido as acções da cooperação portuguesa.

Qualquer português da escassa comunidade que aguentou o conflito de 1998/9 e que por cá ficou, apesar das dificuldades, embora sem ser perito nos assuntos da cooperação, não tem dúvidas que as prioridades da Cooperação Portuguesa deveriam ser a Educação, a Saúde e a Cultura e, mais recentemente, a "guerra ao narcotráfico" que está ainda a criar maiores desigualdades na Guiné-Bissau e a minar o seu futuro. Não hesitam mesmo em falar num "Plano Marshall para a Guiné", com o apoio de Portugal e uma larga cooperação internacional.

A cooperação na área educativa conheceu um boom, no pós-conflito, com a implementação do PASEG - Projecto de Apoio ao Sistema de Ensino da Guiné e com umas dezenas de professores portugueses. Só que, após vários anos, não há aumento gradual do número de professores cooperantes, nem o seu alargamento ao interior. Pelo contrário, por razões impenetráveis da administração portuguesa, este ano, o seu número cairá para metade.

Quantos professores portugueses desempregados, mas com qualificações não abraçariam este projecto? E o apregoado "Fundo de 30 milhões" para apoiar a Língua Portuguesa não poderia ser utilizado nesta Missão? A saúde está mal (e não se recomenda!) na Guiné-Bissau. O surto de cólera, com uma elevada taxa de mortalidade, veio confirmar isto!

É verdade que a Cooperação Portuguesa tem procurado ajudar, mas os tais portugueses que por aqui andam, olhando o exemplo francês no Senegal, lamentam que não haja outro hospital a funcionar com mais meios, com mais médicos, enfermeiros e com medicamentos suficientes para fazer face a todas epidemias e doenças vulgares.

Até as farmácias do país são um espelho sintomático do estado da saúde com um mínimo de medicamentos e um aspecto pouco apelativo. A cultura tem sido o patinho feio da Cooperação Portuguesa, entalado progressivamente entre os ministérios da Educação,
da Cultura e dos Negócios Estrangeiros e na dependência do Instituto Camões há largos anos. A já reformada Presidente Simoneta Afonso nunca visitou o país ou se interessou, realmente, em melhorar a imagem da cultura portuguesa e a sua ligação com o meio artístico e intelectual guineense.

O absurdo da exoneração dos Directores dos Centros em Bissau e em São Tomé (os únicos exonerados nos PALOP's, enquanto em Cabo Verde e em Moçambique os seus homólogos já se encontram em funções há quase 6 e 9 anos) foi justificado com uma necessidade de poupança, mas o aumento do número doutros diplomatas em Bissau, contraria esta justificação. Uma decisão, sem critérios e avaliação prévia, tomada levianamente pelo então Ministro Freitas do Amaral, mas sem qualquer oposição da Presidente do Instituto Camões.

Depois do legado de Mário Matos e Lemos que por aqui andou quase 13 anos (e que conheci na sua curta passagem pelo CENJOR), de Daniel da Silva Perdigão e do último director do Centro Cultural Português, Luís Machado, ainda o CCP conseguiu sobreviver, mas hoje, todos lamentam que não haja praticamente jornais portugueses e que muito do que então se fazia não continue e que não se veja já aquele envolvimento dos jovens, apesar do Centro estar renovado e mais apelativo. Faltam as actividades, falta-lhe a gestão necessária, falta-lhe a alma!

Nem todos os diplomatas são bons gestores e programadores culturais e o facto de permanecerem pouco tempo em Bissau também não ajuda, pois os projectos da área cultural e da cooperação necessitam dum seguimento prolongado e de quem esteja profundamente dentro da sua problemática. Que o diga o Secretário de Estado, João Gomes Cravinho, que não permitiu que se tocasse nos responsáveis pela Cooperação nas diferentes Embaixadas (e que haja uma Conselheira em Luanda há 13 anos!).

