sábado, 20 de Setembro de 2014

Goleada das antigas


PERGUNTA: Você é a favor da AMNISTIA para golpistas e Crimes de Sangue?

RESPOSTAS:

Sim = 114 votos (9%)

Não = 417 votos (36%)

Não, nunca = 591 votos (51%)

Não sei/Não respondo = 30 votos (2%)

Votos apurados: 1152

INVESTIGAÇÃO DC: Como os EUA chegaram até Bubo através do Indjai


Investigação AAS/DC/2012

"O que faz correr Russel e Indjai?

Russel Hanks, o encarregado de negócios da embaixada dos Estados Unidos da América (EUA) em Dakar, tem sido presença assídua na Guiné-Bissau nos últimos tempos. Essa presença, tornou-se particularmente mais visivel e intensa no periodo que antecedeu o golpe de estado de 12 de abril prolongando-se até a esta data. Russel esteve de novo em Bissau na semana passada.

O último episódio do forte envolvimento desse diplomata de causas pouco claras a favor do regime golpista de Bissau, foi o seu forte engajamento conjuntamente com senador Carson no lobby pro-regime para tentar fazer representar a Guiné-Bissau pelo actual presidente nomeado pela CEDEAO na última Assembleia Geral das Nações Unidas em detrimento das autoridades guineenses legitimamente eleitas e reconhecidas pela esmagadora maioria da comunidade internacional com destaque para a ONU, organização anfitriã do evento. O referido lobby contou até com a estranha e inusitada adesão do governo dos EUA ao lado das pretensões dos golpistas, mas deu em nada, pois foram humilhados, não chegando sequer a ter acesso às instalações da ONU.

Na verdade, existem efectivamente razões de interesse muito fortes nesse alinhamento de posições com o regime golpista de Bissau. Segundo fontes seguras e dignas de crédito, a razão de ser da presença dessa polémica figura da diplomacia americana ao lado dos militares golpistas da Guiné-Bissau, particularmente do general Antonio Injai, tem um alvo muito particular: o acossado Contra Almirante, José Américo Bubo Na Tchuto, ex-chefe do estado-maior da armada guineense. Depois, caçam o Indjai.

De acordo com a mesma fonte, os EUA tem um particular interesse em ajustar contas com o José Américo Bubo Na Tchuto, pois além de ser reconhecido (e acusado) pelo governo dos Estados Unidos como um perigoso barão da droga da Costa Ocidental africana, os EUA acusam-no ainda de ter também ligações com algumas celulas da AQMI instaladas na Mauritânia, na Guiné-Conakry, no Mali e na Gâmbia, onde, recorde-se, Bubo refugiou quase um ano para depois regressar clandestinamente e preparar o golpe, entretanto falhado, de 1 de abril.

Sobre este facto, convém lembrar o episódio dos três mauritanianos, entre eles Sidi Ould S., perigosos terroristas islâmicos que assassinaram barbaramente um grupo de turistas franceses na Mauritânia. Depois de detidos pelas autoridades do seu pais, esses terroristas consiguiram evadir-se procurando o território guineense como refúgio, fiando-se na desestruturação, inoperância e estado de corrupção que mina toda a estrutura securitária desse pequeno mas instável país da África Ocidental. Porém, contrariamente ao que pensaram os fugitivos, eles foram identificados e detidos pelas autoridades guineenses, com a colaboração dos serviços secretos americanos, franceses, senegaleses e também guineenses, sendo entregues à custodia das autoridades nacionais de então.

Posteriormente esses três terroristas islâmicos sumiram misteriosamente das celas guineenses, sem que as autoridades de então pudessem dar uma resposta convincente sobre esse misterioso "desparecimento". Hoje, sabe-se que esses terroristas foram retirados das celas a mando e pelos homens de Bubo Na Tchuto de quem passaram a ter protecção e garantia de segurança. Essa operação valeu a Bubo Na Tchuto um ganho de quase 3 milhões de dólares, aos quais se juntariam mais 2 milhões caso os conseguisse tirar da Guiné-Bissau.

