sábado, 5 de Abril de 2008

Compreender o jornalismo

Guiné-Bissau tem hoje um jornalismo bastante pior. E isso é mau, até porque devia ser melhor, por em geral dispor de outros meios e recursos, designadamente tecnológicos. Mas isso é outra história... Eu estou aqui para escrever sobre a falta de profissionalismo, e de alguma subserviência que reina na nossa imprensa.

A imprensa guineense difunde facilmente o sensacionalismo, a espectacularidade, a demagogia, a falta de rigor e, às vezes, até faltas de respeito pelas pessoas, e sua vida privada. Temos, por isso e na minha modesta opinião – ela vale o que vale, uma imprensa baralhada que confunde factos e opiniões; que transforma os próprios políticos em «comentadores»; que tem uma tremenda falta de notícias, e notícias bem feitas (exemplo simples: ao reportarem um colóquio ou debate com vários participantes, são capazes de «escolher» o que dizem apenas dois ou três, por serem os mais badalados, não referindo sequer a presença dos restantes, ou de narrar apenas o episódico, em prejuízo do essencial); etc.

Pior mesmo só o agravamento que se tem notado ao nível do laxismo no que respeita à ética. Não há bom jornalismo, nem sequer jornalismo decente, sem escrupuloso respeito pelas normas deontológicas. A verdade é que a deontologia não pode ceder a nenhum tipo de conveniências. E devemos ser nós, jornalistas, que temos de nos bater por elas, recusando terminantemente o corporativismo que caracteriza outras profissões, incluindo as magistraturas.

Esta minha contribuição pretende ajudar no sentido de se ultrapassar práticas ou defeitos que temo estejam a conduzir a uma progressiva degradação da imagem dos jornalistas. O jornalismo é antes de tudo «responsabilidade» e não «poder». A consciência da nossa responsabilidade, uma seriedade sem mácula, uma honestidade acima de toda a suspeita, de par com o espírito livre e a independência são os primeiros passos para um exercício digno da profissão.

O jornalista não pode ser arrogante, mas deve ser sempre que necessário incómodo, sobretudo com os poderosos; tem de saber ouvir os outros e respeitá-los, não ceder ao sensacionalismo nem à facilidade, fazer da isenção, do rigor e da qualidade exigências constantes.

António Aly Silva
Jornalista