Em tempo de férias, o Centro de Língua do Instituto Camões estava, merecidamente, em repouso, mas também me dizem que falta a ligação do mesmo com o Centro Cultural, que são "dois irmãos de costas voltadas um para o outro" e que se perde a interacção de meios. Comenta-se que o Instituto Camões já possui três terrenos em Bissau para construir um Centro Cultural de raiz, um projecto que se arrasta há mais de 10 anos. A continuar assim, o Instituto Camões será a primeira agência imobiliária oficial de Bissau! Talvez seja esta uma forma de obter verbas adicionais em tempo de crise global! Entretanto, sem exonerações, sem polémicas e contratempos, o Centro Cultural Francês lá continua de vento em popa.

Com o narcotráfico a aumentar e os problemas económicos sem melhoria à vista, não deveria a Cooperação Portuguesa motivar parceiros europeus e internacionais para se activar um projecto global de intervenção e ajuda à Guiné-Bissau? Quem aqui vive e até quem por aqui passa, só pode apoiar semelhante ideia. Sobretudo porque surgem, aqui e ali, pequenas intervenções sem conexão entre si.

É na noite de Bissau que se compreende que a própria Embaixada portuguesa na capital vive momentos conturbados, onde a vida pessoal e familiar de muitos funcionários já se mistura e influencia negativamente o desempenho e imagem profissionais, desprestigiando quem representa o Estado português. O próprio Embaixador andará por aqui há demasiado tempo, tendo já obtido o recorde de permanência em Bissau, mas seja pelo cansaço, seja pelas peripécias próprias (conflitos com a comunidade e com guineenses importantes) ou pelas alheias, há muito que parece ter perdido o pulso da sua Embaixada.

Não é de espantar que muitas sejam as vozes que clamam: "Quem salva a Cooperação Portuguesa?"

Joana Otchan-Palha
Jornalista freelancer e gestora de comunicação

quarta-feira, 15 de Outubro de 2008

Lembras-te de Bissau?

Photobucket

“Venham daí esses ossos!”. Cruzamo-nos, por acaso, ia eu a atravessar a rua em direcção à fortaleza da Amura. Abraçamo-nos e depois afastou-se. «Olha só para ti, estás um homem!». Este meu amigo costumava parar no bar «Escondidinho» – que fica na esquina da escola «Marques Palmeirim». Chegava de sorriso aberto, ao final da tarde, depois de grandes caminhadas pelo dia e depois de noites que só ele sabia viver. «Já estou de abalada», dizia isso sem ressentimentos nem temor. Aliás, começou a dizer isto – contaram-me – ia nos quarenta. Durou mais vinte e um; depois, sossegadamente, cerrou as persianas feitas de colmo e foi embora.

E adorava falar de mulheres - «Na minha idade é que era, vocês hoje vão para a cama por tudo e por nada». E tinha razão. Estamos sempre a ir para a cama; de manhã, à tarde e à noite. Pela primeira vez ouvi-o falar da violência da terra, dos ardores do sexo e de gente que se maltratava por um corpo quente de mulher. De gente que ele viu matar por um desvio de águas ou pela aleivosia de um dito mal interpretado. O meu amigo não era de percorrer tabernas, não. O «Escondidinho» enchia-lhe todas as medidas. Bebia o seu tinto, conversava, rindo de riso breve, ouvindo histórias. Histórias como aquelas que ele próprio contava, bem entendido; e contava-as numa toada lenta e despedida de deselegâncias.

Porém, vivia sempre o seu tempo. Nesse encontro, dois anos antes da sua morte, lembramos muitas coisas. Contou-me que enviuvara há cinco anos. A mulher morreu na sala de operações, em pleno parto, por falha de electricidade. «Ninguém contava com aquilo, foi terrível». Fez-se um silêncio sepulcral. Não consegui olhá-lo olhos nos olhos. Senti-me enfraquecido e a desfalecer e culpado por não saber o que dizer para confortá-lo. «Pelo menos ainda temos o ‘Escondidinho’» - disse-lhe. E fomos entrando. Voltou a desabafar. «Os amigos morreram todos; o Ucha, o Fernandinho...O último foi o teu pai» – disse-me. O meu pai morrera nesse ano, mais precisamente.