Contudo, o mais grave nessa história vem depois. O governo norte-americano, ciente da perigosidade desses elementos, envia um dos seus elementos mais valiosos e cotados da sua estrutura da DEA em África para seguir de perto e investigar esse caso. Na sua acção de seguimento aproximado ao chefe do grupo, Sidi Ould S., o agente da DEA foi surpreendido pelos homens de Américo Bubo Na Tchuto. Detido na própria casa do Contra Almirante, foi espancado tentando tirar-lhe informações sobre a razão da sua presença nessas paragens, mas não cedeu. Mais tarde, convencido da desatenção dos guardas, tenta a fuga, mas teve pouca sorte: foi recapturado e morto a catanada pelos homens de Na Tchuto.

Mas, em tudo isso, uma marca estranha nessa morte chama a atenção dos norte-americanos. O seu agente foi agredido à catanada e, depois, degolado... um sinal de vingança arabo-islamico contra os infiéis... É a marca da AQMI, sinal de que Sidi Ould S. estava com os homens do Almirante aquando da terrivel morte do seu agente (nota: depois de colocados em Uaque - a cerca de 40 km de Bissau e a menos de 20 de Mansoa - por Bubo Na Tchuto, eles foram recapturados com a ajuda dos serviços secretos norte-americanos e reenviados para a Mauritânia).

Perante estes factos, o governo norte-americano por um lado vê Bubo Na Tchuto como um reconhecido e temido barão da droga, e por outro como um perigoso colaborador da AQMI. Enfim, os EUA estão convencidos da participação de Bubo Na Tchuto, dos seus homens e de um dos terroristas da AQMI na morte de um dos seus melhores agentes na África Ocidental (omite-se deliberadamente o nome do agente do DEA morto na Guiné-Bissau).

Em resumo, a conivência e empatia que alimenta a relação Russel/Antonio Injai, tem uma razão clara e perfeitamente perceptivel: conseguir, por conta e risco dos EUA, a detenção e entrega ao seu governo do Almirante Bubo Na Tchuto.

A apresentação dessa razão importará naturalmente uma outra questão quase por instinto: porque razão é que o governo dos EUA está a colaborar com o golpista António Injai, se publicamente já foi afirmado pelas próprias autoridades dos Estado Unidos de que Antonio Injai é, também hoje, um poderoso e influente barão da droga de toda a África Ocidental, isto, para além de estar intrinsicamente ligado ao assassinato do antigo Presidente João Bernardo Vieira (Nino) - segundo afirmações públicas recentes da própria Secretaria de Estado americana Hillary Clinton. Assim afirmou Hillary, dizendo que os EUA não poderiam aceitar nunca a nomeação de Chefe de Estado Maior General das Forças Armadas, uma pessoa que matou o Presidente do seu país. Essa declaração foi suficientemente difundida em toda a imprensa internacional.

A resposta é simples para o governo norte-americano: o Contra Almirante José Américo Bubo Na Tchuto, para além de ser um narcotraficante à escala mundial (a acusação é deles) e sob alçada das suas autoridades judiciárias, participou com os seus homens na morte de um dos seus agentes em missão do governo americano, e para eles, Antonio Injai, o senhor de Bissau, é a unica pessoa que poderá ajudar na captura de Bubo Na Tchuto e entregá-lo à justiça norte-americana para ser julgado pelos crimes de que é acusado.

E pergunta-se: será que Antonio Injai ficará por lá sem que nada lhe aconteça ? Não. Pensam os americanos que Antonio Injai será levado pelos acontecimentos que criou e pelos que inevitavelmente se seguirão, ou que, em momento oportuno, ultrapassado a fase Bubo Na Tchuto, terão o tempo de lhe fazer a folha. António Aly Silva"

sexta-feira, 19 de Setembro de 2014

Palmatória di Tio Bernal: Uma frase, três erros


Mesmo copiando, os erros são aos pontapés. Ninguém merece...





Não me lixem, pá! AAS

PAIGC festeja 58 anos com pompa


A reintegração e adesão de 88 novos militantes e o lançamento de um livro intitulado “o Engenheiro nó Camarada” e a ascensão de 347 jovens da JAAC (Juventude Africana Amílcar Cabral) à militante do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) marcaram hoje as celebrações do 58º aniversario desta formação politica.

O acto de reintegração foi presidido pelo presidente do PAIGC Domingos Simões Pereira e decorreu na sede do partido em Bissau.

Simões Pereira referiu que o PAIGC enquanto movimento popular de libertação elegeu três objectivos para a mobilização do povo, que são a independência, o desenvolvimento e a unidade de todos os que viviam no território colonizado pelo regime fascista português.

Segundo o presidente do PAIGC, o terceiro objectivo constitui uma visão progressista única e diferenciadora de todos os movimentes de libertação em África.

Domingos Simões Pereira acrescentou que a construção dos estados sociais através de comités de tabancas, bairros, zonas e organizações sectoriais e sub- regionais após a independência, integrando homens e mulheres de forma equitativa, promovendo a saúde, segurança, a educação, são elementos que servirão de embrião para a modernização da vida política, económica e social.

“O momento político que hoje vivemos desafia-nos e mobiliza-mos e cultivar o espírito de união e coesão interna com os parceiros de governação, o sector privado, sociedade civil, a comunidade internacional e partidos políticos com vista a vencermos a maldição da instabilidade e enveredarmos para o desenvolvimento”, destacou.

Simões Pereira sublinhou que a estabilidade é uma necessidade imperiosa, razão pela qual na abertura das comemorações do Setembro vitorioso apelou a adesão e reintegração de camaradas ao partido facto que hoje aconteceu.

“ O nosso exercício governativo deve ser capaz de alcançar resultados concretos, em termos de melhoria das condições de vida. Devemos agir de forma comprometida com a promoção de investimentos públicos nos sectores básicos como a saúde, educação, segurança alimentar, energia, e promover uma governação coordenada e disciplinada que passa pela valoração dos nossos recursos humanos”, referiu o presidente do PAIGC. ANG

DROGA: EUA ainda querem deitar a mão ao Indjai

Washington aplaude a exoneração de António Indjai e escolha de Biaguê Nan Tan para CEMGFA. Tribunal de Nova Iorque tem processo aberto e coloca hipótese de extradição do general. A justiça dos Estados Unidos ainda procura julgar por tráfico de droga e armas o general António Indjai, exonerado esta semana do cargo de chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas da Guiné-Bissau.

"O caso de António Indjai ainda está pendente no nosso tribunal", adiantou uma assessora de imprensa da procuradoria do Distrito Sul de Nova Iorque à agência Lusa, confirmando que o mandado de captura norte-americano se mantém. A mesma representante disse que "o tribunal não comenta qualquer outro aspeto do caso", inclusive a hipótese de extradição, agora que o general não ocupa um cargo oficial.

Indjai era vice-chefe do Estado-Maior das Forças Armadas e passou a liderar os militares guineenses quando a 1 de abril de 2010 destituiu o então CEMGFA - Zamora Induta, tendo também detido, por algumas horas, o primeiro-ministro - Carlos Gomes Júnior. A 12 de abril de 2012 e após vários momentos de tensão com o Governo, o general liderou os militares num golpe de Estado, que acabaria por interromper a segunda volta das eleições presidenciais.

A 18 de abril de 2013, foi acusado pela justiça dos EUA de participação numa operação internacional de tráfico de drogas e armas. A acusação surgiu depois de um antigo líder da Marinha guineense - Bubo Na Tchuto, ter sido detido dias antes, a 4 de abril, em águas internacionais, perto de Cabo Verde, por uma equipa da agência de combate ao tráfico de droga americana, juntamente com outros quatro guineenses. Na Tchuto e dois dos seus ajudantes já confessaram os seus crimes. Um dos ajudantes - Papis Djeme, foi condenado este mês a seis anos e meio de prisão. Quanto ao segundo adjunto - Tchamy Yala, a sentença será lida a 17 de novembro.

Depois da confissão de Na Tchuto, acontecem agora as negociações entre a acusação e defesa. O guineense arriscava uma pena de prisão perpétua. "Desde o início que este caso tem mostrado que as forcas da lei dos EUA vão fazer justiça com todos os traficantes que tragam drogas ilegais para o país, mesmo quando os seus atos criminosos acontecem noutros continentes", disse o procurador do estado de Nova Iorque - Preet Bharara, no início do mês, quando leu a sentença de Papis Djeme.