Fiquei então a saber aquilo que anos a fio me apoquentava: ou seja, o que este meu amigo procurava no «Escondidinho»: Letrado, ele procurava apenas a ração de afecto, os gomos de ternura que, confirmou-mo um dia, só a sua pacata e recôndita aldeia lhe poderia realmente oferecer. Bebíamos, de vez por outra mais do que manda a lei do equilíbrio; e, sobretudo conversávamos muito. E nós ouvíamo-lo muitíssimo. Ele percebera que perdera o tom da época; que a sua época era outra e que sobre essa época outra escrevera tudo quanto tinha de escrever. Porém manteve-se interessado. Lia o que os outros escreviam.

Certa tarde – contou-me o senhor Zé do «Escondidinho» - decidiu que chegara a hora de regressar à sua aldeia. E eles iam lá, vê-lo e conversá-lo. «Bebíamos agora um pouco e devagar». O meu amigo, sábio e antigo, quedava-se agora no batente da porta, no silêncio da tarde, no silêncio de todas as tardes. «Já nem havia palavra, aliás», sussurrou-me o senhor Zé. Depois, confidenciou-me, «ergueu-se e, pausadamente, atravessou os umbrais da eternidade».

António Aly Silva
Jornalista

segunda-feira, 13 de Outubro de 2008

O que pensas tu da morte?

Em resposta à pergunta - Pedro! - mais descabida que me foi feita.


Photobucket

A morte é a única certeza que temos da vida (pagar impostos também, mas isso significaria estar, por ex., no Canadá e não na Guiné-Bissau).
Na verdade, nunca pensei na morte. De resto, quando chega, não deixa dúvidas (às vezes, nem deixa marcas - como um gato). Chega também a ser o acto mais individual da nossa vida (quando nascemos há sempre mais gente ao barulho).

A morte é apenas uma história fechada. De ponto final. Além de que é só nossa. Contudo, não estou preparado para a morte de ninguém, nem para a minha, nem para a dos meus amigos, nem para a dos meus inimigos.

Por que havia eu de perder tempo com minudências? Aliás, se querem mesmo saber, a minha morte, hoje, causaria o maior transtorno. É que já tenho coisas combinadas para Dezembro. E como se isso não bastasse, ainda morria em má companhia... AAS

PS - O "Fuck You" refere-se à morte propriamente dita. AAS

A tristeza não tem fim. A felicidade, sim

Olá, C., aqui está o texto «que não encontravas». O tal texto intemporal. Beijo. Aos guineenses que tiveram em todos os governos (de 1980 aos nossos dias), umas autênticas madrastas. AAS

Os guineenses devem trocar a idade do armário em que se viram enfiados, e ultrapassar a barreira da puberdade.
Ao guineense, é com a alma em sangue que peço: Pense. Reflicta. Confesse. Já nenhum de nós tem idade para andar de skate. É altura de trocar o T-1 por uma casa, reclamar uma camisa no lugar de uma T-shirt e, por tabela, exigir um Estado sério, credível, respeitado. Grande. Crescido. Como nós.
Como é que um país com quase quarenta anos de independência, com tanta história de mestria e valentia; como é que este país que lutou pela sua independência e de mais quatro(!) países atirou a toalha ao chão?
Este país é coisa pouca para alguém? Seja. Mas é nosso. Pode até ser uma coisa pouca, uma luz qualquer. Chega-nos. Deslumbra-nos. A Guiné-Bissau podia, hoje, ser um gigante entre gigantes mas nunca deixaram-na ter essa medida, esse sentido de proporção, a mínima mercê. E, no entanto, a Guiné-Bissau continua brilhante como se a noite não existisse.
Do que nos vale uma Nação sem nacionalismos? Que tal é a sensação desta alma colectiva que se desalma diariamente; esta idade sem qualidade, este tempo dessincronizado com a nossa natureza, onde já não há herói, figura, exemplo, esperança que nos empolgue ou nos sirva?
A Guiné-Bissau é o país do universo africano que fala o português que, proporcionalmente, tem melhores e mais quadros nos organismos internacionais. E se não regressam é porque aqui tudo é muito previsível e, normalmente, o que acontece é quase sempre mau. Verdade seja dita, raras vezes se registam acontecimentos que indiciam novos tempos. Por mais que os ventos soprem.
A Guiné-Bissau tornou-se como aquele mistério que pensamos saber e a perfeição que sabemos não conseguir. É este o mistério perfeito da realidade, o sonho sem amanhã, o desejo sem desperdício, a ideia de uma Nação, o coração de um povo. É verdade. A nossa geração – aquela que não está gasta – tem valores que importa preservar, e uma responsabilidade de proporções bíblicas, que é a de criar uma sociedade em que não se registe a exploração do homem pelo homem ou humilhantes discriminações em relação à mulher. A realidade actual do mundo impõe-nos outra reflexão, e outra intervenção. Um País é um País e é assim, País, que deveria ser.

António Aly Silva

domingo, 12 de Outubro de 2008

Agora escolha

Corre pelo burgo o seguinte:

Afinal, o que significa PRID? (PRID soa ao apito do árbitro que depois aponta para a marca da grande penalidade)

1- Partido Responsável pela Introdução da Droga?;
2 - Políticos Responsáveis pela Introdução da Droga?, ou
3- Partido Republicano para a Independência da Droga?

AAS

sexta-feira, 10 de Outubro de 2008

Qual Assembleia, qual quê?!

Photobucket

A nossa investigação permitiu concluir que, afinal, nem tudo está parado no País. Depois desta grande obra pública (a terceira a seguir à ponte de João Landim e da residência para os antigos combatentes), os bandidos não mais poderão dormir descansados. Segundo a nossa fonte, a empresa contratada para construir a primeira prisão de alta segurança da Guiné-Bissau - a conceituada e respeitada chinesa Fech'a Djin Ti - terá o 'elefante branco' pronto para entrega no primeiro semestre de 2009.

A ANP - Associação Novas Prisões, não confirma nem desmente. Faz o seu papel.

Contudo e depois de muito falatório - «é a sede da Assembleia popular», ou «é a casa onde o Papa vai ficar para o resto dos seus dias», ou ainda «é a residência para acolher Woopy Goldberg», ditadura do consenso acaba com todas as discussões: é a futura prisão de alta segurança de Bissau. AAS

quinta-feira, 9 de Outubro de 2008

SOLIDARIEDADE GERAL (greve do blogue incluido)

Photobucket

Como o Ministro do Turismo não me paga, faço greve! Sinta bu sukuta, n'na bim bam...

SOLIDARIEDADE (queremos mais disto)

Photobucket

AAS

quarta-feira, 8 de Outubro de 2008

Um télélé de 400.000 Fcfa

Photobucket

...É isso mesmo que leram. Um director-geral de um organismo estatal, aproveitando-se da publicidade feita por uma empresa privada de telecomunicações ao seu organismo - portanto, um oportunista! - lá foi, em pessoa, reclamar o pagamento de 700.000 Fcfa (valor total dos 'spots').

Não conseguindo os seus intentos, desta vez preferiu telefonar: «A dívida pode ser paga em telemóvel?». Indignada, a empresa acedeu, convidando-o a ir escolher o aparelho. Engravatado, calça presa quase ao pescoço, serviu-se. Com ar de entendido (pensou ele). Toparam-no logo à primeira.

Novamente oportunista - como só os servidores deste projecto de Estado sabem ser, lá se decidiu por um télélé...um topo-de-gama à volta dos 400.000 Fcfa! Uma bagatela para ele, terá pensado. Mas é por causa de bagatelas como estas que temos uma greve geral nas mãos...

Ah, já me 'olvidava': o organismo estatal é a RÁDIO DIFUSÃO NACIONAL; e «ele» 'e o seu Director-geral dos gadgets.