Numa nota distribuída à comunicação social esta quinta-feira, a administração Obama congratula-se com a exoneração de Indjai e a nomeação de um novo CEMGFA, que mostra que "as novas autoridades de Bissau estão a fazer progressos notáveis no restabelecimento de um Estado democrático". RDP

quinta-feira, 18 de Setembro de 2014

Muito obrigados


Entrada e Visualizações de páginas

Portugal
2.706,162

Guiné Bissau
1.800,556

Senegal
1.380,665

Reino Unido
1.176,356

Estados Unidos
958.276

França
851.476

Brasil
702.839

Cabo Verde
235.766

Espanha
161.179

Marrocos
97.752

EUA elogiam novas autoridades da Guiné-Bissau


Os Estados Unidos da América (EUA) declararam hoje que o novo Governo da Guiné-Bissau está a fazer "progressos consideráveis" no restabelecimento de um Estado de direito, de acordo com uma nota enviada à agência Lusa.

"Soubemos pela comunicação social que o Presidente (José Mário) Vaz dispensou formalmente o general Indjai da sua posição de chefe militar", refere a nota da embaixada dos EUA em Dacar, Senegal, em resposta a questões colocadas pela Lusa sobre a exoneração do Chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA).

"O novo Governo eleito da Guiné-Bissau está a passar por um processo de restabelecimento de um estado de direito num país que há apenas dois anos sofreu um golpe militar. [O Governo] tem feito progressos consideráveis", refere a representação norte-americana.

Segundo a nota, as "mudanças de pessoal são uma parte do processo de consolidação democrática". "Tencionamos continuar a trabalhar e a apoiar o novo Governo da Guiné-Bissau à medida que constrói um Estado de direito democrático", conclui.

Sobre o ex-CEMGFA António Indjai recai um mandado de captura da justiça norte-americana que o acusa de participação em tráfico internacional de droga e armas - mas sobre o qual a representação diplomática dos EUA não fez qualquer comentário. Indjai entregou hoje o gabinete e dossiês ao sucessor, Biaguê Nan Tan, nomeado na quarta-feira pelo Presidente da República para chefiar os militares guineenses. Lusa

AGRADECIMENTO


"Aly

Só pra agradecer ao senhor Carlos "okis" pelo elogio que fez ao meu falecido Pai Mumine Embalo no seu blog pela coragem que teve na altura enquanto Ministro do Interior. É sempre um orgulho para qualquer filho e familia ver o nome do Pai ser elogiado por um ato tao nobre corajoso, honesto e publico.

Em nome da familia Embaló transmita-lhe os meus sinceros agradecimentos.

Um aplauso tambem para Botche Candé.

Saico Umaro Embalo"

PONTOS NOS D's: Cada macaco no seu galho


Eu estou lá em cima e não desço.

Agora, rekadus ku ntem pa konta:

E não, não discuto - nem tenho nadinha para discutir - com quem escreve "hêis" nem "acessôr" e muito menos ainda "denúnciante". Se escrever "assássinos" então...fujo a sete pés. "Escrevestes", "dissestes"? E...eu é que sou "deshumano"? Onde está o "caractér"??

Larga computador bu kontinua ku casquete na porta...AAS

OPINIÃO: Botche Candé - uma vedeta


"Os meus cumprimentos Aly,

Muito te agradecia a amabilidade de me fazer publicar esta minha contribuição no teu blog. Antecipadamente grato. O ministro do interior Botché Candé guineense, tornou-se vedeta de noticia pelos bons e elogiosos motivos de, ter devolvido ao Tesouro Publico mais de trinta milhões de francos cfa's, valor esse, resultante do excedente de supostos pagamentos lançados na folha salarial da sua tutela ministerial.

Na verdade, pelos momentos que passa o pais, prolixo de maus exemplos, um gesto dessa evergadura, é sempre de louvar e aplaudir.

Porém, é bom que se saiba que este gesto não é inédito nesse ministério versado e doutorado nessas praticas. Isto porque, dos tempos do falecido Mumine Embalo (paz à sua alma) à frente dessa instituição, precisamente em 2005, ele ja tinha descoberto essa acção fraudulenta, tendo denunciado o caso ao PM de então, Carlos Gomes Jr.

O dinheiro na altura, acima de 28 milhões endividamente locupletado perante anos a fio por pessoas identificadas no ministério (pessoas graudas, incluindo militares que tinham um pé no MI e outro nas FA), foi recuperado e, com devida autorização superior foi canalizado para outras necessidades logisticas prementes do ministério. A partir dessa data, supôs-se que a situação da folha salarial foi reposta nos valores reais e os agentes infractores do ministério afastados sumariamente. Isto foi, em 2005.

Portanto, correram mais nove anos desta data e hoje, o mesmo fenomeno é detectado e o caso é denunciado ganhando inquestionavelmente louros de campeão da "transparência" o ministro zeloso Botché Candé. Tudo bem, ele bem merece e, não nos resta mais do que, encoraja-lo a prosseguir com essa missão de serviço publico meritorio e instar o governo actual a seguir esse assunto de muito perto e em permanência para evitar o retorno da pratica.

Digo seguir de muito perto, porquanto dos tempos atras citado, o proprio ministro foi pressionado e até "ameaçado" de morte com praticas misticas, caso teima-se em levar esse caso ao conhecimento do PM, sabendo-se que, este tomaria naturalmente medidas drasticas sobre o assunto e poria fim a essa roubalheira indecente que ja tinha muitos anos de pratica. Conhecendo-se o caracter de Munine Embalo, temeroso avançou...mas não tardou.

Outro estigma. Neste momento, no MAI existem os piores "ratos" das Direcção de Administração e Finanças (DAF) que se conhecem na Guiné-Bissau, eles rodam-o-po, entre M. Pescas, MAI, M. Defesa e M. Finanças... e, são ricos como Cresus).

So por este alerta estamos conversados, pois diz um ditado popular "pô ku kustuma bulbuli, nim ku bento ka tém, alal".

Carlos "Okis" – ex-funcionario do MAI"

PAIGC/NÚCLEO CABO VERDE


CONVOCATÓRIA

Núcleo do P.A.I.G.C em Cabo Verde
Coord: Pedro Barbosa Mendonça
Contacto: 9232215/ 9175068/ 9959866
Correio electrónico: pedromadona@gmail.com

Convocatória

Na perspectiva de realizar um colóquio alusivo ao dia 19 de Setembro, data da fundação do Partido Africano para Independência da Guiné e Cabo Verde, sob o lema, a Importância dos jovens na Reconciliação do Partido P. O Núcleo do P.A.I.G.C em Cabo-Verde, representado pela sua excelência Dr. Pedro Barbosa Mendonça, no cumprimento do seu plano anual de actividade vem por este meio convidar a todos os militantes, simpatizantes e amigos do partido em Cabo-verde a participarem no referido colóquio, que será presidido pelo Dr. Jaime Sampa.
Este colóquio, terá lugar no dia 20 de Setembro do corrente ano pelas 16h30min na Assembleia Nacional Popular de Cabo-Verde, Cidade da Praia.

Sem mais assunto de momento queira aceitar os nossos melhores cumprimentos,

O núcleo do P.A.I.G.C.

___________________________________
Dr. Pedro Barbosa Mendonça

Dá-se:


OPINIÃO: O Pinóquio da verdade


"Carissimo Aly,

Tenho seguido as tuas trocas de posts relativamente a um pretenso envolvimento do nome do general Emilio Costa ex Vice-CEMGFA agora em missão na CEDEAO.

Sobre isso, apenas gostaria de te dizer para não ligares alguma aos caprichos e sensibilidades de "generais", sejam eles quem forem, no activo ou na reserva e, muito menos dares credo e respostas aos seus esbirros de "mininus di mandados".

Eu penso que a tua preocupação deve ser outra e deve-se virar para as pessoas que apreciam o teu valioso trabalho e não perderes tempo com querelas banais e sem interesse para os teus fins de servir o publico guineense.

Creio que a explicação dada ao general Emilio Costa, é mais do que elucidativo, e ao que parece ele compreendeu o alcance do teu post. E, mesmo que ele não tivesse assim compreendido, o problema seria sempre dele para se fazer bem compreender porque em algum momento o ofendestes ou rebaixado e, por outro lado, nos que te seguimos, comprendemos, e bem o alcance da tua mensagem e intenção de informar sobre os varios cenarios que se perspectivavam sobre esse melindroso caso.