Eu pergunto: Sr. Director-geral, será que esses 400.000 Fcfa pertencem-no, a si, ou ao organismo para o qual dá a cara?. Se os 400.000 Fcfa são seus, peço desculpa; se não...djanti bu bai torna telefone di POVO. AAS

terça-feira, 7 de Outubro de 2008

Obviamente, demitam-no!(*)

Photobucket

Num país minimamente decente, o Sr. Dr., Engº., Professor, Embaixador e prémio Nobel da fantochada, Francisco Fadul – o presidente do PADEC, um partido político nado-morto, não teria sido nomeado para presidente do Tribunal de Contas (TC). Mas isso seria num país decente. O que não é o caso. Fadul daria uma ajuda preciosa à sua biografia, e tranquilizaria o país se parasse de fazer os guineenses de bobos. É caricata a sua iniciativa de culpar tudo e todos; os seus discursos e entrevistas têm tanto de simplório como de patético.

Desorientado, lá vai a caminho de um campo minado, olhando para cima. E ainda bem.
Escapa-me, no entanto, o feito que levou Fadul à glória, a sua especialidade, a sua arte ou o seu, digamos, «distinguo». Pessoas que eu considero razoavelmente informadas, disseram-me que se tornou popular quando se fez passar por «intelectual» num golpe de Estado qualquer (é que já lhes perdi a conta...), dormindo numa sala da central eléctrica de Bissau e dando entrevistas a jornais estrangeiros fazendo figura de coitadinho.

Ora, sem menosprezo para tal tarefa, que certamente acarretará algumas dificuldades, não creio que fosse apenas isso a torná-lo no que é. Indaguei então se você teria feito alguma descoberta notável, conduzido uma guerrilha bem sucedida, apontado novos caminhos para lado nenhum, interpretado algo de sublime, criado uma obra inigualável, marcado o golo da vitória frente ao Senegal numa das edições da Taça Amílcar Cabral ou, pelo menos, escrito a letra «Baliera Disnortia» da orquestra Super Mama Djombo. Asseguram-me que nada disso você fez.

Creio, pois, que outras qualidades terá, além destas, e é delas que quero ter notícias, caso você se dê ao incómodo de contactar este seu admirador (embora não saiba por que admirá-lo). A democracia, sr. Presidente do PADEC e/ou do Tribunal de Contas, define-se pelas liberdades que assegura aos cidadãos e pelos limites que impões aos que exercem o poder de Estado. Se esses limites se tornarem imprecisos, torna-se precária a garantia de que esses poderes não serão usados por capricho pessoal contra os cidadãos. Ou contra o próprio Estado. Tal e qual como faz Fadul.

Num país com mais de 1 milhão e meio de pobres, esperava-se mais do «fiel da balança do Estado». É indizível a sensação de impotência e perplexidade que invade a imaginação dos guineenses diante do que deveria Francisco Fadul fazer – e não faz. A Economia de um Estado nunca se solidificará deixando os corruptos (e corruptores) de fora. É notório e incessante o ataque aos cofres públicos. O roubo indirecto ao Estado guineense tem de acabar para que possamos progredir.

PS – Sr. Dr., Engº., Professor, embaixador e prémio Nobel da fantochada: se, como diz, gosta mesmo do seu país, faça um favor à Guiné-Bissau e escolha: ou o PADEC ou o Tribunal de Contas. Os dois é que não!

(*) Escreva-me, Sr. Francisco Fadul: aaly_silva@hotmail.com

domingo, 5 de Outubro de 2008

Ai, nós...

A Guiné-Bissau podia, devia mesmo ser, um case study para alguma comunidade internacional que aqui engorda, amealha e bem para a reforma, e se diverte a olhos vistos (vocês não me deixarão mentir) como se estivesse nas areias quentes de Varadero.
Como é que nós, o país dos Quatro C's - Cocaína, Corrupção, Caju e, mais recentemente esse novo produto em vias de extinção no mundo, portanto com muita procura - a Cólera, estamos assim tão pobres? Simples: Não sabemos fazer render 'a coisa'. O que é o mesmo que dizer que somos uns perfeitos idiotas nisto do comércio.
Porque não se entrega, por exemplo, aos 'Nar' o negócio da cólera (até se lhes podia dar o monopólio que não viria mal ao mundo).
Façam-no e, já, já este país vai para a frente. Qual bauxite, qual fosfato, qual Car...*$#. AAS

quinta-feira, 2 de Outubro de 2008

A Questão Militar (*)