Agora, estares-te a se enervar com "pardais" mensageiros à expensas de generais e golpista, é perder e desmerecer o teu precioso tempo, que nos tanto apreciamos e prezamos merecer. Enfim, para acabar com a recreção, mande-os os todos, mais é... dar uma volta, tal como o Injai foi mandado.

Abraços,
Pinoquio"

OPINIÃO DO EDITOR: RESPONSABILIZAR O EXONERADO




"Tenho dito:

António Indjai foi exonerado e bem. Eis alguns dos motivos:

Indjai deu um golpe de Estado e depôs o CEMGFA Zamora Induta. Nesse dia 1 de abril (é a verdade), mandou prender ainda o Primeiro-Ministro Carlos Gomes Jr. - apenas o melhor da história da Guiné-Bissau, e o seu ministro Oliveira Sanca foi agredido durante essa detenção pela canalha;

António Indjai, já dono e senhor de Bissau, 'ibertou' Bubo Na Tchuto da sede da ONU. Depois, manteve o ex-CEMGFA na cadeia e depois em prisão domiciliária cercado por dezenas de militares.

Fez refém um Primeiro-Ministro eleito democraticamente e 'negociou' depois com um Carlos Gomes Jr que tinha uma espada apontada à cabeça a sua permanência no cargo.

A 12 de abril, contratou um grupo de civis desordeiros e prontos para a confusão. Dá um golpe de Estado, prende o Presidente da República, o Primeiro-Ministro, dezenas de cidadãos entre governantes, políticos, todos que se manifestaram tiveram o seu quinhão...

Planeou de seguida uma espécie de tentativa de golpe de Estado (completamente desmontado pelo DC) que resultou em perto de 20 assassinatos, raptos, espancamentos, fugas de cidadãos, assaltos a residências de ex-governantes. Pansau Ntchama representou o crónico e pestilento papel de carne para canhão.

Sobre a exoneração em si:

Na verdade, António Indjai devia ter sido exonerado há que séculos! Estava legal apenas porque metia medo a qualquer um. Se esses energúmenos da transição o mantiveram...foi porque o Indjai os meteu lá como governantes. Simples. António Indjai era um CEMGFA ilegal - mas a prazo. Era uma questão de tempo.

O Presidente da República, José Mário Vaz, não precisava sequer CONSULTAR um governo legítimo para meter na rua um CEMGFA que estava na mais completa ilegalidade e fora de prazo. Ou seja, acabada a transição, todos as cabeças, independentemente do tamanho, devem ser postas a rolar ribanceira abaixo em direcção ao Geba...

Agora, para completar o ramalhete (isso, sim, seria reconciliação) António Indjai deve ser responsabilizado judicialmente por todos os crimes de sangue que ocorreram durante o seu reinado de puro terror (isto para não falar dos crimes de que é acusado pela administração Obama: Droga, armas, FARC).

Qual Presidente legalmente eleito tomaria outra decisão que não esta? As pessoas - paineleiros e cumentadores - querem novamente o diz-que-disse apenas para arranjar motivos para problemas. Não será nas vossas costas.

O próprio Indjai sabe que deve permanecer calado e longe dos holofotes. É a melhor coisa que pode/deve fazer. Aqueles que agora estão a empurrá-lo para dar o peito, serão os primeiros a meter o rabo entre as pernas e a fugir, assobiando para o lado.

Indjai sabe que nem sequer é querido pela tropa...foi durante o seu reinado que a MISSANG, vendo a miséria e a tropa a passar fome, resolveu subsidiar a sua alimentação. O Indjai que não nos lixe e se mantenha quieto e calado. Permaneça imóvel - nada mais.

E que fique claro: Eu, ANTÓNIO ALY SILVA, vou intentar acções judiciais contra o António Indjai, e contra a pessoa que me prendeu, agrediu com uma coronhada de pistola e me cortou a orelha. Se houver um ADVOGADO em Bissau para me representar, eis o meu email: aaly.silva@gmail.com

António Aly Silva"

Novo CEMGFA promete "submissão ao poder político"




Tenente General Biaguê Nan Tan reconhece "tarefa difícil", mas promete tranquilidade aos guineenses. Vai promover a reforma do setor e a formação de jovens militares. O novo chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas da Guiné-Bissau - Biaguê Nan Tan, garante que, sob o seu comando, os militares vão submeter-se ao poder político democraticamente eleito.

Nas primeiras declarações enquanto CEMGFA, após a posse conferida pelo Presidente da República e expressando-se em português, Nan Tan disse que a submissão dos militares ao poder político faz parte das suas prioridades - contrariando o histórico registo de insurreição. "Temos que respeitar a Constituição da República e as leis, subordinar as Forças Armadas ao poder político democraticamente eleito, organizar e dar formação aos jovens que nos vão substituir".

Parco em palavras, no discurso de posse no Palácio da Presidência, esta quarta-feira, reconheceu ter pela frente "uma tarefa muito difícil", mas prometeu tranquilidade ao povo da Guiné-Bissau. "Vivemos num período muito conturbado, mas acho que esse período já findou. Temos que pensar em criar as melhores condições para o povo da Guiné-Bissau" defendeu Nan Tan.

Após a investidura no cargo, o novo CEMGFA recebeu cumprimentos por parte de todos os embaixadores e representantes de organismos internacionais presentes na cerimónia. Nascido na aldeia de Finete, na região de Bambadinca, no leste da Guiné-Bissau, há 64 anos, Nan Tan é um militar de carreira que participou na luta armada pela independência do país.

De etnia Balanta (tal como o antecessor - António Indjai), recebeu formação militar em academias na antiga União Soviética e Cuba e ainda junto da Guarda Fiscal em Portugal. Foi chefe da Brigada Operativa das Alfândegas, quando José Mário Vaz era ministro das Finanças, no Governo de Carlos Gomes Jr. RTP

NOVO CEMGFA: Presidente da Guiné-Bissau pede "força armada republicana" a novo chefe militar


O novo chefe das Forças Armadas da Guiné-Bissau, Biaguê Nan Tan, foi ontem empossado numa cerimónia presidida pelo chefe de Estado guineense, José Mário Vaz, que lhe pediu para dotar o país de uma "força armada republicana". "Queremos uma força armada republicana em obediência ao poder político democraticamente eleito", defendeu José Mário Vaz ao dirigir-se ao novo chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA).

Antes de ser empossado no cargo, Biaguê Nan Tan foi graduado pelo presidente guineense, passando da patente de brigadeiro-general para a de tenente-general, isto é, de general de duas para três estrelas. O presidente guineense alertou o novo responsável militar para as suas responsabilidades, realçando que o povo e a comunidade internacional "esperam muito" de Biaguê Nan Tan.

"Sobretudo na criação de um bom ambiente nos quartéis, na pacificação das nossas forças armadas e na boa condução das reformas", observou José Mário Vaz, sublinhando que a reforma é a principal missão de Nan Tan. José Mário Vaz disse acreditar que, pelo perfil do novo chefe militar, enquanto "homem de Estado", antigo combatente, militar de carreira e profundo conhecedor das Forças Armadas guineenses, saberá vencer o "desafio".

O Presidente guineense esclareceu ainda que a mudança na chefia das Forças Armadas foi decidida de forma normal pelas autoridades eleitas, enaltecendo que "para lá das funções, existe o país" e defendeu que o novo chefe do Estado-Maior "tem o perfil que se adapta ao momento difícil" por que passam os ramos militares do país, sobretudo com falta de recursos.

Ausente na cerimónia, o ex-chefe das Forças Armadas, António Indjai, mereceu palavras de apreço por parte de José Mário Vaz, tendo destacado o "precioso contributo" durante o "momento crítico da história recente" do país em que jogou toda sua influência para o bem do povo, referiu.

António Indjai "tem as portas da presidência abertas para tudo" aquilo em que achar "que ela poderá ser-lhe útil", disse José Mário Vaz.

TRANSIÇÃO: PM Rui de Barros ouvido pela justiça



Jornal O Democrata

24 de Setembro: Comemoração no Brasil/Santa Catarina


quarta-feira, 17 de Setembro de 2014

Orgulhoso


"Amigo Aly;

Fiquei orgulhoso por si!