Photobucket



Temos sido sacudidos, de tempos a tempos, pela força dos militares. Os militares terão, muito provavelmente, razões objectivas e de sobra para se sentirem injustiçados pelos inúmeros Governos que, diga-se, apenas e só em abono da verdade, trataram muitíssimo melhor outros poderes e servidores do Estado. Aqui, é preciso sublinhar que os militares têm restrições reivindicativas; enquanto que outros Grupos profissionais não a têm. E esses Grupos aproveitaram-se da inexistência e da fragilidade do Estado para conseguirem obter – através de guerrilhas sindicais e intestinais contínuas, algumas delas verdadeiramente injustificáveis e penalizadoras do interesse colectivo - todo o tipo de vantagens.

Mas por muitas razões que tenham, o lugar dos militares não é, em definitivo, nas ruas. Ser militar não é só uma «opção de vida»; é também a aceitação de um estatuto especial. Significa, assim, aceitar restrições de direitos, determinadas por lei aprovada pelo poder político democrático, e também uma estrutura de comando que, teoricamente, terá os mecanismos necessários para zelar por todos os seus interesses. Cabe aos militares, além disso, o papel de garante último da Constituição, não sendo, por isso, admissível que desrespeitem as leis da República.

Mais importante ainda: Ser militar significa também - tem forçosamente de significar – abdicar de qualquer tipo de demonstração de poder corporativo, porque nunca se poderá admitir que o poder de que os militares estão investidos, o das armas, possa de alguma maneira ser usado como ameaça contra a colectividade ou os seus representantes.
Como seria bom, além de prudente, que os vários Governos tivessem sido menos arrogantes na convicção das suas reformas. Não é cedendo onde não deve, mas sendo justo. Não é ter pressa, mas ter cuidado. Só assim se torna legítimo criticar e apontar o dedo aos militares...


Sr. Procurador-Geral da República,



Photobucket

Tenho ouvido, com bastante preocupação, as suas intervenções. Conferências de imprensa prenhes de frases feitas, um piscar de olho aqui, uma guerrinha ali. As suas competências em termos da Lei, senhor Procurador, são limitadas. E não lhe conferem, que eu saiba, o direito a falar sobre a «falta de pagamento de salários na Função Pública», bem como a fazer visitas a obras públicas em curso. Em suma: o senhor anda a disparar para o ar. Em política, há um nome para isto: show-off. E que mal lhe fica, senhor Procurador! De show-off está o comum do guineense farto! E ainda assim nem dá sequer para matar a fome. Queremos acção, senhor Procurador!

Porém, as suas competências obrigam-no, isso sim, a estar atento aos que mal fazem o País.
Devia preocupar-se em ouvir aquelas pessoas que nunca tiveram nada na vida (nem trabalhando que nem um condenado e ganhando como um rei), e hoje são reis e senhores deste país esventrado e condenado, exibindo fortunas em carros de alta cilindrada (a maior parte deles roubados na Europa). Devia estar atento à construção de casarões sumptuosos (embora com arquitecturas duvidosas...) que estão a nascer como cogumelos. Isso, sim, faz parte da competência de um Procurador-Geral da República.

Pelos vistos, não de si. Faça um favor ao País: Páre com o show-off e mostre trabalho. Mande chamar os bandidos, investigue, entregue ao Ministério Público para que se faça Justiça. Os guineenses ficar-lhe-iam eternamente gratos. Senhor Procurador: já lhe ocorreu que, um dia, possa ser acusado de ter sido conivente com tudo isto? O desfecho natural e inevitável será o impeachment por prevaricação – crime no qual uma autoridade incorre quando deixa de fazer o que a lei prevê – no caso em concreto, investigar.

António Aly Silva

(*) TEXTO PUBLICADO NO JORNAL «DIÁRIO DE BISSAU», EDIÇÃO de 01/10/2008