Bastava o seu educado esclarecimento ao General para que, como já lhe disse, nós os leitores tirássemos as devidas ilações!

O grande sábio Salomão escrevia há muitos anos antes de Cristo, que "quem é direito serve de guia para o seu companheiro, porém os maus se perdem pelo caminho".

Quero com isso dizer que, usando a simplicidade como principal arma, o amigo Aly seria capaz de construir a sua própria ponte que lhe conduz a qualquer alvo que pretenda atingir!

Abraço

A. D."

Bom, o general percebeu (ou seja, que não foi o Aly que disse) mas parece que há ainda alguém que NÃO PERCEBEU PATAVINA. Livra!!! Ninguém merece...Não volto a perder um segundo do meu tempo com quem não merece, que eu não conheço sequer, e que nem é do meu nível. Disse. A língua portuguesa é mesmo fodida...AAS

FAGB acusa MTN de não respeitar compromissos


ESCLARECIMENTO DC




Estava já tudo esclarecido com o general Emílio Costa - tratou-se apenas de uma questão de interpretação, coisa que nos acontece a todos. Se, ainda assim, o general decidiu manter o texto, aí nada posso fazer. Por mim, este assunto morre aqui e agora. AAS

Dos Santos, o pacificador


A embaixadora dos Estados Unidos da América com creditações em Angola, Helena Ruth La Lime, valorizou os esforços desenvolvidos por José Eduardo dos Santos, Presidente angolano, na busca de uma via de paz e segurança para o continente africano.

«O meu país reconhece a liderança que Angola tem demonstrado para alcançar a paz e a segurança no continente africano e, através do diálogo com as autoridades angolanas, vamos avançar e apoiar as iniciativas do Presidente José Eduardo dos Santos e do seu Executivo para questões em África», afirmou a diplomata, à saída de um encontro com o ministro da Defesa angolano, João Lourenço.

EXONERAÇÃO: Para MNE português, Rui Machete, a substituição de António Indjai se insere "dentro de rota prevista"


O ministro dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, considerou hoje que a substituição do chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas da Guiné-Bissau se insere numa "rota que já estava prevista". "Insere-se dentro de um plano, de uma rota que já estava prevista", disse o chefe da diplomacia a jornalistas portugueses em Madrid, à margem de uma conferência ministerial sobre a Líbia.

"É muito importante que a reestruturação do setor das forças armadas e da segurança seja feita. Isso passa pela substituição, que é natural, das autoridades antigas que resultaram de um golpe militar", afirmou. Lusa

O 'exclusivo' de hoje foi...ontem!!!




PROFESSOR PARDAL ou PINÓQUIO? Son pa mara dala...kkkkkk

24 de Setembro: Comemoração no Brasil

24 de Setembro: Comemoração em França


COMUNICADO DE IMPRENSA

Por ocasião de mais um aniversário da independência de GUINE- BISSAU, 24 de setembro 1974, organiza-se no sábado dia 20 de setembro, uma grande festa comemorativa da independência na 63 Rua de LANDY-PLAINE SAINT DENIS, 2 mn de STADE DE FRANCE, Bilhete 20 €+ conso. Possibilidade de compra de bilhete no próprio sitio.
Serão presentes, grandes artistas da musica Guineense entre os quais : ATANASIO ATCHUEM, SADJO SISSOKO (KORA) e MALAM DE MAMA DJOMBO.

Todos os Guineense sao convidados a participarem a este evento comemorativo.
Contamos com a vossa massiva participação.

Contactos :
07 53 45 77 81/ 07 53 30 01 99 00/ 06 52 81 36 77/ 07 88 08 24 82

Marketing Comunicação : 07 82 59 41 75
Marcelina Labare-Monteiro

ÚLTIMA HORA: Biague Na Ntam, será empossado hoje, às 14hrs, como novo Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas da Guiné-Bissau. AAS

AQUI NÃO SE BRINCA: Como DC anunciou ontem...BIAGUE NA NTAM é o novo CEMGFA. AAS



Brigadeiro BIAGUE NA NTAM: De chefe da casa militar do PR a novo homem forte das forças armadas da Guiné-Bissau